Com 20 anos de carreira, Fernanda Paes Leme relembra participação na série Sandy & Junior

Publicado há 3 anos
Por João Paulo Reis
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Embora tenha apenas 34 anos, Fernanda Paes Leme é uma velha conhecida de quem acompanha a programação da TV brasileira. Desde adolescente, a atriz atua em produções televisivas, com destaque para o seriado Sandy & Junior, sucesso entre os anos de 1999 e 2003. “Tudo o que fiz de certo e errado, pela primeira vez na vida, foi com a galera do ‘Sandy & Junior’”, afirma a artista no Programa do Porchat que vai ao ar hoje, dia 8/5.

Fernanda ou Fepa, para os amigos famosos mais íntimos, também comenta sobre a sua transição de atriz para apresentadora de atrações musicais ou de consumo consciente. “Eu acho que hoje sou melhor apresentadora, mas acho que tenho muita coisa como atriz para viver”, declara.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Leia também: Orgulho e Paixão: Brandão recusa beijo de Mariana: “Não podemos ficar 

As outras convidadas do talk show são a jornalista Joyce Ribeiro e IZA, que acaba de lançar o álbum “Dona de Mim”. Em conversa com o apresentador Fábio Porchat, a cantora relembra o início da carreira profissional, aos 25 anos de idade, quando postava nas redes sociais vídeos dela mesma interpretando sucessos internacionais de nomes como Adele e Beyoncé. “Fiz isso para as pessoas saberem que eu cantava”, revela IZA, que, em seu disco de estreia, fala sobre a importância da mulher ser dona de seu próprio corpo.

Autora de um livro sobre Chica da Silva, Joyce Ribeiro lembra da importância histórica da ex-escrava que se casou com um europeu durante o período colonial brasileiro. “Além de sensual, ela foi desbravadora, corajosa e visionária. Exigiu que as filhas mulheres de seus 14 filhos estudassem”, diz a jornalista, que ainda fala sobre a luta dos movimentos negros nos dias atuais. “É um avanço irreversível, um momento de tomada de consciência não só dos negros, que estão mais conscientes dos seus espaços, mas também dos brancos, que são levados a pensar de uma forma mais realista, de que vivemos em um país multicultural e multirracial.”

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio