Cade não discute fusão Disney/Fox em primeira reunião e “fim da novela” é adiado mais uma vez

Publicado há 8 meses
Por Gabriel Vaquer
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Diferentemente do que se esperava, a primeira reunião do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) em 2020 não colocou em pauta a fusão entre Disney e Fox, que se arrasta desde 2018. O primeiro encontro do conselho ocorreu nesta quarta-feira (5) e outras pautas igualmente urgente foram discutidas. Com isso, a “novela” fica sem definição pelo menos por mais duas semanas

A próxima sessão do Cade acontecerá apenas pouco antes do Carnaval, no dia 19 de fevereiro. Ainda não se sabe se o assunto da fusão entrará na pauta. Isso deverá ser divulgado pelo Cade na próxima semana. A intenção da Disney é tentar resolver o assunto ainda no início deste ano.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em novembro do ano passado, o Cade afirmou que iria rever a fusão entre Disney e Fox no Brasil. No parecer onde pede a revisão da operação, o procurador-chefe do Cade, Walter de Agra Júnior, diz que houve “boa-fé” da Disney e da Fox para tentar concluir o negócios, mas que potenciais interessados não entregaram planos consistentes.

Cade pode resolver fusão entre Disney/Fox no dia 19 de fevereiro

“Transcorrido o segundo elastecimento de prazo pelo Cade, ainda assim não houve demonstração concreta de interessados para promover a compra do objeto do desinvestimento. Importa registrar que neste caso as partes interessadas e envolvidas não mediram esforços para fazer cumprir o que restou decidido pelo CADE, não tendo conseguido êxito – não por falta de dedicação e esforço -, mas pela inaplicabilidade do remédio imposto no atual momento do mercado”, afirmou o procurador-chefe em seu relatório. 

No entanto, as empresas acabaram esfriando o seu interesse por conta do modelo de venda imposto pelo Cade, chamado de “porteira fechada”. Esse modelo obrigava o Fox Sports a ser vendido com seus todos os seus direitos de transmissão, como a Libertadores, além de toda a sua estrutura de pessoal e física. Ambas as empresas não tinham interesse em absolutamente tudo.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais