Assédio: Vítimas começam a se fortalecer contra os ataques de Roger

Publicado há um ano
Por Greicehelen Santana
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A sorte de Roger (Antonio Calloni) começará a mudar na
série Assédio. Na sexta-feira (24), mesmo sofrendo os estragos emocionais
aos os ataques sofridos pelo médico, as vítimas começam a se fortalecer com uma
gama de apoio e que surgem em seus caminhos. A produção começa logo após o Globo Repórter.

Fora de si quando Eugênia (Paula
Possani
) conta que acredita ter sido estuprada pelo médico. Ronaldo (Felipe Camargo) vai até a clínica e
parte para cima dele. “O que acontece
entre quatro paredes, morre entre quatro paredes
”, ameaça o engenheiro
depois de acertá-lo com um soco.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Mas não tem violência que
amenize uma ferida aberta com outra violência. Após uma passagem de tempo de
quatro anos, vemos o casal comemorando o aniversário da filha Valentina (Gabriela Arduz) e Ronaldo ainda sofre
com a dúvida sobre a paternidade da menina.

Stela (Adriana Esteves), depois de todo esse tempo e de ter até tentado tirar a própria vida, agora internada em uma clínica psiquiátrica, consegue falar pela primeira vez, durante uma terapia de grupo. “Eu achava que não fosse mais ouvir a minha própria voz”, admite a professora.

Julieta (Denise Weinberg) e Stela (Adriana Esteves), que está internada em um clínica psiquiátrica (Foto: Globo/Ramón Vasconcelos)

Mira encontra uma testemunha

Ao longo desse período, Mira (Elisa
Volpatto
) nunca esqueceu a voz que lhe alertou pela primeira vez sobre
Roger. Sobretudo depois que o chefe se recusou a investir na sua sugestão de
reportagem. As pistas que conseguiu em cada pequena etapa de sua apuração
seguem guardadas como peças de um quebra-cabeça.

Em um insight,
ela revisita cada papel e anotação e chega até Conceição (Léa Garcia). A mulher é uma testemunha cega de estupros em um
hospital em Campinas, nos anos 1970, quando o médico era ainda um residente.
Ele agora está famoso, vive na
televisão, mas na época era mocinho. A voz dele não mudou nada
”, enfatiza
ela, que lembra que dividia o quarto com uma outra paciente e, nos fundos da
unidade hospitalar, presenciava as agressões.

Enquanto isso, Maria José (Hermila Guedes) e Odair (João Miguel) pegam as economias que juntaram aos longos dos últimos anos no interior da Bahia e seguem para São Paulo com um só intuito: investir no sonho de ter filhos. “Eu estava me sentindo grávida, veio uma sensação de felicidade que não cabia em mim”, lembra a personagem.

Maria José (Hermila Guedes) na clínica de Roger Sadala (Foto: Globo/Ramón Vasconcelos)

Diferente de muitas das
vítimas do médico, Maria é atacada por Roger ainda acordada e totalmente lúcida,
no banheiro do consultório. Na casa do médico, quem sofre é Glória (Mariana Lima), que descobre um câncer.

Primeira série original da
Globo desenvolvida com exclusividade para o Globoplay, Assédio é escrita por Maria
Camargo, com Bianca Ramoneda, Fernando Rebello e Pedro de Barros. A direção artística é de Amora Mautner,
direção-geral de Joana Jabace e direção de Guto Botelho. A série élivremente inspirada no livro A Clínica: A Farsa e os Crimes de Roger
Abdelmassih
, de Vicente Vilardaga.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais