Carmo Dalla Vecchia revela que sofria com as gravações de Cordel Encantado: “Dava até raiva”

Publicado há 2 anos
Por Cadu Safner
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O ator Carmo Dalla Vecchia está no ar em duas produções globais. Em Malhação: Vidas Brasileiras, ele dá vida ao problemático Rafael, e na reprise de Cordel Encantado ele é o Rei Augusto. Carmo relembra com carinho a atual trama do Vale A Pena Ver de Novo. Em entrevista ao Observatório da Televisão ele revela que não acompanha Cordel Encantando por falta de tempo, mas ressalta a grandiosidade da novela de Thelma Guedes e Duca Rachidi.

Veja também: Fenômeno no México, personagem gay de Mi Marido Tiene Más Família terá aparição inusitada no SBT; entenda

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“Não tenho tempo de ver. Eu só lembro do figurino e como a gente sofria (risos). As pessoas falavam: ‘Nossa, que novela linda!’, e eu estava de camiseta, camisa, blazer, capa com pele, fazendo 40 graus no Rio de Janeiro. Isso eu lembro muito bem. As pessoas falando da beleza da novela e confesso que dava até uma certa raiva, porque a gente sabia o preço que a gente pagava.

A gente sofria um pouco para fazer a novela. Uma vez gravei com Domingos Montagner em uma pedreira pertinho do Projac, que era geralmente onde gravávamos, e estava um sol de 40 graus e eu com toda essa roupa e mais uma capa com pele no pescoço. Quando eu saía do ônibus-camarim, em 5 minutos a roupa de baixo estava ensopada. Só que eu tinha que continuar com aquela roupa de baixo ensopada por mais 7 horas.

“Eu ficava preocupado em como fazer a postura do rei, como dar essa autoridade e nobreza para o personagem”

Era uma loucura, mas foi uma novela muito linda e é interessante quando você vê um trabalho seu com distanciamento. Quando você vê com um certo distanciamento, você consegue ver o resultado como um telespectador normal. Eu ficava preocupado em como fazer a postura do rei, como dar essa autoridade e nobreza para o personagem. Hoje eu vejo esse trabalho e tenho muito orgulho. Foi um acerto para todo mundo, para as autoras principalmente, para Amora Mautner que dirigiu e para o elenco que era improvável e que fez um trabalho maravilhoso”.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais