Autores revelam principal desafio ao gravar Nos Tempos do Imperador: “Tudo foi difícil”

Alessandro Marson e Thereza Falcão dão detalhes da produção

Publicado em 8/8/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Alessandro Marson e Thereza Falcão enfrentaram diversos obstáculos para produzir Nos Tempos do Imperador, nova novela da Globo na faixa das seis. Os escritores iniciaram as gravações em 2020, porém, viram tudo precisar ser paralisado às pressas por conta da pandemia do novo coronavírus.

Passaram-se alguns meses, e a equipe pode sair da quarentena para retomar os trabalhos a tempo da produção estrear dentro do prazo razoável: esta segunda-feira (9). Após tanta espera, há muitos motivos para comemorar.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em entrevista à coluna de Flávio Ricco, do portal R7, os autores revelam que toda essa espera foi “angustiante”, pois o retorno, no começo, era bastante incerto. Eles contam que durante os meses que estiveram reclusos, continuaram a parceria para escrever os capítulos da trama, que se passa 30 anos após a Proclamação da Independência.

Isso, de certa maneira, ‘manteve nossa sanidade’ e nosso foco na história que queríamos contar. Foi muito importante continuar trabalhando durante todo esse período. Aproveitamos para fazer um planejamento mais minucioso, detalhar todos os passos, amarrar bem todos os acontecimentos, o que acabou fazendo com que tivéssemos um produto final mais refinado“, declara Marson.

Ao contar uma história ficcional, mas se baseando em fatos históricos reais – e enraizados na cultura e na construção do Brasil -, os responsáveis precisaram usar e abusar da criatividade para remontar o passado. Thereza abre o jogo sobre os principais desafios dessa reconstrução para gravar as cenas.

Tudo foi difícil por causa das circunstâncias externas. A TV Globo tem bastante experiência e competência para fazer novelas de época, mas gravar uma em meio a uma pandemia foi algo muito custoso, porém instigante. O grande desafio foi contar a história da Guerra do Paraguai com todas estas restrições: poucas pessoas em cena, ausência de contato físico”, coloca ela.

Apesar das dificuldades, a novelista acredita que o trabalho foi concluído da melhor forma possível. “A parceria entre autores, direção e produção foi fundamental para que cumpríssemos nosso objetivo. Nos falamos o tempo todo, trocamos ideias e juntos, chegamos às soluções”, finaliza Thereza.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio