Caio Coppolla critica Mandetta e fala em ‘ciência politizada’

Comentarista questionou posição do ministro, que falou em eficácia na proteção de servidores, mas insiste no não retorno de empresas

Publicado há 9 meses
Por Arthur Pazin
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Durante participação em O Grande Debate, na última terça-feira (14), na CNN Brasil, o analista político Caio Coppolla criticou o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta por defender o isolamento social devido à pandemia do coronavírus.

De acordo com o comentarista, o líder da pasta acredita em uma ciência que foi “politizada” e que “não tem evidências irrefutáveis de que parar a vida econômica pode parar o contágio em massa”.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Alegando incoerências entre o que é dito e o que é feito pelo ministro, o advogado questionou a afirmação de Mandetta sobre o não-contágio entre os servidores do ministério devido à distância, sendo que o mesmo insiste que a regra não vale para o retorno do funcionamento de empresas no país.

Se o próprio Ministério da Saúde preveniu o contágio de 100% da sua equipe com medidas simples de distanciamento social, por que não aplicar esse mesmo protocolo, com prudência, em empresas, indústria, comércio, especialmente naqueles municípios pouco afetados pela pandemia”, disse.

Coppolla também lembrou que a OMS errou em diversas declarações e exemplificou a situação em que o órgão permite viagens internacionais pelo mundo inteiro sem o uso da máscara de proteção.

“Ele [Tedros Adhanom, diretor-geral da OMS] chegou a falar que o vírus não era transmitido pelo ar, repetindo uma sabida fake news, demorou a aceitar a ideia de uma pandemia e, o mais absurdo, aceita os dados da ditadura chinesa [sobre os casos de Covid-19]”, declarou o analista.

Fora da TV, em seu site Boletim Coppolla, o advogado fez críticas também à entrevista do médico ao Fantástico, da TV Globo, alegando que o conteúdo da reportagem foi uma “matéria produzida, propaganda”.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio