Como Será? exibe quadro especial sobre os bastidores de uma escola de samba

Publicado há 4 anos
Por Endrigo Annyston
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O ‘Como Será?’ começa o sábado de Carnaval, dia 25, no ritmo da festa com o quadro ‘Hoje é dia de… Escola de samba’. O repórter Alexandre Henderson conversa com o carnavalesco da Portela, Paulo Barros, sobre inovação nos desfiles, assunto que ele conhece bem. Barros fala da parceria que possui com a Casa da Ciência da UFRJ para pesquisas de enredo, dos conceitos de Física envolvidos nos modelos de suas maquetes e apresenta o engenheiro que viabiliza os carros alegóricos mais complexos. Em outra reportagem, o público acompanha a rotina de Serginho do Porto, um dos intérpretes da Acadêmicos do Salgueiro, na aula de canto, consulta com a fonoaudióloga e conhece a dieta que Serginho segue para manter a voz durante os shows. Alexandre Henderson também visita o projeto social que funciona dentro da Beija-Flor. Coordenado por Selminha Sorriso e Rodney – porta-bandeira e mestre de bateria da escola de samba – o projeto forma ritmistas, passistas e mestres-salas e porta-bandeira, sem deixar de lado noções de disciplina, esportes, inclusão e cidadania.

No estúdio, Sandra Annenberg conversa com a infectologista Rosana Richtmann sobre vacinas. Apesar de ser uma importante forma de prevenção, muita gente ainda tem dúvidas sobre as possíveis reações que elas causam. Rosana esclarece sobre a importância, necessidade e segurança da vacinação. Ela também fala de febre amarela, HPV e doenças mais comum em crianças, como catapora, caxumba e sarampo.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em Paris, a repórter Lúcia Müzell mostra como os moradores da cidade criaram jardins e hortas compartilhados em espaços que antes estavam abandonados, como o alto de um prédio, um terreno baldio ou o canto de uma praça. Nestas plantações coletivas, cada um pode plantar o que quiser: flores, legumes, frutas etc. Bianca visita um dos pioneiros, o Jardin du Ruisseau, instalado há 12 anos em uma via férrea abandonada. A prefeitura dá todo o apoio e cede o espaço aos moradores, com a condição de que não produtos químicos em suas mudas. Ao longo dos anos, o projeto se desenvolveu e hoje possui galinheiro, colmeias e uma estrutura para a plantação de verduras. A reportagem mostra que além de ocupar uma área abandonada, a iniciativa engaja pessoas em situação de risco a trabalhar nos jardins.

No interior de Minas Gerais, o ‘Como Será?’ conta a história do lobo-guará Gianechini. O bichinho foi resgatado pela Polícia Militar de Meio Ambiente após ser atropelado e teve que passar por inúmeras cirurgias. Com nome de galã, ele vem recebendo todo o carinho da equipe do hospital veterinário e se recuperando bem.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais