Record tem recurso negado e terá de exibir direito de resposta para religiões africanas na programação

Publicado há 3 anos
Por Gabriel Vaquer
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O Tribunal Regional Federal (TRF) de São Paulo negou, por unanimidade num placar de 3 a 0, o recurso da Record contra uma condenação feita em 2015, que determinava direito de resposta para representantes de religiões africanas no canal.

Tal julgamento ocorreu na última quinta-feira (5) e o processo se arrasta desde 2004, quando tal ação foi movida pela Procuradoria Geral dos Direitos do Cidadão, que responde ao Ministério Público Federal.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Veja mais: Apresentador da Record se filia em partido e vai disputar vaga ao Senado em Minas Gerais

Tal ação foi movida após a denúncia de dois órgãos: do CEERT (Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades) e do Instituto Nacional de Tradição e Cultura Afro Brasileira (Intercab).

No julgamento realizado na quinta, a Record preferiu não se manisfestar. Com isso, os magistrados recusaram o recurso, se baseando no inciso VIII do artigo 5° da Constituição, que diz que “um adepto de qualquer religião não pode evocar suas convicções religiosas para se eximir de obrigações legais impostas a todos”.

A condenação pede que a Record exiba 16 horas, ao longo de sua programação, de direitos de resposta por ofender religiões africanas, entre outras sanções.

Tais conteúdos ofensivos pela emissora, segundo o processo, vieram de reportagens jornalísticas e por programas produzidos pela Igreja Universal do Reino de Deus, que os exibe no horário da madrugada na emissora.

Vale lembrar também que o dono da Record é Edir Macedo, líder da IURD. A Igreja critica veementemente e vive em guerra com os seguidores de religiões como o candomblé principalmente.

Veja também 

Record escala mais dois atores para viverem apóstolos em novela sobre Jesus

Record muda estreia do Power Couple com medo do Big Brother Brasil

Mesmo com a condenação, a Record pode recorrer da decisão em esferas maiores da Justiça, como o STF (Supremo Tribunal Federal) e o STJ (Superior Tribunal de Justiça), algo que os órgãos que moveram a ação já esperam.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio