Campeão do No Limite 2 revela quanto faturou no reality e relembra perrengues

Para ele, a pior parte foi a fome

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Na próxima terça-feira (11), o No Limite  está de volta à programação da Globo. A nova temporada terá como participantes ex-BBBs e o vencedor levará para casa o prêmio de R$500 mil. Os 16 corajosos ganham ainda um cachê de R$ 15 mil reais.

O campeão da segunda temporada do reality, Leonardo Tadeu Rassi Neto, contou quanto os participantes de sua edição ganharam e revelou algumas curiosidades, em entrevista ao colunista do Metrópoles, Leo Dias.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“Cada domingo que você ficava, ou seja, a cada semana de sobrevivência, o participante ganhava R$ 1 mil. O terceiro e quarto lugar ganham R$ 20 mil a mais, o segundo lugar R$ 100 mil e o primeiro lugar fatura mais R$ 300 mil. Se eu não me engano, cada participante ganhou um carro da Fiat também. Nós tínhamos um contrato de fidelidade com a Globo, mas a gente ganhava um salário mínimo por mês, algo assim”, revelou.

Para ele, a parte mais difícil era a fome. “A fome te suga de todas as formas. Imagina passar fome, no meio do mato, sem nada para fazer e com várias pessoas diferentes de ti. É muito difícil. A fome é a parte mais complicada”, avaliou.

E completa: “A comida que nós tínhamos era o que nos encontrávamos na mata. Era muito difícil a sobrevivência. Em certo momento, nós paramos de querer procurar comida para focar nas provas, sabe? Até porque quem ganhava as provas, recebia um ‘banquete’ e o time perdedor recebia uma regalia bem menor”, lembrou.

 Leonardo ponderou ainda que o público precisará entender como funciona o programa. “Se o publico do BBB for assistir esse programa, o povo tem que entender que é algo totalmente avesso, sabe? Lá é superação diária. Você vê o seu colega definhando e indo à exaustão. É muito difícil psicologicamente. Essa nova edição tem tudo para ser um sucesso. O público tem de olhar a trajetória de sobrevivência e superação na ilha”, disse.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio