“Poderia ter sido mais jogadora”, relembra a ex-BBB Diana sobre participação no reality

Diana disse que dependendo de seu humor,voltaria para a casa

Diana Balsini, ex-BBB
Publicidade

Faltando apenas três dias para o início do BBB20, o Observatório da TV reuniu alguns ex-brothers e sisters para saber como estão longe do confinamento global e falar sobre sua passagem e experiência adquiridas no reality.

Em entrevista exclusiva com Diana Balsini, ex-integrante da 11ª edição do programa, ela relembrou sua passagem pela atração, falou sobre a carreira profissional como diretora de produção, ao lado de celebridades da música, e contou, ainda, como está depois de viver a experiência de passar pela casa mais vigiada do Brasil. Confira:

Até hoje você é lembrada pelo BBB? Como reage a isso? Sua passagem pelo programa ainda te rende frutos?

Diana durante participação no BBB11 (Foto: Reprodução/TV Globo)

“Então, é engraçado isso. As pessoas super lembram, sobretudo dezembro, janeiro e fevereiro, acho que porque volta a passar uns flashes das edições na TV. Acho também que é porque muitas pessoas se identificaram com meu jeito quieto e intenso. Fui bem coerente lá dentro, falei minhas boas verdades sem ser barraqueira. Acredito que venci muitas pessoas por excesso de educação, mas sem ser chata. Acredito que quem entendeu meu humor, que mora nas entrelinhas, tenha se divertido bastante. Reajo bem, sempre falei com todo mundo e fui receptiva/carinhosa. Acho super equivocado você tratar mal alguém, pois a gente não conhece a história das pessoas. E parar tudo que você está fazendo para falar com alguém é um gesto de coragem, de sair da zona de conforto, principalmente se você se expôs, trabalha com arte ou é artista. É o combo, o fã é quem te assiste, te admira e te impulsiona. Sem o público, o artista não existe. Na minha edição, em 2011, não existia Instagram, muito menos essa Internet de hoje com seus influencers e youtubers. Era o início de tudo. Eu nunca fui de ligar muito, pois estou sempre ocupada com outras coisas e tento me manter mais na realidade da vida do que na realidade virtual, então assim, super não sou a pessoa da Internet, esses frutos não são pra mim. A colheita que fiz foi mais humana, os contatos e conexões, a visão de vida, o entendimento da minha personalidade, o carinho que tive pelo programa, o crescimento da Diana pessoal e profissional. Aprendi muito e isso que gerou valor e rende até hoje, a 
mulher que me tornei, e isso está longe de ser financeiro. O que importa pra mim são nossas histórias e se estamos gastando nosso tempo aqui, fazendo boas escolhas, sendo uma boa pessoa e entendendo nossa verdade.”

Tem alguém da sua edição que você ainda mantém contato?

“Olha, conto nos dedos de uma mão. Fiz alguns amigos de verdade, são eles: Lucival, Nat, Talula e Dani. Falo com alguns outros de vez em quando, como o Wesley e a Ariadna, o restante perdi o contato. Alguns outros não tenho muito interesse.”

Você ainda acompanha o reality? Teve torcida a algum participante nas últimas edições?

“Vejo pouco, a última que gostei bastante foi a Ana Clara (BBB18). Esperta, verdadeira e divertida. Com certeza teria me dado bem com ela.”

Você toparia voltar para o reality numa próxima ocasião?

“Não sei. Teria que ver meu humor. A vida é cheia de fases. Vai saber em que fase estarei.”

Existe algum arrependimento de algo que fez (ou não fez) durante sua passagem pela casa?

“Não me arrependo de nada. Acho que se eu pudesse voltar no tempo teria tido mais paciência na última semana, tava já bem de saco cheio e poderia ter sido mais jogadora mesmo. Acho que teria feito um bem bolado com Maria e Wesley, pegaria os dois ao mesmo tempo, afinal, eu que juntei o casal, teria sido revolucionário para a época.”

Como homossexual assumida, você participou do reality em um tempo em que se discutia muito menos sobre representatividade. Como você acha que seria a reação hoje com o aumento da discussão e também da polarização de ideias?

“Nossa, penso muito nisso, estamos em outra era, muito está se falando agora, mas várias pessoas plantaram a sementinha há tempos atrás, deram a cara a tapa. Acredito que eu tenha representado bem meu próprio papel, porque falei disso lá dentro e mostrei pra sociedade que uma pessoa pode ser gay e pode manter seus valores intactos, afinal, somos seres humanos iguais a qualquer outro, pagamos nossas contas, temos nossas responsabilidades e profissões. Nós existimos, estamos em todos os lugares e a única diferença entre uma pessoa gay e a que não é gay é o fato da gente ter essa abertura para o diferente, ser livre e se sentir plenamente feliz fazendo o que der na telha. Experimentar o sexo de todas as formas é humano, o ser humano é curioso. E em todas as épocas da Terra, desde que o mundo é mundo, os iguais se interessaram, assim como os diferentes e complementares, o homem e a mulher. E está tudo certo. O interessante são os caretas e hipócritas de plantão, entenderem que o que está errado é a mente perturbada de alguém que te julga, pensando em você fazendo sexo. Pois a única diferença é na hora do sexo. Quem conhece alguém e pensa na pessoa transando? Gente! Eu quando conheço alguém quero saber o que essa pessoa tem de interessante, onde ela cresceu, quais histórias de vida ela traz, no que ela trabalha. Há duas coisas lindas no mundo, os interessantes e os interessados. O resto é um bando de gente muito infeliz que só consegue apontar e julgar. Essa massa infeliz tem muito o que aprender e evoluir. Afinal tudo é cultura, e a cultura foi falada, inventada ou criada por alguém em algum tempo do tempo. Louco né? Que tal ter mais personalidade e viver a própria vida? É isso que o futuro vai nos trazer, clareza. Evoluir é necessário. Saibamos nosso lugar no mundo, sem detrimento do outro.”

Você chegou a ter algum tipo de relação dentro da casa? (Na ocasião do programa, especulava-se que o clima esquentou algumas vezes entre Diana, Cristiano e Natália)

Diana, Cristiano e Natália debaixo do edredom no quarto do líder, no BBB11 (Foto: Reprodução/TV Globo)

“Me relacionei sim, mas não no sentido relação grude ou sexual da palavra. Jamais faria nada muito polêmico na TV, não sou assim, minha família me assistiu, minha avó. Sempre tive respeito por quem assiste, pessoas diversas, crianças, pessoas mais velhas, que não são obrigadas a assistir algo explícito. Agora, o que acontece ‘de levinho’ no edredon, fica no edredon.” 

Existe algum outro caso/fato que aconteceu com você após o BBB que você gostaria de contar para o público?

“Acho que minhas conquistas pessoais e profissionais estão lá nas redes pra todo mundo ver, tal como um diário. Não faço propaganda, não vendo uma vida “margarina”, não tenho só fotos incríveis. Na verdade acho isso tudo muito falso e está gerando pessoas perturbadas real oficial. Meu Instagram é de uma pessoa que rala e se diverte, de maneira bem equilibrada. Faço o que gosto, trabalho com que amo e estou sempre rodeada de pessoas interessantes.”

Onde você está morando atualmente?

“Moro no Rio, sou carioca, mas estou morando também em São Paulo por causa do trabalho. Daí é aquela loucura de ponte aérea que neste ano de 2020 vai ficar cada vez mais sólida e estável aqui na cidade que nunca dorme.”

Está solteira, casada, enrolada? Tem filhos?

Diana com sua avó e sua namorada Wan. (Foto: Reprodução/Instagram)

“Namoro e moro junto há 4 anos, com a Wan. Com certeza meu relacionamento mais maduro, onde nos conectamos  de várias formas, sobretudo na nossa trajetória espiritual e evolutiva, no intelecto e nas parcerias de trabalho, pois além de trabalharmos como uma dupla de produção, temos uma empresa de música chamada Radio Pluma, onde faço produção, atendimento e pesquisa musical e ela pesquisa, produz, dá pirueta, pinta, borda, é a DJ, a criadora e a criatura. Fazemos um estudo de branding e nosso foco está em lançamentos de marcas, de projetos, de coleções e alguns casamentos (quando acreditamos no casal). Sabe quando você se apaixona pelo conjunto, mas principalmente, pelo humor e pela inteligência? É isso, além de ser linda por dentro e por fora, certamente é a mulher mais completa e incrível que eu tive o prazer de conhecer. Temos uma filha sim, uma meliante de 4 patas, chamada Yoyo, que adotamos vai fazer 3 anos em março. A gatinha mais presente e engraçada do mundo. Viaja conosco e está inserida em todas nossas aventuras.”

Como você está hoje profissionalmente?

“Desde nova trabalhei com fotografia de moda e publicidade. Os anos foram passando, saí um pouco de frente para as câmeras e passei a me interessar e me dedicar a produção, o famoso ‘fazer acontecer.’ De lá até aqui, passei por todas as áreas e hoje estou no audiovisual, trabalho como diretora de produção, com projetos que vão de videoclipes de música a comerciais de TV. Daí acumulo algumas funções importantes como atendimento ao cliente, decupagem de roteiro, contratação de toda equipe, planejamento financeiro e tudo de necessário para o filme acontecer. É uma mistura de criatividade com matemática. A magia da produção e do resultado pronto é o que me move.”

É verdade que recentemente você trabalhou com a Cléo (Pires)?

“A Cléo é uma das nossas clientes, fizemos um clipe lindo e forte pra ela, chama-se ‘Queima’. Eu já havia feito alguns clipes antes, mas agora estou há pouco mais de 2 anos trabalhando diretamente com um diretor daqui de São Paulo, que hoje em dia também é um de meus melhores amigos, que é o Felipe Sassi. Junto com minha atual namorada, a Wan, que sempre esteve comigo, montamos um super time de produção e estamos desenvolvendo um trabalho muito muito incrível e por puro mérito, super elogiado. Além da Cléo, temos na nossa cartela muitos nomes de peso, como a IZA (minha 1ª cliente nessa parceria, fizemos todos os clipes dela e recentemente filmamos nosso primeiro projeto internacional em Los Angeles, na Califórnia, IZA com Ciara e Major Lazer “Evapora”), Glória Groove, Ludmilla, Lexa, Duda Beat, Matheus Carrilho, Falcão, Pablo Vittar, Rincon Sapiência, Leo Santana, Lia Clark, Wanessa Camargo, Pedro Sampaio, etc. Além dos artistas mais conhecidos, estamos sempre de olho nas novas vozes e potenciais artistas para decifrá-los visualmente, como foi com o Caio Dias, agora só Caio. O legal dessa minha história com meu diretor é que quem nos apresentou foi a Bianca Jahara, também ex-BBB e stylist de várias celebridades f****. Nós somos amigas de anos, um dia ela me ligou e falou: ‘Estou com um diretor de SP que precisa de uma louca pra tirar um projeto do papel aqui no RJ’. Fui conhecê-lo, a primeira pergunta dele foi qual era meu signo, daí fez meu mapa astral, passei na entrevista e nasceu Pesadão da Iza em dois dias, que geraram quase 300 milhões de views, uma loucura como todos os outros projetos que viriam pela frente.”

Diana e sua equipe em produção de clipe da cantora Gloria Groove (Foto: Reprodução/Instagram)

Publicidade