Filha de Datena conquista espaço no jornalismo esportivo do Chile

Publicado há 2 anos
Por Clara Ribeiro
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Letícia Datena, filha do apresentador José Luiz Datena, conseguiu se estabelecer em uma área predominantemente masculina: o jornalismo esportivo. Morando no Chile, a profissional garantiu espaço consolidado na cobertura automobilística, sobretudo de ralis.

Casada com o chileno Rodrigo Norambuena, vice-presidente da FOX Chile, a moça já tinha experiência com esporte depois de ter apresentando um programa no mesmo grupo que o marido lidera no Brasil.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Leia mais: Joel Datena reclama ao vivo que a polícia está favorecendo a RecordTV

No entanto, ao se mudar para o outro país, precisou buscar reconhecimento em um segmento diferente e que não é muito influente por aqui.

Atualmente, ela é a única mulher a transmitir as competições de rali e a participar de uma mesa redonda sobre esportes automobilísticos no país sulamericano.

Novas experiências

Letícia conta que teve sorte ao embarcar na cobertura desse tipo de esporte, pois os chilenos gostam bastante.

“Tive essa proposta da produtora do campeonato nacional de rali. Aqui no Chile tem muitos fanáticos por esse esporte. A Argentina, que é sede do mundial há anos, é perto geograficamente… Então tem muitos torcedores”, disse a jornalista ao portal UOL.

Leia mais: Ao lado de Datena, cobra gigante defeca no estúdio do Brasil Urgente

Além disso, ela especificou que há dificuldades em seu trabalho.

“Foi difícil, porque foi uma combinação do espanhol, que tenho mais dificuldade do que inglês, e por nunca ter tido contato com o esporte antes. Foi dar a cara para críticas mesmo. Mas nunca liguei para isso. Confiei na minha trajetória”, diz.

Profissional focada

Letícia Datena contou na entrevista que seu início do trabalho esportivo foi gerenciando as mídias sociais. Determinada, estudou tudo sobre rali e atualmente é super requisitada para eventos relacionados. Em janeiro, por exemplo, ela cobre a etapa do Peru do Rally Dakar.

Leia mais: Fernanda Gentil deixa Esporte Espetacular para compor Entretenimento da Globo

Competidores respeitosos

Letícia concorda que está inserida em um ambiente que ainda é visto como masculino e que pode ser um exemplo para mulheres que se interessam pela área.

Em relação a situações de machismo ela revelou que se surpreendeu. Segundo Letícia os competidores a respeitam bastante, principalmente por ser mulher.

“Acho que eu ser a única mulher nas transmissões de rali abre o espaço para outras. E no rali, eles são muito educados, não sei se é coisa do esporte.Mas é até mais fácil na hora de entrevistas. Porque ficam sem graça por falar ‘não’ ao meu pedido. Faço sempre na chegada [da corrida], então às vezes eles vêm bravos, com o carro todo quebrado, e eu quero entrevista… Eles abrem a janela do carro e falam numa boa”, ponderou.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais