Note e Anote, programa que ditou moda nos anos 1990, chegava ao fim há 12 anos

Publicidade

No dia 19 de agosto de 2005, a Record exibia o último programa Note e Anote. Na época apresentado por Claudete Troiano, o programa feminino ocupava as manhãs da emissora. Mas a atração nasceu pelas mãos de Ana Maria Braga, que criou um formato que ditou moda nas tardes da TV em meados dos anos 1990.

Note e Anote ficou no ar por 12 anos e teve uma trajetória de sucesso. A atração foi criada, dirigida e apresentada por Ana Maria Braga em 1993, quando a direção da Record a convidou para ser uma espécie de “sócia” num novo programa, no qual dividiriam lucros e despesas. Na época, a apresentadora era diretora comercial da Editora Abril, e estava há anos afastada da telinha, desde o fim da TV Tupi, onde apresentava jornais, como o Rede Tupi de Notícias, e programas de entretenimento, como o Replay.

Note e Anote estreou nas manhãs da Record, entre 10h e 13h, no dia 8 de novembro de 1993. A atração tinha o objetivo de ser uma companhia às donas de casa, trazendo ao seu público-alvo dicas prosaicas acerca do cotidiano. Seu tempo era tomado, principalmente, por aulas de culinária e artesanato. Ana Maria recebia culinaristas e artesãos convidados, que davam dicas às telespectadoras, que poderiam reproduzir receitas e artes para vender e ganhar dinheiro. A cada quadro, Ana Maria recebia garotos-propaganda dos mais variados produtos, em ações de merchandising conversadas que se reproduziriam pelos canais afora.

Continua depois da publicidade

Assim, Ana criou uma receita de sucesso na televisão, aliando audiência e faturamento. Note e Anote, então, cresceu, foi empurrado para as tardes, e Ana Maria Braga chegou a ficar seis horas diárias ao vivo, entre meio-dia e 18h, entrando no Guiness Book. Além da atração, Ana Maria ganhou ainda o Programa Ana Maria Braga, com auditório e um sofá onde a loira recebia convidados, tal qual o programa de Hebe Camargo. O Programa Ana Maria Braga era exibido inicialmente nas noites de sábado, mas depois se transferiu para a terça-feira, quando era exibido ao vivo.

Note e Anote, então, se tornou a principal referência de programa feminino na TV, ditando a moda dos matinais e vespertinos dos canais abertos nos anos 1990. Na época, o Mulheres, da Gazeta, já existia, mas não há dúvidas de que foi o Note e Anote que fez o formato ganhar evidência, e até o Mulheres passou a imprimir algumas das ideias da atração de Ana Maria. Depois do Note e Anote, a Manchete lançou seu Mulher de Hoje, com Claudete Troiano, enquanto a Band apostou em Mulheres do Brasil, com Márcia Peltier e, depois, Mulher de Verdade, com Tania Rodrigues e Silvia Franceschi, e até o Programa Olga Bongiovanni, todos na esteira de Ana Maria Braga.

Em 1999, devido a desentendimentos com a direção da Record, Ana Maria Braga pediu demissão da emissora. Pega de surpresa, a Record foi buscar às pressas uma substituta. A escolhida foi Cátia Fonseca, que, na época, apresentava o matinal Pra Você, nos mesmos moldes do Note e Anote, nas manhãs da TV Gazeta. Ana Maria saiu numa sexta-feira e, entre sábado e domingo, Cátia foi contratada, gravou pilotos e estreou no comando do vespertino em tempo recorde, já na segunda-feira seguinte. Enquanto isso, Claudete Troiano deixou a já combalida Manchete e foi chamada pela Gazeta para reassumir o Pra Você, pois foi Claudete a primeira apresentadora do programa.

Cátia Fonseca ficou pouco mais de um ano no Note e Anote, e saiu em meio a polêmicas. Isso porque, depois de um tempo no Pra Você, Claudete Troiano foi escalada pela Gazeta para voltar ao Mulheres, enquanto a titular Ione Borges ganhou um novo programa no horário nobre. Concorrendo com Cátia, Claudete passou a apresentar bons números e bom faturamento, o que despertou o interesse da Record. Deste modo, a Record contrata Claudete para o Note e Anote, afastando Cátia Fonseca do vespertino, sem dar qualquer satisfação ao público. Na época, Cátia deu entrevistas afirmando que Claudete se ofereceu para a Record. Claudete sempre negou.

Passada a polêmica da substituição, Claudete Troiano ficou um bom tempo no Note e Anote e passou a imprimir uma série de mudanças na atração. Aos poucos, o vespertino diminuiu o espaço da culinária e do artesanato, e passou a dar mais espaço ao jornalismo e à prestação de serviço, além de fofocas de celebridades. Durante um tempo, abriu espaço também para pautas polêmicas para concorrer com os telebarracos das outras emissoras. Nesta época, ficou famoso um bate-boca ao vivo entre Claudete e João Kleber, que apresentava o telebarraco Canal Aberto nas tardes da RedeTV!. Claudete trouxe ao Note e Anote matérias que afirmavam que os casos mostrados no programa de João eram falsos. João respondia às acusações ao vivo, em seu programa, dizendo que as acusações seriam uma retaliação da Record à negativa de João Kleber de mudar de emissora.

Tempos depois, para fazer o Note e Anote voltar às origens, a Record inverteu o horário do feminino com o infantil Eliana & Alegria, encaixando o feminino novamente na faixa da manhã. Ali, Claudete Troiano voltou a dar mais espaço às pautas de culinária e artesanato, além de quadros de saúde e serviço à mulher. Esta foi a última fase do Note e Anote, que saiu do ar quando a apresentadora se transferiu para a Band. Com o fim do programa, a Record apostou na revista eletrônica Hoje em Dia para substituí-lo, e que está no ar até hoje.

Leia também:

Clássico da TV, Pai Herói terminava há 38 anos

Reveja dica de artesanato com Ana Maria Braga e Louro José no Note e Anote:

Publicidade
© 2020 Observatório da TV | Powered by Grupo Observatório
Site parceiro UOL
Publicidade