Clima esquenta no Bem, Amigos! e Caio Ribeiro é rebatido por Galvão Bueno e Cléber Machado; assista

O comentarista falou sobre o Volta Redonda ter afastado jogadores que estão com covid-19

Publicado há 3 dias
Por Guilherme Rodrigues
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Na edição desta segunda-feira (29) do Bem, Amigos!, programa do SporTV, Caio Ribeiro declarou ter conversado com uma pessoa de dentro do Volta Redonda e que foi informado que os três jogadores que testaram positivo para covid-19 não tiveram contato com os demais.

“Eles chegaram ao CT, não houve concentração. Quando se apresentaram para ir ao jogo, foram testados e imediatamente separados”, destacou o comunicador. “Mas e os dias anteriores, Caio? Eles podem ter tido contato. A questão são os dias anteriores”, rebateu Cléber Machado, apresentador do formato.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“Eles não treinaram durante a semana com os outros jogadores?”, questionou Galvão Bueno, via link. “Vou checar a informação de quando foi detectado, mas no momento em que foram detectados, foram colocados à parte“, garantiu Caio.

“Sim, Caio, mas o que a gente está dizendo é o seguinte: você chega para fazer o Bem, Amigos!, todos fazem o teste e só você tem a doença – só você é retirado. Mas, se a gente faz um ensaio nos dias anteriores, nós tivemos contato”, exemplificou Machado.

“Tivemos, mas vocês também foram testados e deu negativo”, falou Ribeiro, interrompendo o colega. “Nos Estados Unidos, o time da Marta foi testado na chegada na sede de onde a competição será encerrada. Ali, dez jogadoras testaram positivo e o time foi retirado do campeonato. A diferença de postura que me angustia”, argumentou Galvão.

“São posturas diferentes. O que eu quero dizer é que todos os clubes e jogadores são testados. A partir do momento que três jogadores testam positivo, eles são retirados. Ele pode ter contraído antes, mas ele estava sendo testado antes”, ponderou Caio.

“Caio, nós torcemos para que todos os testes deem negativo, ou no máximo que deem que o jogador está imunizado. Mas, aparentemente, pelo que se lê, não dá para ter certeza se os outros não vão dar positivo depois”, retrucou Machado.

“Volto a dizer que no momento em que foram testados, eles foram afastados e, aparentemente não tiveram contato com os outros jogadores”, refletiu Ribeiro. “Caio, estamos torcendo para que ninguém teste positivo. Claro que foram afastados do jogo. Mas se treinaram naquela semana, podem ter contaminado alguém que deu negativo no teste. E as atitudes em outros lugares têm sido diferentes”, seguiu Bueno.

“Tudo bem. Pode ter acontecido tudo isso e pode não ter acontecido”, comentou Ribeiro, um pouco alterado. “Caio, me perdoe, mas não podemos ficar na dependência do ‘pode ou não pode’ ter acontecido. Tem que ser uma coisa mais rigorosa. Não podemos jogar com a sorte”, falou Galvão, com o tom mais acima.

“Mas ninguém está jogando com a sorte. Os clubes estão respeitando protocolos de saúde. Uma outra discussão é estudar um protocolo diferente e é uma outra discussão”, analisou Ribeiro. Machado decidiu concluir o debate.

“O ideal seria que ninguém estivesse infectado. Mas acho que podemos esperar para ter certeza de que voltar com o futebol é uma coisa boa, para que não seja algo discutível, como está sendo agora”, finalizou.

Assista:

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais