Compre iPhone SE na Apple a partir de R$ 3.779,10 à vista ou em até 12 vezes. Frete grátis para todo o Brasil
Saiba mais
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Viverá flávia

Bebeth em Pega Pega, Valentina Herszage dá detalhes de personagem na nova novela das 7: “Sensualidade”

Atriz interpreta Flávia, uma das protagonistas de Quanto Mais Vida, Melhor!

Publicado em 28/10/2021
Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Valentina Herszage, que faz sucesso como a Bebeth em Pega Pega, atual novela da faixa das 19h, está no elenco da próxima trama do horário: Quanto Mais Vida, Melhor!, escrita pelo estreante Mauro Wilson.

No novo folhetim, a atriz interpreta Flávia (Valentina Herszage) que estará na aeronave de Guilherme Monteiro (Mateus Solano), onde já estão Neném (Vladimir Brichta) e Paula Terrare (Giovanna Antonelli). Contudo, o avião cai que eles estavam vai mudar completamente a vida deles, que são os protagonistas da história.

Continua depois da publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Em entrevista, Valentina adianta detalhes da personagem, como foi o processo de criação e os desafios encontrados nesse percurso. Acompanhe!

Como você define a Flávia?

A Flávia é uma alma livre. É uma jovem se arriscando e procurando o amor. Buscando seus sentidos na vida, querendo amar e se sentir amada.

Quais são suas referências e inspirações para vivê-la?

Lembro da Natalie Portman no filme Closer por conta de uma peruca rosa igual a dela que a Flávia usa quando vira a Pink, esse alter ego que ela assume quando ela está dançando no pole dance. E uma outra grande referência é a Rita Lee, inclusive na novela tem uma música que a Flávia canta chamada Ambição. Com a direção, entendemos que a música diz muito sobre ela, sobre esse caminho e novas descobertas que ela está percorrendo.

Qual o maior desafio de interpretá-la?

É encontrar essa sensualidade, esse empoderamento e combinar isso tudo com uma fragilidade, uma humanidade. E também foi uma delícia descobrir todos esses lugares em mim.

Teve dificuldade para aprender o pole dance? Já tinha experiência com dança antes?

Tive bastante dificuldade, porque o pole dance é muito difícil. É uma expressão artística, uma dança, mas você precisa de força e de técnica. Você precisa se sentir, se curtir na hora que está praticando. E isso foi uma das coisas mais bonitas que a Ju Natal, minha preparadora de pole dance, me transmitiu durante a preparação, que eu tenho que me curtir no pole dance, que tem que aproveitar o momento e curtir a dança. Eu fiz 13 anos de jazz, mas, definitivamente, é muito diferente e eu amei fazer e quero continuar aprendendo e fazendo aula.

E para cantar? já tinha tido experiência com o canto?

Eu amo cantar. Eu fiz 13 anos de uma escola que eu fazia dança, sapateado, canto, teatro e circo. E eu sempre me conectei muito com o teatro, claro, e muito com o canto, que sempre me acompanhou durante a minha vida. Eu vim da série ‘Hebe’, em que eu fazia a Hebe Camargo na fase jovem, quando ela era cantora. Acabei de vir de um trabalho em que eu estudei música também, e aprendia as músicas da Carmem Miranda. Então, para mim, cantar é sempre uma bênção. É sempre presente.

Fale um pouco sobre a relação dela com o pai e com a madrasta:

A relação da Flávia com seu pai, o Juca (Fabio Herford), é uma das coisas mais bonitas da história dela, porque existe muito afeto, muito amor e também um entendimento de que o pai vive circunscrito naquele casamento com a Odete (Luciana Paes). É um homem sem muita atitude de fato. A Flávia cresceu na noite, tendo que se virar, mas tem muito amor ali. E ela e a madrasta não se dão bem. Elas se bicam e tem tudo a ver com essa disputa afetiva pelo Juca.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio

Deixe o seu comentário

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Publicidade
Não foi possível carregar anúncio
Publicidade
Posting....