Carlos morre após ser baleado pela polícia durante manifestação

Publicado há 9 meses
Por João Paulo Reis
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Diferente do que foi veiculado pela imprensa há alguns meses, a nova versão de Éramos Seis mostrará também a morte de Carlos (Danilo Mesquita), que acontecerá quando o rapaz for vítima dos tiros de policiais, contra manifestantes. Antes disso, o ex-estudante de medicina terá uma conversa séria com Inês (Carol Macedo), onde ela irá propor que eles fujam sozinhos para Santos para passarem uma noite, ou alguns dias juntos.

“Fugir dos outros, só eu e você. Deixo um bilhete pro meu pai. Você é tão responsável, ele vai confiar
que estamos seguros. Às vezes precisamos forçar a porta pra trilhar o caminho que queremos. Ou não tem coragem?”
, questiona a enfermeira que pede ainda que ele não avise à sua mãe, para que ela não queira contar tudo para Afonso (Cássio Gabus Mendes).

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

No dia seguinte, Carlos acorda e surpreende Clotilde (Simone Spoladore) ao lhe dar um abraço. “Me deu vontade de dar um abraço na tia que gosto muito. E que anda cada vez mais ensimesmada. Mas não é engraçado? A gente passa a vida toda sem dizer que gosta das pessoas, sem fazer gestos bonitos que agradam. A Inês me diz isso. Tenho que ser mais leve, surpreender mais”, diz ele.

Lola (Gloria Pires) até pede para acompanhar o filho até o portão de casa antes de ele sair para trabalhar. “Ah, meu filho, todos os dias eu agradeço ter você para me ajudar… Se um dia me faltar, eu não sei o que vai ser de mim…”, dispara a doceira, e Carlos promete que sempre a ajudará.

Mais tarde, para completar, Marcelo (Guilherme Ferraz) conta que Isabel (Giullia Buscacio) está envolvida com Felício (Paulo Rocha), e pede que Carlos converse com o tio
para alinhar suas intenções com a garota, e mesmo dizendo que tem outros planos, ele topa ir até o escritório do advogado. Neste dia, 23 de maio de 1932, estarão acontecendo manifestações
contra o presidente Getúlio Vargas. Muitas pessoas estão presentes, entre elas, Virgulino (Kiko Mascarenhas), Adelaide (Joana de Verona), Tião (Izak Dahora), Alfredo (Nicolas Prattes) e Lúcio (Jhona
Burkack). Carlos tenta andar, mas no sentido oposto da passeata.

Ele se esgueira pelas paredes tentando não se misturar na confusão. Segundo o roteiro, uma metralhadora será mostrada, e atirará na multidão que começa a se dispersar, numa confusão e corre-corre imensos. Ele tenta fugir, mas acaba parando para ajudar um rapaz caído a seu lado. Carlos é atingido por um tiro, a cai ensanguentado. Ele é quase pisoteado pela multidão que tenta escapar dos tiros. Depois de muita confusão, algumas ambulâncias recolhem os feridos, entre eles, o filho mais velho de Lola. No hospital, ele pede para falar com Alfredo antes de morrer.

“Sei que as pessoas falavam para você ser como eu, mas quero dizer agora uma coisa que nunca disse antes. Eu queria ser muito como você, ter a coragem de lutar, de seguir minha vontade”, começa ele segurando as mãos do irmão, e selando a paz definitiva entre eles. O rapaz ainda faz um pedido.

“Eu quero falar. Preciso pedir um favor… Tem que me prometer que não vai deixar a mamãe sozinha. Ela não merece… Alfredo, você agora é o responsável pela casa. Não deixa ela sozinha. Promete para mim, Alfredo. Promete”, pede antes de morrer. As cenas estão previstas para irem ao ar no dia 07 de fevereiro. Alterações podem ocorrer devido à edição dos capítulos.

Mais Informações, curiosidades, sinopse, personagens e o resumo diário e atualizado dos capítulos da novela Éramos Seis

Confira o resumo dos capítulos das outras novelas da TV Globo, SBT, Record TV e Band

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais