Fox Sports admite fusão com ESPN internamente e diz que só falta aval do Cade

Publicado há um ano
Por Gabriel Vaquer
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em um não tão longo discurso no fim de tarde desta quarta-feira (13), o vice-presidente sênior e chefe de conteúdo oficial dos canais FOX, Eduardo Zebini, admitiu para os funcionários do Fox Sports que a emissora deverá se fundir com a ESPN Brasil por conta da venda da Fox para a Disney. Tudo apenas vai depender de uma aprovação do Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica), que vai rever o negócio no Brasil.

Segundo apurou o Observatório da Televisão, na fala para os seus funcionários, Zebini foi claro ao afirmar que a empresa agora é da Disney. Ele citou que houve esforços para que o canal fosse vendido para uma outra companhia, mas que não foi possível pela situação do mercado. Zebini também informou que a Disney e a Fox esperam ter uma resposta em 45 dias do Cade sobre a situação. Mas que é fato que a fusão irá ocorrer.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Zebini também comentou que espera que os funcionários mantenham o comprometimento que possuem com a emissora até o final. Ele citou os ótimos resultados de audiência da Fox para motivar os funcionários. Os contratados do Fox Sports ficaram assustados. O clima é ruim, porque mesmo com a provável fusão e não fechamento, demissões irão ocorrer de qualquer forma.

A Disney comprovou, segundo relatório ao Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) assinado nesta quarta-feira (13), que não conseguiu efetuar no tempo pedido pelo Conselho a venda do Fox Sports, condição dada para que a fusão entre Disney e Fox fosse aprovada no Brasil. Com isso, o Cade aplicará a revisão da operação. 

Funcionários do Fox Sports escutam discurso de Eduardo Zebini nesta quarta-feira (Reprodução)

O fato consta no relatório de uma reunião ocorrida nesta quarta-feira (13) entre representantes da Disney e o Cade. No parecer onde pede a revisão da operação, o procurador-chefe do Cade, Walter de Agra Júnior, diz que houve “boa-fé” da Disney e da Fox para tentar concluir o negócios, mas que os dois potenciais interessados não entregaram planos consistentes.

Agora, caberá ao Conselho do Cade aprovar o relatório de seu procurador-chefe, o que só não acontecerá em uma hecatombe, e revisará todo o modelo da operação da fusão das empresas no Brasil. Isso deverá ficar apenas para o ano que vem, já que o Conselho está sem quórum para votações e discussões. Atualmente, o Conselho está com quatro cadeiras vagas, esperando indicação do atual Presidente, Jair Bolsonaro. 

Três nomes já foram indicados. Mas eles precisam passar por entrevistas no Senado e ter seus nomes aprovados pelos senadores. Caso sejam aprovados, precisam estar a par da questão entre Disney e Fox, o que deve estender ainda mais a novela da fusão no Brasil.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio