Assim como Quanto Mais Vida, Melhor!, relembre outras novelas que tiveram música clássica na abertura

Apocalipse era, até então, o caso mais recente

Publicado em 22/11/2021 22:54
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Nova aposta da Globo para a faixa das 19h, a novela Quanto Mais Vida, Melhor! já estreou arrancando elogios do público em geral. Além da história divertida, do brilho do elenco e do capricho da produção, outro ponto que surpreendeu no lançamento da trama foi a trilha sonora, com direito à icônica Sinfonia nº 5, de Bethoven, embalando a abertura.

Assim como o folhetim de Mauro Wilson, outras tramas da TV brasileira também ganharam um tom mais ‘cult‘ ao escolher músicas clássicas para embalar suas vinhetas de entrada. Relembre conosco alguns casos.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A Fábrica (Tupi, 1971-1972)

Um dos primeiros casos de trilha clássica em aberturas de folhetins no Brasil, esta bem sucedida obra do saudoso Geraldo Vietri (1927-1996) centrava-se na luta da jovem e destemida Isabel (Aracy Balabanian) para reerguer a tecelagem de seu pai, destruída anos atrás por um incêndio.

Os créditos de abertura eram exibidos diariamente ao som da Sinfonia nº 40 de Mozart, com arranjo e regência de Leo Peracchi.

Bravo! (Globo, 1975)

Escrita por outro ícone da dramaturgia nacional, Janete Clair (1925-1983), esta trama de quase 200 capítulos tinha como figura central o conceituado maestro Clóvis di Lorenzo (Carlos Alberto), um gênio da música em crise com a própria carreira. Com um protagonista assim, nada mais justo que a trilha principal da obra estivesse à altura, certo?

Assim sendo, a abertura de Bravo! mostrava Di Lorenzo em ação com sua batuta ao som da canção homônima de Júlio Medáglia, executada pela Orquestra Som Livre, passando a ideia de que esta estivesse sendo regida pelo personagem principal a cada novo capítulo da trama.

Ovelha Negra (Tupi, 1975)

Exibida praticamente ao mesmo tempo em que Bravo! na concorrência, a história de Walther Negrão e Chico de Assis girava em torno de um anti-herói, Júlio Monteiro (Rolando Boldrin), enganando a toda uma cidade em busca dos próprios interesses.

Desta vez, optou-se por um clássico genuinamente tupiniquim para a abertura: O Trenzinho do Caipira, composição de Heitor Villa-Lobos (1887-1959) executada pela Orquestra Renato de Oliveira. A peça original era parte das Bachianas Brasileiras nº 2, escritas por Villa-Lobos em 1932.

Os Adolescentes (Band, 1981)

Concebida como uma espécie de novela-reportagem sobre a juventude do início daquela década, este elogiado trabalho de Ivani Ribeiro não quis saber de ‘modernidades’ na trilha central.

Muito pelo contrário: o encarregado da direção musical era Júlio Medáglia, fundador da Amazonas Filarmônica, que escalou para a cortina de entrada nada menos que a Sinfonia nº 9, de Bethoven.

Apocalipse (Record TV, 2017)

Caso mais recente (até agora) de novela brasileira com música clássica na abertura, a trama bíblica da Record TV escolheu a sombria, mas emotiva Adágio em Sol Menor, do italiano Tomaso Albinoni (1670-1750), em uma regravação mais atual de Kleber Augusto.

À época do lançamento da história – centrada na dominação de Ricardo Montana (Sérgio Marone), o temido anticristo, sobre a terra nos últimos dias da humanidade -, chamou a atenção que a peça original já tivesse feito parte da trilha sonora de A Viagem (1994), folhetim espírita da concorrente Globo.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Deixe o seu comentário

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio