Amyr Klink e família relembram peripécias marítimas no Conversa com Bial

Publicado há um ano
Por Felipe Brandão
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Amyr Klink foi a grande atração desta noite do programa Conversa com Bial, da Rede Globo. Acompanhado por sua família, o conhecido navegador bateu um longo papo com o apresentador da atração, Pedro Bial, a respeito das jornadas vivenciadas por ele e pelos seus em alto mar.

“No veleiro a vida é mais dura que remando. No veleiro, você está andando 24 horas por dia, manobrando as velas a cada 20, 30 minutos, nunca pode dormir mais que 45, 50 minutos. Você vive um estresse de sono permanente”, admitiu Klink.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Essa rotina desgastante chegou a afetar os ânimos do clã de aventureiros ao fim de algumas travessias. Por exemplo, a que fizeram rumo à Antártica. “O primeiro dia que cheguei à Antártica minha obsessão não era fazer selfie com boneco de neve. Meu sonho era dormir”, confessou.

Pioneiro em atravessar a remo o Oceano Atlântico Sul, Klink revelou que o fim da jornada em 1984 foi, para ele, sinônimo mais de tristeza que de satisfação. “Foi um dia estranho. Eu estava triste. Sonhei tantos anos em fazer isso, avistar o Brasil, realizar os meus sonhos, pensei ‘no dia que chegar, vou explodir de emoção’… Eu estava triste, porque adorei a viagem e tinha acabado.”

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio