Irmã de Marcela a defende e diz que o público julga de “forma cruel”

Marcela chegou como "Fada sensata" e foi "cancelada"

Publicado há 2 meses
Por Nayara Vieira
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Ao longo de sua trajetória no BBB20, Marcela passou por altos e baixos, e com o tempo, foi notável que ela acabou perdendo o favoritismo dos primeiros dias de reality. A sister, que tinha atingido a marca de 4 milhões de seguidores no Instagram, foi parar na casa dos 3 milhões em pouco tempo. Sabendo do “ranço” de muitas pessoas com a médica, sua irmã, Mariane Mc Gowan, foi em sua defesa em entrevista para o UOL.

Depois da entrada de Daniel, participante que venceu na ‘Casa de Vidro’, a sister que era considerada “Fada Sensata”, foi desagradando o público com atitudes. “Acho a trajetória da Marcela no ‘BBB’ muito bonita. No início do programa, ela ficou numa situação muito difícil e soube se impor. Ela fez o que poucas pessoas conseguiriam fazer. Foi corajosa, se colocou em risco e fez o que era certo. Mesmo sabendo que poderia ser desacreditada”, resgatou a irmã, citando o momento em que a sister revelou o plano de sedução dos meninos para prejudicar as mulheres comprometidas na casa.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“Eu me assusto com a volatilidade da opinião das pessoas, a cada semana enaltecem um participante, mas para isso cancelam outro. E fazem isso de uma forma cruel. Para mim, a mensagem que fica é que as pessoas ainda acreditam em seres perfeitos e isso é muito complicado. Não existe ninguém perfeito, ninguém que não erre e não acerte”, disse Mariane.

Sobre a causa feminista da irmã, Mariane comentou: “Acho que o bom da vida é isso, você poder aprender e evoluir. Marcela sempre diz que está em eterno aprendizado. Ela sempre esteve ligada a temas femininos. E conforme você vai se aprofundando, vai se interessando mais. É importante dizer que toda mulher é feminista, mesmo que não saiba que seja. Há ainda uma cultura machista enraizada, mas todas nós somos feministas”.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais