Ao vivo, Letícia Colin discorda de médico sobre legalização da maconha: “Semente menos conservadora”

Atriz participou de debate na Globonews ao lado de Walter Casagrande

Publicado em 27/8/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Nesta quinta-feira (26), a atriz Leticia Colin foi uma das convidadas de um bate-papo sobre dependência química exibido pela GloboNews. Junto à esposa de Michel Melamed estava o comentarista de futebol Walter Casagrande e o médico Arthur Guerra.

Em clima de debate, o programa teve o comando de Aline Midlej. A jornalista questionou a opinião dos presentes em relação à legalização da maconha, questão presente no âmbito público brasileiro há anos e que sempre é permeado por polêmicas.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Discordando do médico Arthur Guerra Letícia Colin argumentou que a liberação pode ter pontos positivos na sociedade. “Vou plantar uma semente um pouco menos conservadora sobre a liberação da cannabis. Acho que a descriminalização iria ajudar e muito a reduzir o número de mortes e de jovens no tráfico. Além de potencializar os tratamentos pela maconha. Mas respeito muito a sua opinião e estamos aqui para conversar. Isso é um espaço”, colocou a artista.

Para ilustrar o seu ponto de vista, Letícia levou à conversa as nuances da personagem que interpretou na série Onde está meu coração: uma médica dependente química. “O pai dela é uma grande médico que é divinamente atuado pelo Fábio Assunção. Isso ganham uma dimensão mítica realmente para a nossa série“, relembrou a atriz.

Uso de medicamentos

Ainda na conversa ao lado de Casagrande, que sempre fala publicamente sobre a sua luta no passado contra o vício em drogas, a atriz revelou que sofre com transtornos de humor, como depressão e ansiedade. Como parte do tratamento, faz administra medicamentos.

Segundo Letícia, o tema ‘dependência química’ precisaria ser discutido com menos ataques e moralismos. “Essa questão da droga muitas vezes a gente olha por uma ótica muito moralista e irônica, muito preconceituosa. E na verdade cada um encontra uma maneira de lidar com a sua tristeza, a sua compulsão, sua dificuldade de viver esta superação. Viver é muito difícil” opina.

Ela ainda revela que esteve no reduto de usuários de drogas em São Paulo, conhecido como cracolândia, onde também foi praticamente o laboratório de Grazi Massafera para Verdades Secretas.

“Para quem tem a dependência química, no corpo, na história e no marco traumático é muito mais. Sou extremamente solidária. Quando estive na cracolândia conversando com usuários, me senti de igual para igual. E isso é uma quebra de paradigma muito importante. Droga é uma questão de saúde e não uma questão de polícia”, diferencia Letícia.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em Alta

Carregando...

Erro ao carregar conteúdo.

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio