Altas Horas deste sábado celebra a força feminina com Dira Paes, Marília Gabriela e Gaby Amarantos

Publicado há 4 anos
Por Endrigo Annyston
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O dia 8 de março é mundialmente conhecido como o Dia Internacional da Mulher. Mais do que uma simples celebração, essa data é um convite à reflexão sobre o que é ser mulher na sociedade. O ‘Altas Horas’ deste sábado, dia 4, promove uma roda de conversa entre a atriz Dira Paes, a cantora Gaby Amarantos e a jornalista Marília Gabriela. Mediando este encontro, Serginho Groisman aproveita a ocasião para homenagear uma pioneira da televisão brasileira: Hebe Camargo. Um ícone da conquista de visibilidade das mulheres no meio artístico, a “rainha da televisão” nasceu justamente no dia 8 de março. Aproveitando o ensejo, Serginho apresenta uma entrevista realizada com a apresentadora em Portugal, país tão amado pela paulista. Grande amiga da diva, Marília Gabriela se alegra com a lembrança de Hebe e observa: “Ela era o aval da classe média. Se a Hebe falasse um palavrão no ar, no dia seguinte as pessoas sentiam que poderiam falar também”. Para entoar “Maria, Maria”, canção escrita por Milton Nascimento, o apresentador convoca Ellen Oléria ao palco próximo à plateia, que recebe músicos para versões na voz e violão. Do outro lado, o grupo Ritaleena, um cordão carnavalesco paulistano, transforma músicas de Rita Lee em ritmo de Carnaval.

Os direitos da mulher estão entre as pautas da noite, e Dira Paes afirma sobre Marília Gabriela: “A gente tem aqui um exemplo de mulher independente. Temos que entender o nosso lugar na sociedade, a mulher tem que estar em igualdade com o homem”. A jornalista agradece e complementa: “Eu sou sem querer, no sentido de não ter planejado isso. Sou do interior e vim para São Paulo e, para sobreviver nessa sociedade, comecei a viver irresponsavelmente como homem”. A ativista Maria da Penha também marca presença na edição. Por meio do telão, Serginho conversa com a mulher que popularmente empresta o nome à lei n° 11.340 e recebe um agradecimento de Marília Gabriela: “Obrigada por tudo o que você fez e representa para nós”. Dira Paes e Gaby Amarantos endossam a salva de palmas a Maria da Penha. Paraenses, as conterrâneas analisam a visão dos moradores do Sudeste em relação aos nortistas. “Eu percebo que a ideia do Norte é relacionada a fome, ao maltratado. É preciso conhecer o Brasil, não podemos nos dividir”, afirma a atriz. “Eu considero hoje a sociedade melhor, a mulher negra está cada vez mais conquistando seu espaço. Estamos discutindo mais esse assunto”, observa Gaby Amarantos.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Convidadas a trazerem objetos que representassem um momento importante de suas vidas, a cantora leva um amuleto da sorte, de uma pedra da Amazônia, herança de sua mãe. “Minha mamãe que está no céu me deixou esse presente”, diz, emocionada. Depois de contar a história da pedra, ela entrega a Serginho e presenteia o apresentador com o item, para protegê-lo assim como a protegeu ao longo desses anos.

Intercalando o tema da noite com momentos de descontração, Dira recorda quando cantou com Roberto Carlos e classifica o instante no palco como um dos mais incríveis de sua vida. Já Marília Gabriela responde ao apresentador se prefere ser chamada pelo primeiro nome ou pelo apelido “Gabi”. Apesar de ser comumente associada ao apelido, a jornalista confessa: “Os homens que amei me chamavam de Marília”.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais