Câmera Record vence Prêmio República de jornalismo

A atração foi premiada pela reportagem A Escravidão no Século XXI

Publicado há 3 meses
Por André Santana
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O Câmera Record conquistou nesta semana o Prêmio República, promovido pela Associação Nacional do Procuradores da República, na categoria Jornalismo/Televisão. Com a reportagem “A Escravidão no Século XXI”, sobre exploração de trabalhadores em plantações de cacau, o programa venceu a disputa pelo terceiro ano consecutivo, algo inédito nos oito anos da premiação.

A Record TV concorria ainda com outro especial do próprio Câmera Record, “Brumadinho – Revelações de um Crime”, também selecionado dentre os três finalistas da premiação na categoria Televisão.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Para produzir “A Escravidão no Século XXI”, um documentário sobre o cenário de extrema pobreza que envolve uma das grandes riquezas brasileiras, foram necessários quatro meses de investigações, realizada em três estados. A equipe também teve acesso a documentos obtidos com exclusividade pela Lei de Acesso à Informação.

Além do material que foi ao ar na televisão, a equipe do Câmera Record desenvolveu, em parceria com o R7.com, um projeto no R7 Estúdio, com material inédito, bastidores da reportagem, podcast e infográficos exclusivos.

Fazem parte da equipe premiada os jornalistas Marcus Reis, Adriana Farias, Gilson Fredy, Marcelo Magalhães, Rafael Gomide, Mateus Munin, Renata Garofano, Gustavo Costa e Pablo Toledo. E ainda, Caio Laronga, Diego Molina, Rafael Ramos e Renan Larangeira, sob a direção de Aline Sordili, Clóvis Rabelo, Rogerio Gallo e Thiago Contreira e a vice-presidência de Jornalismo de Antonio Guerreiro.

Sobre a reportagem

Exibida em 29 de setembro de 2019, “A Escravidão no Século XXI” apresenta um panorama sobre o trabalho infantil e análogo à escravidão nas plantações que sustentam o setor bilionário do cacau.

Com quatro meses de investigação em três estados e documentos obtidos com exclusividade pela Lei de Acesso à Informação, o documentário revela o cenário de extrema pobreza que envolve uma das grandes riquezas brasileiras.

Em fazendas às margens da rodovia Transamazônica e na chamada Costa do Cacau, a equipe encontra um rastro de pobreza e desigualdade na origem de um setor que movimenta mais de US$ 110 bilhões de dólares.

Em Uruçuca, na Bahia, lavradores vivem em casas sem água, luz e banheiro. No Brasil que flerta com a escravidão em pleno século XXI, tudo parece estacionado no tempo. Mateus, que trabalha no cacau há 12 anos, não tem ideia de como é um cinema. “Rapaz… Eu não sei como é, não”, revela, envergonhado, ao repórter.

Em Medicilândia, no Pará, considerada a capital brasileira do cacau, duas em cada três famílias vivem com até meio salário mínimo.

O programa apresenta flagrantes surpreendentes de trabalho infantil durante fiscalizações surpresa do Ministério Público do Trabalho. E as ainda mais surpreendentes justificativas dos fazendeiros, como Raimundo ‘Nó Cego’. “(Criança trabalhar) não é exploração!”, esbraveja. “Outra mentira muito grande dizer que o garoto que trabalha não vai estudar porque está cansado. Mentira isso!”.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais