Caldeirão do Huck exibe terceira edição do Especial Inspiração

Publicado há 2 anos
Por Greicehelen Santana
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O Caldeirão do Huck do próximo sábado (20), exibe a terceira edição do Especial Inspiração, onde autores de histórias exemplares são homenageados. Apresentado por Luciano Huck, o programa começa logo após o SóTocaTop.

O especial homenageará cinco brasileiros que mostraram que é possível construir um mundo melhor a partir de iniciativas individuais: Margarida Minervina, Valdeci Oliveira, Rita Teixeira, Sebastião Alves e Wagner Moura.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Eles serão aplaudidos
por um time de talentos de diferentes áreas: atores; diretores; jornalistas; e
atletas que voluntariamente ocupam seus lugares em mesas dispostas no palco do
programa para prestigiar as atitudes inspiradoras dos homenageados.

Dentre os presentes,
nomes como: Grazi Massafera; Nicette Bruno; Zeca Camargo; Klebber Toledo; Luiza
Brunet; Laís Souza; Flávio Canto; Jonathan Azevedo; Mariana Ximenes; Sérgio
Malheiros; Luisa Mell; Ney Latorraca; Jayme Matarazzo e Nelson Sargento.

Para deixar o momento
ainda mais bonito, o programa promove o encontro de grandes nomes da música
brasileira. Alcione e Gaby Amarantos cantam juntas as músicas
Maria Maria e Maria da Penha, ressaltando a força da mulher.

Luiza Possi, Thiaguinho e Renato Teixeira dão voz à canção Tocando em Frente. Eles traduzem o sentimento que motiva os homenageados a seguirem no desejo de transformação social. E Gilberto Gil reforça as mensagens de esperança e fraternidade com as músicas Andar com Fé e Os pais.

Luciano Huck fala sobre o Especial Inspiração

Em meio a tantas
histórias motivadoras, Luciano Huck fala sobre o legado do Inspiração em sua própria trajetória e na de todos que se empenham,
ano após ano, para que ele aconteça.

Toda a equipe se envolve muito. Quem faz o ‘Caldeirão’ comigo enxerga o mundo de um jeito parecido: o de empoderar as pessoas, ouvir as histórias, entender que a gente pode ser um canal de notícias boas e inspiradoras. Depois desses quase 20 anos de programa, não tenho a menor dúvida de que sou um cidadão melhor, um pai melhor, um filho melhor, um marido melhor do que era quando comecei a fazer televisão”, revela o apresentador.

Os autores da mudança

Margarida Minervina, homenageada por Fernanda Torres

Margarida nasceu no interior do Piauí, onde se formou em Magistério. Mas foi em Ceilândia, no Distrito Federal, que deu os primeiros passos como educadora social ajudando a fundar a primeira escola da comunidade Sol Nascente – segunda maior comunidade do Brasil.

Também por lá, há 18 anos, fundou a Associação Despertar Sabedoria, uma escola de contra turno para crianças e adolescentes que já transformou a vida de mais de dois mil alunos. No programa, ela se emociona ao falar sobre o projeto: “Se eu não acreditar no outro, no ser humano, em quem eu vou acreditar? Essa não foi uma missão que eu escolhi. Eu fui escolhida por ela e o que mais me motiva é olhar para essas crianças e jovens e saber que eles vão se tornar pessoas do bem”, diz.

Para homenageá-la, sobe ao palco do Caldeirão a atriz Fernanda Torres. “Eu fiquei muito impressionada com a sua história. Você saiu do Piauí, chegou à capital do Brasil e lá encontrou um lugar que era igual ao de onde você veio. Você forma não só alunos, mas também futuros professores, em um mundo onde o real progresso vem através da educação. Isso é incrível”, parabeniza a homenageadora.

Valdeci Ferreira, homenageado por Antônio Fagundes

A situação de abandono em que encontrou os presídios da região onde mora, em Minas Gerais, mobilizou Valdeci a pensar em alternativas para o problema. Depois de conhecer a Associação de Proteção e Assistência ao Condenado (Apac) de São José dos Campos, em São Paulo, e se encantar pelo projeto, ele foi o responsável por criar a primeira Apac de Itaúna.

E, mais tarde, levar o projeto para outras regiões do Brasil. Nos centros de cumprimento de pena, não há polícia nem armas e os recuperandos tornam-se autores de sua própria mudança. Hoje, as Apacs atendem mais de 3700 pessoas.

Quem cumpre uma pena tem que se dar conta de que cometeu um crime e feriu a sociedade. Mas, se ele quiser mudar de vida, vai encontrar em nós uma mão para se levantar. Eu sou um apaixonado por essa causa que eu abracei e não tem alegria maior do que encontrar com essas pessoas em liberdade, trabalhando honestamente, cuidando das coisas mais simples, da sua família”, declara Valdeci.

Em seu discurso de homenagem, Antônio Fagundes ressalta a importância de atitudes como a de Valdeci, que vão contra o senso comum. “O Brasil tem uma das cinco maiores populações carcerárias do mundo e tem muito o que aprender com você. O Millôr Fernandes dizia, em tom de ironia, que ‘o Brasil tem uma história de enorme passado pela frente’. E essa piada horrível só não é verdade por causa de pessoas como você”, elogia o ator.

Rita Teixeira, homenageada por Ana Maria Braga

Do Pará, Rita Teixeira resolveu se dedicar à violência contra a mulher. E, a partir de dados sociais e de tudo que viu ao longo de sua vida, ela encontrou na autonomia financeira a melhor maneira de combater essa situação.

Foi com essa finalidade que há 22 anos Rita fundou o Movimento de Mulheres do Nordeste Paraense (Mnepa), que dá formação e capacitação para mais de 60 grupos de mulheres, voltados para diferentes tipos de atividades econômicas, em 13 municípios de Capanema.

O nosso objetivo é superar a desigualdade de gênero, e, sobretudo, reduzir a violência contra a mulher. Uma agricultora com quem a gente trabalha diz que quer se empoderar financeiramente porque quando ela paga a conta, ela determina quem se senta a sua mesa. E é por isso que queremos recuperar a independência dessas mulheres, para que elas saiam dessa situação e reencontrem o respeito, que é a base de tudo”, explica Rita. 

Muito emocionada com o projeto de Rita, Ana Maria Braga faz sua homenagem: “Nem todo mundo tem a liberdade de dizer que vai embora. Existem várias mulheres que pedem socorro e têm a coragem necessária para sair dessa situação, mas não têm uma Rita do lado para ajudá-las a voltar a trabalhar e ganhar o próprio dinheiro. Que mais Ritas nesse Brasil possam ajudar essas mulheres. Meus parabéns, estou muito orgulhosa de você”, diz a apresentadora.

Sebastião Alves, homenageado por André Trigueiro

Sebastião Alves é de Ibimirim, em Pernambuco. Apaixonado pelo lugar onde mora, ele decidiu olhar para o semiárido sob outra perspectiva. Foi assim que começou a atuar com o Serviço de Tecnologia Alternativa (Serta) na região.

No projeto, onde é professor do curso técnico de agroecologia, ele cria e adapta tecnologias para que os moradores do sertão aprendam a lidar melhor com o solo e não precisem deixar suas comunidades de origem em busca de oportunidades de emprego.

Eu sou apaixonado pela Caatinga. Primeiro porque tem muita gente, segundo porque, ao contrário do que pensam, ela é muito rica. E a maneira que eu encontrei para ajudar as pessoas do semiárido foi através da educação. Já formei mais de 160 técnicos e mais da metade deles permaneceram no semiárido. Essa é a razão do meu trabalho. Durante mais de 500 anos falaram que o nordeste brasileiro é o lugar da miséria. A gente faz questão de dizer que essa história é mentira, que o sertão é rico”, argumenta.

No palco do Caldeirão, o jornalista André Trigueiro faz sua homenagem repleta de elogios ao autor do projeto: “Você é um herói. Nenhum país chegou ao topo e foi chamado de desenvolvido sem ter educação para todos, sem ciência. E você, um herói da resistência, resolveu educar. Você está semeando soluções onde antes só havia problema e esse é o verdadeiro ativismo. Ativista não é aquele que diz que tem que limpar o milho, e sim o que arregaça as mangas para limpar”.

Wagner Moura, homenageado por Reynaldo Gianecchini

Para cada problema, encontrar sua solução. Foi pensando nisso que Wagner Moura fundou, em 2009, a Fraternidade sem fronteiras. O projeto tem sede em Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, e também atua em Roraima, Paraíba, Moçambique, Senegal, Madagascar e Malawi – como diz o próprio nome, rompendo até mesmo as barreiras geográficas em prol do benefício coletivo.

No Brasil, a Fraternidade mantém uma orquestra social, além de apoiar o tratamento de dependentes químicos e de crianças com microcefalia e acolher famílias refugiadas. Na África, os centros de auxílio oferecem alimentação, cuidados de higiene, formação profissionalizante e atividades pedagógicas e culturais. Ao todo, são mais de 15 mil acolhidos pelo projeto.

Quando exercitamos a bondade e a fraternidade, exercitamos a nossa humanidade. Eu atuo nesse projeto porque eu sou humano e é a minha natureza exercitar o que é certo. Queremos mudar o mundo, sim. Mas o que eu fiz foi apenas criar a ponte porque a bondade já existe”, diz Wagner.

O ator Reynaldo Gianecchini é o responsável pela homenagem, no programa. Em seu discurso, ele fala sobre a importância de cada um fazer a sua parte. “Todo mundo pode fazer um pouco. Às vezes, o necessário é apenas um sorriso, um olhar para o outro. Estamos aqui para aprender a amar e só vamos conseguir transformar o mundo agindo com o coração, dando o primeiro passo”, convida.

Um especial inspirador desde os bastidores

Criado em 2017, o Especial Inspiração conta com a parceria
da área de Responsabilidade Social da Globo na curadoria dos homenageados,
desde a primeira edição. Para selecionar os protagonistas deste ano, um time de
curadores de diferentes setores se dedicou a um extenso mapeamento de mais de
100 histórias de todo o Brasil.

Após um detalhado
processo, cinco delas foram escolhidas por meio de critérios como relevância,
impacto, tempo dedicado à causa defendida, equilíbrio de gênero, representação
regional e a maneira como esses homenageados contribuem para o alcance de pelo
menos um dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

Incluir nos critérios
de seleção os ODS faz parte do compromisso da Globo em popularizar essa agenda
mundial, que propõe que cada indivíduo ajude a construir um mundo melhor até
2030.

Esse ano, além de
contribuir com a curadoria, a área de Responsabilidade Social convidou cerca de
100 jovens de três projetos apoiados pelo ‘Criança Esperança’, para assistirem
ao programa da plateia.

O ‘Especial Inspiração’ coloca em foco uma preocupação histórica da
Globo: a sensibilização para temas socialmente relevantes. São ações
individuais que servem de exemplos do que podemos fazer nas áreas de Educação,
Direitos Humanos e Sustentabilidade Ambiental”, diz Beatriz Azeredo, diretora
de Responsabilidade Social da Globo, ressaltando o grande alcance do especial.
O apresentador Luciano Huck lembra, ainda, uma das mensagens que o ‘Inspiração’
transmite: “Doação não é só dinheiro. Também é tempo, é amor
”, conta.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio