Carlos Alberto de Nóbrega elogia Tatá Werneck no The Noite: “Dercy Gonçalves do século 21”

Publicado há um ano
Por Greicehelen Santana
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Danilo Gentili conversa com Carlos Alberto de Nóbrega no programa The Noite desta quinta-feira (16), no SBT. Celebrando 65 anos de carreira, o convidado relembra sua trajetória profissional, revela que teve gagueira na juventude e elogia atuais nomes do humor brasileiro.

Carlos Alberto conta que sua
carreira teve três inícios: quando assinou seu primeiro contrato aos 17 anos,
quando foi para a Globo nos anos 70 e quando assinou com o SBT, aonde permanece
até hoje. “Eu escrevia (roteiros de programas) escondido do meu pai, porque
ele queria que eu me formasse em qualquer coisa, tinha que dar um diploma para
ele. Sempre fui mau aluno. Repeti 3 anos
”, recorda.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Ele afirma ainda que era gago na
juventude e justifica: “A gagueira é uma insegurança. Fiz análise dez anos e
meio. Acredito que ser filho do Manoel de Nóbrega era muito peso para mim. Meu
pai era poliglota, estudioso, tinha uma cultura muito grande e eu era um
vagabundo. Era nadador, queria nadar, ganhar medalha
”.

Sobre o convite que Augusto César Vanucci fez para que trabalhassem juntos, conta: “ele era espírita, tinha um centro lá em Duque de Caxias e falou: ‘seu pai mandou uma mensagem que quer que você faça a Praça’. Eu disse: ‘manda meu pai descansar’”.

A Praça É Nossa e humoristas brasileiros

Apresentador de A Praça É Nossa, humorístico que sempre lidera os rankings de audiências, Carlos Alberto de Nóbrega afirma: “A Praça não daria certo em outra emissora. Deu certo porque o Silvio e a equipe de diretores confiavam e confiam no meu trabalho. Eu faço o que eu quero e nunca em 32 anos deram um palpite”.

Comentando nomes atuais do humor,
opina sobre Tatá Werneck: “Ela é a Dercy Gonçalves do século 21”. Ao
falar sobre artistas que ainda gostaria de receber em seu famoso banco,
declara: “gostaria que o Marcius Melhem e o Adnet viessem um dia”. E
continua: “não precisa nem ‘fazer graça’… se o Renato Aragão sentasse um
dia no banco da praça eu estaria realizado
”.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais