Funcionário da Record diz que foi humilhado por Geraldo Luís e registra queixa

Publicado há 2 anos
Por Clara Ribeiro
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Geraldo Luís pode ser condenado pelo crime de assédio moral. Isso por que um funcionário da Record, emissora na qual trabalha, registrou um boletim de ocorrência contra o apresentador.

Segundo o motorista Ismael Oliveira Silva, 47 anos, Geraldo Luís teria proferido ofensas contra ele recorrentemente, gerando até mesmo uma crise nervosa com choro, como foi definido por ele mesmo.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A acusação inicial foi apresentada na Polícia Civil de São Paulo através da internet. Agora, o profissional tem seis meses para apresentar queixa-crime no 8º Distrito Policial, na Mooca. Se ele a fizer, será aberto um inquérito policial contra o apresentador.

Leia mais: No Programa Raul Gil, Chris Flores fala sobre Geraldo Luís ter lhe aberto portas profissionais

O motorista relata “humilhação”

No B.O registrado por Silva, consta que no último 23 de agosto foi delegado pela Record a ir buscar Geraldo Luís em uma gravação na Mooca. Assim que o comunicador viu que ele era o motorista, teria se negado de pronto a entrar no carro e até batido a porta com força.

Segundo o acusador, além de agir com violência, Luís teria se referido a ele com “palavras de baixo calão”. No documento ele conta que essas atitudes são recorrentes não só com ele, mas com outros funcionários também.

Ismael tem recebido ajuda de colegas que garantem que as humilhações ocorrem mesmo e não são de hoje. De acordo com essas pessoas, elas vêm desde que Geraldo Luís apresentava o Balanço Geral. Ou seja, já faz dez anos.

Leia mais: Geraldo Luís explica motivo dos cortes que Domingo Show sofreu: “O show são as histórias”

A Record nega a versão do motorista

Antes de abrir um boletim de ocorrência, Ismael Oliveira Silva fez uma reclamação formal internamente na Record. A informação é confirmada pela própria emissora, segundo o site Notícias da TV.

Entretanto, a empresa de Edir Macedo relata que houve uma apuração, mas que nenhuma testemunha confirmou a versão do motorista sobre as ofensas que teria sofrido.

De acordo com a Record, as testemunhas viram somente que Geraldo se recusou a entrar no carro conduzido por Silva, mas não puderam confirmar as agressões verbais. O desentendimento, segundo o canal, não teria atingido um nível de desrespeito.

Para a empresa, o caso já está encerrado. A orientação dada ao apresentador foi que ele respeitasse todos os funcionários da casa.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio