Tais Araújo fala sobre Aruanas, nova série da Globoplay: “São assuntos que dizem respeito a todos nós”

Publicado há 2 anos
Por João Paulo Reis
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O ano de 2019 será de muito trabalho para Tais Araújo. A atriz irá estrear, Aruanas, série já gravada para a Globoplay, e começar a estudar sua personagem em Amor de Mãe. A trama escrita por Manuela Dias para o horário das 21h, substituirá a novela A Dona do Pedaço de Walcyr Carrasco.

Em entrevista ao Observatório da Televisão, ela fez mistério sobre a personagem do folhetim, mas falou com carinho de Aruanas. A atriz fez um balanço do PopStar, reality musical que apresentou em 2018. Confira o bate papo completo:

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Leia também: Taís Araújo é a grande vencedora do PopStar

Você vai voltar à TV em Amor de Mãe, não é? Já sabe alguma coisa da personagem?

“Vou, mas ainda não sei nada. Na verdade, quando a Manuela Dias (autor) e o José Luiz Villamarim (diretor) me convidaram, aceitei só porque eram os dois. Foi a maior maluquice da minha vida. Não sei nem sobre o que se trata (a novela). Eu queria trabalhar com os caras, os caras me chamaram, então pensei ‘eu vou fazer’”.

Saiu por aí que sua personagem na trama será uma mulher milionária…

“O que eu sei é só o que a imprensa fala. Eu fico pegando o que vocês falam, mas oficialmente ainda não li nada”.

Aruanas

E a série que você gravou na Amazônia?

Aruanas. Está linda. Estreia em junho na Globoplay. Essa série é muito especial, fala sobre coisas que a gente acredita muito como observar o meio ambiente, sustentabilidade, que são assuntos que dizem respeito a todos nós, e não nos aprofundamos tanto. Temos que pegar esses assuntos e levar para a vida, porque essa é a nossa garantia de continuidade nesse planeta de forma não danosa como estamos fazendo todos os anos. Uma coisa de sociedade mesmo. Essa série nos dá a chance de repensarmos a maneira como lidamos com o meio ambiente”.

Tivemos hoje o protesto no país inteiro em relação ao rapaz que foi morto por um segurança do supermercado Extra. Como você vê isso? Qual sua opinião sobre este caso?

“Esse caso é mais um caso de racismo estrutural que tem nesse país. Acho que precisa cair esse véu de meritocracia, democracia racial, que somos todos iguais. Nós somos todos iguais, mas só perante a lei. Na vida não é assim. Na vida acontecem coisas de maneira muito diferentes. As pessoas precisam enxergar que existe um abismo e todos nós somos responsáveis por isso enquanto sociedade, brancos e não brancos, negros e não negros. Não adianta só uma parcela ficar gritando ‘parem com isso’, o outro lado que não é tão atingido precisa entender que a sociedade é uma só, e trabalhar também, e se sentir responsável”.

Tais Araújo fala sobre evolução na questão do racismo

Você acha que falta muito para evoluirmos nesse sentido?

“Falta! Falta muita coisa infelizmente”.

Esse ano começou cheio de notícias tristes. Parece que o mundo está dizendo para a gente que precisamos viver o agora. Como boa sagitariana, que sempre vê o mundo colorido, como lida com isso?

“Eu acho que esse ano mostra que temos que nos responsabilizar muito, desde as instalações onde estamos até as relações que temos. A sociedade que a gente vive, e que não podemos tirar o corpo fora só porque em teoria não diz respeito à gente, porque no fundo diz”.

Uma vez você citou que tinha preocupação em relação ao racismo e seus filhos. Essa preocupação continua?

“A preocupação é diária. Não só para mim, como para todas as mães. Todas as mães têm preocupação com seus filhos, e eu ainda tenho mais essa porque sou mãe de crianças negras, então isso vai fazer parte da minha vida para sempre”.

Como você recebeu os elogios devido à apresentação do PopStar?

“Eu adorei fazer o PopStar, fui muito feliz ali. Foi uma experiência linda, diferente de tudo o que eu já tinha feito. Posso dizer que me diverti. E a gente [Tais e os participantes] não se desgruda. Essa semana mesmo fomos ao show da Fafy Siqueira”.

*Entrevista feita pelo jornalista André Romano

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio