Ana Zambelli, finalista de Mestre do Sabor, fala sobre a final: “Espero que minha mente não me boicote”

Globo exibe a final ao vivo nesta quinta-feira (23)

Publicado há 2 meses
Por André Santana
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Aos 46 anos, a carioca Ana Zambelli participa do seu segundo reality. No primeiro, o quadro Super Chef, do Mais Você, ficou em sexto lugar e agora já comemora estar na final do Mestre do Sabor. Chef executiva de uma rede de hotéis em São Paulo, Ana se interessou pela culinária ainda criança, vendo sua avó cozinhar para festas e eventos.

Na entrevista abaixo, a finalista do Mestre do Sabor fala sobre a estratégia que usou durante o programa; os desafios da competição; os aprendizados; e sobre as expectativas para a final, que acontece nesta quinta-feira, (23), após Fina Estampa, ao vivo, direto dos Estúdios Globo.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Qual é o sentimento de estar na final do Mestre do Sabor?

Um sonho, uma realização. Ainda não acredito, nem me vendo na TV. Não por falta de capacidade, mas por ter passado por momentos muito difíceis e isso me aparece como um sonho mesmo. Eu me sinto vitoriosa e mais confiante pra vida.

Você considera que adotou alguma estratégia no jogo que o ajudou a chegar na final? O que acha que o trouxe até aqui?

Sim. Confesso que pilhei o time a seguir o Léo nas provas em equipe. Entendi que ganhando a imunidade já era o passo pro próximo programa e nos reuníamos todos os dias à noite, varávamos madrugada conversando para que lá na hora estivéssemos em harmonia e captando as dicas do mestre.

O que considerou mais desafiador na competição?

Minha síndrome do pânico que várias vezes me dava um “oi” no meio das provas. Acho que não consegui controlar a mente em uma das provas e o meu prato ficou bagunçado tanto quanto ela.

Olhando para trás, para os dias de gravação, considera que houve algum aprendizado?

Muitos. Principalmente em equipe onde o ego e a vontade de aparecer tinha que sumir para que o trabalho desse certo. Todo mundo queria mostrar o seu talento, mas ali tínhamos que misturar os talentos e ser um só. Aprendi muito com Leo Paixão e com os candidatos. Nas provas individuais, aprendi a ser mais confiante. Éramos eu e Deus. E aprendi que quanto mais medo a gente tem, mais rápido passa o tempo. E com calma parece que o tempo para.

O programa reuniu chefs experientes, muitos têm suas próprias cozinhas e trabalham com isso há anos. Na sua opinião, o que diferencia um chef do outro?

O Mestre do Sabor conseguiu reunir pessoas incríveis. Ficamos todos muito amigos. Infelizmente, devido à pandemia, congelamos os planos de nos encontrar. Mas ainda vamos todos um cozinhar na região do outro. Ali não tinha ninguém fraco. Todos com ideias brilhantes. Nunca vi um grupo tão forte.

O que diferencia um chef do outro é o estilo. Dário, maravilhoso, é um estilo caiçara. Kaywa cheio de técnicas de fermentação. Arthur com a culinária afetiva cheia de histórias. A Gi, uma pernambucana que trabalha no melhor sushi de Pernambuco. Júnior jovem e já tem um restaurante. Enfim, só pessoas especiais.

O que é cozinhar para você?

Cozinhar para mim é passar a energia pra comida e transformá-la. Eu até fico séria normalmente, quando cozinho. Nós servimos pessoas. O que faço entra no corpo da pessoa, ela sente prazer ou não quando come e depois o que eu fiz vira nutriente pra ela viver.

Então, cozinhar é o ato mais importante da vida, na minha opinião. Eu nasci vendo minha vó querida que me criou cozinhando. Lambia as caçambas de massa de bolo. Cozinhar é amor, é servir, fazer o outro feliz. O meu maior prazer é ver alguém sentindo prazer ao comer minha comida. Não sei explicar qual sentimento.

Você sentiu mudanças no seu ambiente profissional desde que o programa começou?

Sim. Apesar da pandemia me confinar, pois hoje sou do corporativo. Trabalho de casa remotamente refazendo cardápios e fazendo inovações. Acho que me empoderei mais. Eu dei alegria ao meu time que está confinado em casa sofrendo com a hotelaria parada.

Meus cozinheiros estão se inspirando em mim e tentando cozinhar melhor, empratar melhor. Minha equipe está super motivada vendo que tudo é possível fazer. Se eu consegui, eles podem também. Por que essa é a mensagem que sempre passo pra eles. Se eu consigo você também consegue! Eu não sou melhor que ninguém.

E a repercussão com o público, como tem sido para você?

Incrível e maravilhosa. Eu amo responder as pessoas. Ainda me assusto com algumas comentários nas redes sociais, mas aprendi que na internet é assim. Então, me apego à grande parte do público que é carinhosa e com os abraços.

Eu nunca imaginei que ia ter fã, como um ator de novela (risos). Eu estou apaixonada pelas pessoas que me procuram com palavras legais e faço questão de respondê-las. Muitas ficam surpresas, mas eu descobri que isso salvou a minha quarentena.

O que tem feito durante a quarentena?

Refiz todo cardápio dos hotéis que toco. Cozinhei e pensei muito na vida e no que eu posso melhorar. Tive crises e sai das crises. Fiz muitos amigos com o programa porque ganhei muitos seguidores. Interajo muito, adoro responder. Já fiquei 13 horas no celular um dia.

Mas descobri que adoro retribuir esse carinho e foi muito importante esse programa para minha mente. Acredito que pra muita gente o Mestre do Sabor foi um presente em meio a esse caos. Eu vivi o reality nesta quarentena porque já tinha assistido à primeira temporada mil vezes e agora assisti mais mil, além de todas as reprises da segunda.

Quais suas expectativas para a final?

Eu espero que a minha mente não me boicote. Por que os três finalistas são pessoas com quem eu tenho amizade e gosto demais, e isso abala meu psicológico. Principalmente o Serginho, com quem falo todo dia. Mas estou querendo me divertir com amigos e esquecer que a competição. Penso que será uma degustação entre amigos e um deles vai ganhar um prêmio.

Caso vença a competição, já tem planos sobre como usar o prêmio?

Estou a pé. O carro velho parou na semana que fui pro Rio de Janeiro gravar. E lá está ele, como uma estátua na rua. Tenho que comprar outro. Caso não ganhe, já posso me inscrever pro Lata Velha? (risos)

Brincadeiras à parte, comprar um carro porque preciso pra trabalhar. Rodo muito São Paulo. Pagar umas dívidas, ajudar umas pessoas que já ajudava e minha agonia é não poder ajudar mais. Quero telar toda minha casa e guardar a grana pra ver como o país vai ficar com a pandemia.

Mestre do Sabor é um formato original Globo, com direção artística de LP Simonetti e direção geral de Aida Silva. A etapa final da segunda temporada do reality gastronômico será nesta quinta-feira, (23), após Fina Estampa. O programa também será exibido no GNT, na sexta-feira, às 22h.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais