Após onipresença de Dalton Vigh na TV, ator tem trabalho inédito no Globoplay

Na série A Divisão, o ator vive o deputado estadual Venâncio Couto

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A pandemia fez com que o público revisitasse trabalhos especiais de alguns artistas, e Dalton Vigh foi um deles. Após estar simultaneamente em três obras diferentes: Fina Estampa (Globo), As Aventuras de Poliana (SBT) e O Clone (Viva), agora o ator pode ser visto em trabalhos atuais como a série A Divisão, do Globoplay.

Nela, Dalton vive também um dos personagens centrais, o deputado estadual Venâncio Couto, que tem a filha sequestrada. O desenrolar da história mostra a criação da divisão antissequestros no Rio de Janeiro. “Foi um dos melhores roteiros que já li“, conta o ator.  

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A produção da Afroreggae Audiovisual, em parceria com o Multishow e a Hungry Man, se passa no final da década de 1990. A plataforma também já anunciou que o projeto terá uma terceira temporada. Um dos responsáveis pela obra é José Júnior.

Mais trabalho!

Com alguns planos adiados por conta da pandemia, o ator encenou, já no início de 2021, o espetáculo on-line O Urso, do autor russo Tchekhov, e aguarda o lançamento do longa-metragem Sem Pai Nem Mãe, filme em que atuou com Alexandre Nero.

Ainda no Globoplay

O sucesso de O Clone, por sinal, produção gravada há mais de 20 anos e que agora está disponível também no Globoplay, continua sendo algo muito fora do comum, e prova disso foi ter figurado a The WIT’s Top 50 Series, em que foi eleita uma das principais obras da televisão dos últimos 50 anos.

O êxito de Glória Perez é tanto que o ator segue recebendo mensagens de todas as nacionalidades nem seu perfil no Instagram. Grande parte russos. A trama, que já foi exibida em mais de 90 países, como Argentina, Chile, Colômbia, El Salvador, Moçambique, Peru e Romênia, foi recorde de audiência no país Vladimir Putin, e o mesmo aconteceu no Kosovo e Sérvia. “Eu vivo recebendo mensagens de lá há 4 anos. É interessante. O problema da Rússia é que não dá para ler o alfabeto cirílico. Então não sei o que a pessoa tá falando (risos).” 

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio