Confira 7 novelas inspiradas em romances medievais

Publicado há 3 anos
Por João Paulo Reis
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Você sabe o que são novelas de cavalaria? Novela ou romance de cavalaria é um estilo literário que teve suas origens na Inglaterra e França. As histórias musicadas sobre as vitórias de grandes heróis passaram a ser escritas e não mais cantadas, e nelas eram abordadas amores proibidos, lutas e cortejos românticos do herói para sua amada. As novelas de cavalaria chegaram em Portugal no século XIII, e traduzidas do francês se popularizaram entre os fidalgos e nobres da época. Tal qual na literatura, as telenovelas trouxeram o espírito desses romances, muitas vezes adequadas à realidade brasileira, afinal nossa era medieval foi muito diferente do que se vê em filmes e séries do gênero. Anunciada como trama medieval, a próxima novela das 19h da Globo, Deus Salve o Rei, trará novamente este formato de história, banhado em fantasias, duelos e títulos de nobreza. Veja algumas novelas brasileiras que já beberam desta fonte em histórias que utilizaram estes elementos:

Leia também: Globo apaga do Youtube vídeos de Éramos Seis, do SBT, e prepara seu próprio remake

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Bernardo Velasco e Rayanne Morais em Belaventura (Divulgação)

Belaventura

A atual novela das 19h30m da RecordTV, ao contrário do que se especulou, não foi inspirada na série Game Of Thrones, mas traz elementos comuns à produção da HBO americana. Reis, rainhas, príncipes (quase) encantados, duelos de espada e luta pelo poder do reino de Belaventura, local onde se passa a trama.

Tereza Rachel em Que Rei Sou Eu (Divulgação/ TV Globo)

Que Rei Sou Eu?

A novela de 1989 era uma sátira da política brasileira. Sua história se passava em Avilan, fictício reino de um país europeu onde a plebe miserável tinha que se contentar com governantes corruptos, diversos planos econômicos, e moeda desvalorizada. O herói dessa história era Jean Pierre (Edson Celulari), filho bastardo do rei que se apaixona pela revolucionária Aline (Giulia Gam). 

Theresa Amaio e Claudio Marzo em A Rainha Louca (Divulgação/ TV Globo)

A Rainha Louca

A trama se passava no século XIX no México, e tinha o imperador Maximiliano (Rubens de Falco) e sua esposa Carlota (Nathália Timberg) como foco. Uma tempestade interrompe a viagem do casal ao Castelo de Chapultepec, e no caminho eles conhecem Conde Demétrio (Paulo Gracindo), antigo feiticeiro que revela que o imperador será fuzilado. Carlota então passa a pedir que o marido renuncie à coroa temendo por sua vida.

Meu Filho, Minha Vida

A novela exibida pela TV Tupi em 1967, se passava na Inglaterra vitoriana e gira em torno da morte de Lord Allan, um homem rico condenado à morte pela tuberculose. Seu cunhado, o ambicioso conde de Essex simula então uma gravidez em sua irmã, Lady Catherine Radenshawn para que o Lord possa fazer um novo testamento deixando tudo para ela e para o suposto filho.

O Pequeno Lorde

Em O Pequeno Lorde, novela de 1967, a sucessão ao trono era um grande problema para o Conde Dorincourt (Elísio de Albuquerque), que não acreditava que seu filho mais velho fosse capaz de governar o reino por ser um rapaz irresponsável e viciado em jogos.  O filho mais novo então é visto como homem ideal para governar, até que se casa com uma americana, e provoca a ira de seu pai. Com a morte dos dois filhos, o conde passa a aceitar seu neto como sucessor ao trono.

O Príncipe e o Mendigo, novela da Record de 1972 (Reprodução)

O Príncipe e o Mendigo

Na novela O Príncipe e o Mendigo da TV Record, em 1972, uma grande coincidência aconteceu na Inglaterra do século XVI. No mesmo dia do nascimento do príncipe Eduardo Tudor, nasce Tom Canty, um plebeu fisicamente idêntico ao nobre, e ambos crescem sem ter conhecimento da existência um do outro, até que um dia se encontram e resolvem trocar de papéis. Quando o Rei Henrique VIII morre, Tom (Kadu Moliterno), se passando por Eduardo Tudor, é obrigado a assumir o trono.

Açucena (Bianca Bin) e Jesuíno (Cauã Reymond) em Cordel Encantado (Divulgação/ TV Globo)

Cordel Encantado

Exibida pela Globo em 2011, Cordel Encantado uniu a literatura de cordel à literatura de cavalaria europeia. Os reinos de Seráfia do Sul e Seráfia do Norte viviam em guerra. Após a morte de Teobaldo (Thiago Lacerda), rei de Seráfia do Sul, a rainha Helena (Mariana Lima), vai até Seráfia do Norte pedir paz. Cristina (Alinne Moraes), rainha de Seráfia do Norte, grávida propõe um acordo: Depois de nascida, sua filha Aurora se casará com o filho de Helena, Felipe (Jayme Matarazzo) a fim de selar a paz entre os reinos. Durante uma expedição ao Brasil, Cristina acaba dando à luz e num plano orquestrado por sua irmã Úrsula (Débora Bloch) que desejava ser rainha, sua filha recém-nascida é sequestrada. Criada como Açucena (Bianca Bin) no sertão nordestino, a moça se apaixona por Jesuíno (Cauã Reymond), filho de um famoso cangaceiro da região.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais