Abrimos o baú da Televisa: conheça as novelas mexicanas já dubladas que nunca foram ao ar no Brasil

Publicado há 10 meses
Por Felipe Brandão
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Entra ano, sai ano, e a mesma dúvida volta a pairar sobre a mente dos fãs de novelas mexicanas: quais os próximos títulos do catálogo da Televisa que poderão ser conferidos na tela do SBT? Afinal, entre incontáveis reprises, o canal vez ou outra se anima a arriscar uma trama inédita em sua grade. Novelas mexicanas já dubladas em português existem várias, inéditas na televisão brasileira.

Esse tipo de pergunta, só o tempo e a emissora saberão responder ao certo. Opções, porém, não faltam. Que o diga o imenso acervo de produções devidamente dubladas em português e, embora à total disposição de Silvio Santos, nunca transmitidas por aqui.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

De olho na curiosidade do público, o Observatório da Televisão andou revirando o baú ‘traduzido’ da Televisa e conseguiu selecionar, neste especial de duas partes, os principais títulos que já se encontram prontinhos para ser degustados pelos espectadores tupiniquins. Confira!

Cair em Tentação já foi exibida em português na África, portanto integra a galeria de novelas mexicanas já dubladas à disposição de emissoras brasileiras (Reprodução / YouTube)

Cair em Tentação (2017)

Esta elogiadíssima produção da Televisa, que une melodrama e mistério numa narrativa fragmentada, inaugurou um novo padrão de qualidades nas atrações da rede mexicana. Silvia Navarro, a divertida Ana de Meu Coração é Teu, encabeça o elenco, numa das performances mais marcantes e dramáticas de sua carreira.

A história tem início quando Carolina (Adriana Louvier) e Damian (Gabriel Soto) sofrem um acidente de carro na saída de um motel, trazendo à tona para seus respectivos cônjuges, Santiago (Carlos Ferro) e Raquel (Navarro), o romance clandestino que mantinham. A partir daí, a narrativa se divide simultaneamente em duas linhas temporais. O presente, em que o detetive Fernando (Jorge Luis Vázquez) e a jornalista Laura (Luz Ramos) investigam as circunstâncias estranhas que envolvem o desastre automobilístico; e o passado, três anos antes, mostrando como a amizade entre dois casais muito diferentes culminaria em um escândalo de adultério, sentimentos reprimidos e desejo proibido.

Cair em Tentação é uma adaptação livre da novela argentina Amar Después de Amar (2017) e foi contada em 102 capítulos. Entrou em processo de dublagem no Brasil no fim de 2017, sob encomenda do grupo angolano Zap Novelas. Só para ilustrar, este a exibiu em português para Angola e Moçambique. Não tem qualquer previsão de exibição no Brasil, apesar de constar da relação de novelas mexicanas já dubladas em português.

A Cor da Paixão teve sua transmissão cancelada pelo TLN (Divulgação / Zap Novelas)

A Cor da Paixão (2014)

Esta novela, dos mesmos autores de A Dona (2010) e Abismo de Paixão (2012), busca oferecer um olhar mais moderno à receita clássica do melodrama. Os protagonistas são Esmeralda Pimentel e Erick Elías, conhecidos por aqui pelos respectivos papéis de Kênia, em Abismo de Paixão, e de Armando Mendonça, o galã de Betty, a Feia, em Nova York.

Refugiando-se de seu casamento infeliz com Alonso (René Strickler) através de aventuras extraconjugais, Rebeca (Claudia Ramírez) envolve-se com um homem bem mais jovem, o problemático Frederico (Alfonso Dosal), que se suicida quando ela tenta deixá-lo. Irmão mais velho do falecido, Marcelo (Elías) vai atrás da pista da mulher que indiretamente causou a morte de Frederico. E acaba se apaixonando pela sobrinha dela, a doce Lúcia (Esmeralda Pimentel).

A Cor da Paixão chegou no mesmo ano aos estúdios cariocas da Alcateia Audiovisual, que a traduziu para o português por encomenda do grupo Zap. Neste ano, o folhetim chegou a ter sua transmissão iniciada pelo canal TLN, oferecido no Brasil pela rede de streaming Guigo TV. No entanto, foi abruptamente tirado do ar uma semana depois, por conta de problemas com os direitos autorais de sua trilha sonora. Com efeito, mais uma das novelas mexicanas já dubladas que poderiam pintar por aqui.

Érika Buenfil, Eduardo Yáñez, Sebastián Rulli e Eiza González: os protagonistas de Amores Verdadeiros (Divulgação / Televisa)

Amores Verdadeiros (2012)

Adaptação de uma história argentina da década passada, leva a assinatura do produtor Nicandro Díaz González (A Dona). Atualmente, está sendo transmitida pelo canal TLN em sua versão em português, confeccionada pelo estúdio paulistano Gábia.

A história tem início quando a rica empresária Vitória Balvanera (Érika Buenfil) sofre um atentado, planejado na verdade por seu marido, Nélson (Guillermo Capetillo), e sua assistente, Kendra (Marjorie de Sousa). Decide então contratar um par de seguranças, José Ângel (Eduardo Yáñez) e Francisco (Sebastián Rulli), para ela e sua filha, Nicole (Eiza González). Conflitos surgem, no entanto, quando ambas se envolvem com seus respectivos protetores.

Zuria Vega é a protagonista do remake de Abraça-me Muito Forte (Divulgação / Zap Novelas)

Que Te Perdoe Deus, Eu Não (2014)

Estrela de novelas como Mar de Amor e Que Pobres Tão Ricos, só para exemplificar, Zuria Vega encabeça o elenco desta adaptação moderna do sucesso de outrora Abraça-me Muito Forte (2000). Chegou aos estúdios paulistanos da Sigma em 2015, um ano após sua produção, para exibição pelo Zap Novelas no continente africano. No Brasil, não possui qualquer previsão de ir ao ar.

O enredo se centra na busca de Renata (Rebecca Jones) – uma mulher rica, porém cega e submetida pelo marido malvado, Fausto Lopes Guerra (Sergio Goyri) – por recuperar os direitos sobre a filha, Abigail (Zuria). Esta lhe foi tirada ainda bebê e cresceu como herdeira da empregada da casa, Macária (Sabine Moussier).

Leticia Calderón, Arturo Peniche e Victoria Ruffo formaram triângulo amoroso maduro na novela Em Nome do Amor (Divulgação / Televisa)

Em Nome do Amor (2007): grandes astros do folhetim mexicano nesta que é uma das novelas mexicanas já dubladas em português

Esta história pra lá de melodramática foi dublada a pedido do próprio SBT por volta de 2010, três anos depois de sua veiculação original no México. Protagonizada pelos desconhecidos Alisson Lozz e Sebastián Zurita, traz em seu elenco secundário nomes de mais peso: só para exemplificar, Victoria Ruffo, Arturo Peniche e Leticia Calderón.

A dócil e retraída Paloma (Alisson Lozz) ficou órfã ainda criança e cresceu sob a rigidez e tirania de sua tia Carlota (Leticia Calderón), uma mulher que, por trás da máscara de mulher religiosa e recatada, esconde uma personalidade perversa. Uma vez que teme dividir a herança da família com Paloma, Carlota é capaz de envenenar o noivo da sobrinha, Inácio (Luis Hacha), para impedi-lo de tirá-la de sua casa. Mas não pode evitar que Paloma volte a descobrir o amor nos braços do valente Emiliano (Sebastián Zurita).

Mesmo engavetada há tantos anos, Em Nome do Amor ainda volta e meia é considerada pelo SBT para um espaço na grade. Para que isso ocorra, a emissora investiu recentemente num tratamento de imagem para a obra, filmada ainda na obsoleta tecnologia SD (slow definition). Não será surpresa, portanto, se ela acabar pintando na tela de Silvio Santos nos próximos tempos.

O Imperdoável: remake de A Mentira que não deu certo (Divulgação / Televisa)

O Imperdoável (2015)

Ana Brenda Contreras estrela essa reedição de um dos maiores clássicos da TV mexicana – A Mentira (1998). Vale lembrar que, ao contrário da trama original – já transmitida duas vezes pelo SBT e ganhadora, inclusive, de uma versão nacional pela emissora, Corações Feridos (2012) -, O Imperdoável foi um retumbante fracasso de público e crítica na terra da tequila. Da mesma forma, não foi muito bem no mercado internacional. Ademais, nos anos 1960 a TV Tupi também produziu uma versão por aqui, intitulada Calúnia, com Fernanda Montenegro e Sérgio Cardoso.

A vida de Martim Santelmo (Iván Sánchez), um engenheiro da capital, vira de pernas para o ar quando seu irmão Dimítri (Pablo Montero) se suicida após ser abandonado por sua noiva interesseira. Querendo vingança, Martim acredita que a mulher em questão se trata de Verônica (Ana Brenda) e se casa com ela para fazê-la sofrer. Apaixona-se, porém, pela moça, sem saber que foi na verdade a prima dela, Virgínia (Gretel Valdéz), a responsável pelo suicídio de Dimítri.

O Imperdoável foi dublada no Brasil também para exibição na África, pelo Zap Novelas. Para os fãs de Ana Brenda e da obra, uma má notícia: sua transmissão pelo SBT está praticamente descartada. Isso porque a emissora pretende dar preferência para levar ao ar, em breve, outra versão recente da mesma história, Quando Me Apaixono (2010).

Angelique Boyer em dose tripla na novela Três Vezes Ana (Divulgação / Televisa)

Três Vezes Ana (2016): remake de clássico estrelado por Lucero também está entre as novelas mexicanas já dubladas que seguem inéditas por aqui

Uma das estrelas latinas favoritas do público brasileiro, com toda a certeza, Angelique Boyer encara, nesta reedição do clássico Laços de Amor (1996), o desafio de interpretar três personagens ao mesmo tempo. Com pouca repercussão no México e em outros países, Três Vezes Ana jamais despertou o interesse do SBT, de fato. O que não se pode dizer do Zap Novelas, que a levou para ser dublada em São Paulo e a exibiu para Angola e Moçambique, a saber.

A saga tem início quando o casal Lurdes (Jackie Sauza) e Inácio Álvares de Castilho (Raúl Magaña) sofre um acidente na estrada, com consequências trágicas para suas pequenas filhas trigêmeas. Uma delas, Ana Lúcia, perde-se e é dada como morta. Ao passo que outra, Ana Laura, tem uma de suas pernas amputadas.

Anos depois, Ana Lúcia (Angelique Boyer) cresceu sob os cuidados de Soledade (Blanca Guerra), uma humilde comerciante, de quem acredita ser filha biológica. Por ironia do destino, a jovem encontra o amor nos braços de Marcelo (Sebastián Rulli), um taxista desmemoriado. Além disso, o romance ocorre sem Ana Lúcia saber que ele é na verdade o marido desaparecido de uma de suas irmãs, a perversa Ana Letícia (Angelique Boyer).

Labirintos de Paixão foi um hit na TV mexicana dos anos 90 (Divulgação / Televisa)

Labirintos de Paixão (1999)

Antes de mais nada, é bom que se diga que esta trama antiga foi adquirida pelo SBT no início da década passada e, mesmo completamente dublada, jamais chegou a ir ao ar – o que tampouco deve acontecer tão cedo, ao menos pelo canal da Anhanguera. César Évora encabeça o elenco deste drama rural, recordado até hoje como um dos folhetins mais premiados da história da TV mexicana.

Após ver seu amor por Sofia (Alma Delfina), uma mulher casada, frustrado pela misteriosa morte dela, o artista plástico Gabriel Almeida (Évora) resolve deixar o povoado onde cresceu, levando consigo a pequena órfã Julieta (Yosy Vázquez). Vinte anos depois, ele não apenas irá disputar o coração da própria Julieta (Leticia Calderón), agora uma mulher feita e determinada, com outro homem, como também seu rival, o jovem Pedro (Francisco Gattorno), é filho da falecida Sofia.

Ana Patricia Rojo e Edith González se alternaram no papel principal de Mulher de Madeira (Divulgação / Televisa)

Mulher de Madeira (2004): troca de protagonista marcou esta que é outra das novelas mexicanas já dubladas

Sem dúvida, é curioso que esta trama tenha chamado a atenção do SBT. Afinal, passou longe de ser um grande sucesso no México – onde é recordada mais pelos bastidores extremamente turbulentos do que por qualquer outra coisa. O enredo tem pano de fundo ecológico e traz por figura central a jovem e rica Marisa Santibañez (Edith González / Ana Patricia Rojo), dividida entre o amor de dois pretendentes, César (Jaime Camil) e Carlos (Gabriel Soto).

A troca de protagonistas, que aconteceu por volta do terceiro mês da trama, foi um show à parte. Com Edith González grávida e necessitada de deixar o elenco, o produtor Emilio Larrosa (Amigas e Rivais) recorreu a um artifício escandaloso para justificar a ausência da atriz: provocou um incêndio em que a personagem Marisa ficava terrivelmente desfigurada pelas chamas. Após uma série de cirurgias no rosto e até nas cordas vocais (!!!), ela ressurgia interpretada por Ana Patricia Rojo. Se bem que mudanças como essa não são exatamente raras na teledramaturgia mexicana…

Duelo de Paixões inicialmente ganharia um remake nacional! (Divulgação / Televisa)

Duelo de Paixões (2006)

Ludwika Paleta, a eterna Maria Joaquina da versão original de Carrossel (1989), e Pablo Montero, o sedutor Diego de Meu Coração é Teu, são os astros principais deste bizarro melodrama, adquirido pelo SBT em 2007, no intuito inicial de produzir uma versão brasileira. Desde que o investimento do canal se voltou novamente para textos nacionais, Duelo de Paixões acabou dublada para uma posterior exibição – que no fim das contas tampouco aconteceu. De modo que a história permanece na gaveta.

A saga tem início quando o rico fazendeiro Álvaro Monteiro (Sergio Goyri) passa a acreditar, por conta de um mal-entendido, que sua filha Aline (Ludwika Paleta) é na verdade fruto de uma traição da mulher dele, Soledade (Érika Buenfil). Ensandecido, ele expulsa Aline da própria casa e a obriga a viver na caverna da curandeira Lúcia (Ana Martín), separando-a do grande amor de sua vida, Emílio (Pablo Montero).

Não perca a segunda parte do especial sobre as novelas mexicanas já dubladas em português, mas que seguem inéditas no Brasil, apesar de estarem à disposição do SBT.

*Com informações do canal Almanaque Latino.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais