Dário Costa, finalista de Mestre do Sabor, fala da final: “Sentimento de missão cumprida”

Globo exibe a grande final nesta quinta-feira (23)

Publicado há 2 meses
Por André Santana
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Aos 32 anos, Dário Costa, que nasceu em Santos e mora em Guarujá, viu a gastronomia entrar na sua vida ao se mudar para a Nova Zelândia quando adolescente. Começou lavando pratos e foi aos poucos galgando espaço. Viajou pelo México, Chile e Itália, onde entendeu o valor dos alimentos e o verdadeiro significado da gastronomia. Hoje, possui seu próprio restaurante no litoral paulista.

Na entrevista abaixo, o finalista do Mestre do Sabor fala sobre a estratégia que usou durante o programa; os desafios da competição; os aprendizados; e sobre as expectativas para a final, que acontece nesta quinta-feira, (23), após Fina Estampa, ao vivo, direto dos Estúdios Globo.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Qual é o sentimento de estar na final do Mestre do Sabor?

É um sentimento de missão cumprida. Eu acho que eu lutei tanto para conseguir chegar na final, me dediquei pra caramba, estudei igual a um louco, incorporei o jogo, a competição mergulhando de cabeça. Chegar na final é sensação de dever cumprido. Agora é só fazer o que eu sei fazer e contar um pouco com a sorte também. A galera que está na final é sinistra e eu não tenho certeza se vou ganhar, mas a única certeza que eu tenho é que vou fazer o que sei fazer da melhor maneira possível.

Você considera que adotou alguma estratégia no jogo que o ajudou a chegar na final?

Sim, eu adotei uma estratégia. Poucos sabores, sabores simples e marcantes. Poucos componentes no prato, sem viajar muito na maionese e às vezes que eu não fiz isso, não fui bem avaliado. As vezes que deixei passar um pouco da conta, não fui bem avaliado. Menos é mais. Ser simples e fazer muito bem feito os sabores marcantes.

O que considerou mais desafiador na competição?

A surpresa e o tempo. Você não sabe o que vai ser, fica sabendo na hora e o tempo de preparo é curto. São coisas totalmente atípicas da vida da cozinha profissional.

Olhando para trás, para os dias de gravação, considera que houve algum aprendizado?

Sem dúvidas. O aprendizado foi gigante. Eu tenho certeza que o que eu tiro de mais valor do Mestre do Sabor é o aprendizado junto com os cozinheiros com quem eu convivi o tempo todo. Vendo técnicas, tendo ideias, perspectivas de cozinhas diferentes. Eu mergulho muito profundamente nas coisas que eu não sei. Então, foi muito aprendizado que tirei nesse tempo e isso se deve tanto à galera que participou, quanto ao empenho de querer mandar bem e me obrigar a estudar muito mais que numa rotina normal.

O programa reuniu chefs experientes, muitos têm suas próprias cozinhas e trabalham com isso há anos. Na sua opinião, o que diferencia um chef do outro?

Eu acho que o que diferencia os chefs é a bagagem, a trajetória. A experiência que nos define, a variedade. Você vê que o cara passou por diversas cozinhas diferentes, das mais simples às mais sofisticadas… Acho que isso é algo a mais. O que diferencia um chef do outro.

O que é cozinhar para você?

Para mim é uma profissão tão importante quanto a profissão de um médico. De grande responsabilidade, que envolve devoção. A gente se entrega muito para isso e às vezes a gente não tem o reconhecimento que merece. Acho que cozinhar é uma profissão totalmente fora da curva.

Você sentiu mudanças no seu ambiente profissional desde que o programa começou?

Sem dúvidas, eu senti mudanças. Infelizmente, com a situação da pandemia, só estamos atendendo por delivery. Ainda assim, fez com que os clientes pedissem mais nossa comida, pela exposição que tivemos. Mas grande parte desse retorno, que seria a experiência das pessoas sentarem no restaurante, serem servidos, assistirem ao balé que é a cozinha em ação, ainda não aconteceu. Acho que o melhor ainda está por vir.

E a repercussão com o público, como tem sido para você?

Está sendo incrível. Eu recebo tanta mensagem positiva da galera torcendo. Eu me sinto em um time de futebol lutando pela taça. Sentir esse calor do brasileiro é uma sensação muito doida para quem passou a vida na cozinha trabalhando.

O que tem feito durante a quarentena?

Eu tenho trabalhado bastante, não mudou muito para mim neste sentido. Mas por não ter o salão cheio de clientes, está um pouco mais leve. Então, estou tendo tempo para descansar, esfriar a cabeça, pois acredito que precisamos ter um equilíbrio, compensar momentos de muito empenho com lazer, com família. Estou aproveitando para curtir a família, pescar, surfar, ficar com a cabeça bem leve para chegar na final e arrepiar.

Quais suas expectativas para a final?

É uma final absurdamente acirrada. A galera que está ali é muito, muito sinistra. Eu tenho certeza que independente de eu ter mandado bem durante o programa, teve muita gente que não teve oportunidade de mostrar seu trabalho individual. Depois que as provas em grupo acabaram, muita gente se destacou.

Serginho mandou muito bem na semifinal, o Juninho, a Ana, então não tem absolutamente nada definido. O que vem pela frente é completamente incerto. Eu tenho certeza que vai ser uma final muito acirrada e digna de quem está ali. Acho que vai ser lindo.

Quais os planos para o futuro?

Não temos muita escolha. Depois de bastante tempo sem poder trabalhar direito, como a gente gosta de trabalhar, agora as coisas estão se acertando, parece. Essa semana abrimos o salão do restaurante, com uma capacidade muito menor do que a gente pode atender. Espero que isso só progrida. Esses quase quatro meses de quarentena têm que ser compensados agora com muito trabalho. Não tenho outro plano a não ser uma imersão absurda de trabalho.

Caso vença a competição, já tem planos sobre como usar o prêmio?

Se eu vencer a competição, sem dúvidas, vou usar o dinheiro para desafogar as dívidas que a quarentena me deu. Tem um rombo muito grande e infelizmente não tivemos a ajuda necessária para conseguir ter uma sobrevivência e passar por esse tempo de uma maneira tranquila e saudável.

Mestre do Sabor é um formato original Globo, com direção artística de LP Simonetti e direção geral de Aida Silva. A etapa final da segunda temporada do reality gastronômico será nesta quinta-feira, (23), após Fina Estampa. O programa também será exibido no GNT, na sexta-feira, às 22h.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais