Maju fala sobre ser escolhida para comandar o JN e agradece William Bonner: “Sempre me ajudou e foi justo comigo”

Publicado há 2 anos
Por Guilherme Rodrigues
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Responsável por ser a moça do tempo do Jornal Nacional, Maria Júlia Coutinho, a Maju, foi escolhida para entrar na escala dos fins de semana para comandar o informativo. A jornalista disse que soube da novidade na segunda-feira (11).

“Contei só para os mais próximos. Ontem (13), com a publicação da notícia, a repercussão foi incrível. Ainda nem consegui responder a todas as mensagens. Meus familiares ficaram muito felizes porque conhecem a minha trajetória, mas também um pouco assustados, porque vai acontecer rápido, já no próximo sábado (16)”, falou a famosa à Patrícia Kogut.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Leia também: Tatá Werneck descobre no Jornal Nacional que primeiro namorado morreu após temporal do RJ

“Já tinham me sinalizado que eu chegaria a esse lugar em algum momento, mas eu não esperava que seria este mês. Talvez no próximo semestre ou no ano que vem”, declarou a profissional, que fez uma análise sobre ser a primeira mulher negra no comando da atração.

“Primeiro, li a notícia publicada de forma objetiva. Depois, começaram a replicar acrescentando o fator raça. Claro que isso é simbólico e muito importante, mas quero destacar que minha trajetória foi o que me permitiu chegar a esse lugar, a chefia deixou isso claro”, avaliou a jornalista.

Leia também: Globo erra no Jornal Nacional e apresentadora nem se despede do telespectador; assista

“A Zileide Silva apresenta o Jornal Hoje; o Heraldo [Pereira] já fez o JN. Temos a Dulcineia Novaes em Curitiba. Daqui para a frente, acredito que será algo tão comum que não precisarão falar da ‘primeira negra’. Ficará no passado. Sou muito otimista. Tenho fé de que isso vai mudar. Sei que é representativo, só espero que isso não seja repisado”, esclareceu Maju.

Bonner

Com relação a William Bonner, âncora do JN e editor-chefe, Maria Júlia disse que só o conheceu pessoalmente depois de três anos que já estava no formato. “Nossa troca de figurinhas sempre se deu pela tela, por e-mail ou por telefone. Bonner é um dos meus padrinhos na Globo. Abriu as portas para mim, sempre me apoiou e foi justo comigo. Me deu toques e disse por onde eu deveria seguir”, contou a famosa.

“Temos uma relação de muita confiança, ele me deixa à vontade para fazer tudo da melhor maneira possível. Essa manifestação de carinho publicamente me deixou feliz. E me dá mais segurança”, concluiu a profissional.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio