Milhem Cortaz se recusa a saber mistério que esconde seu personagem em Amor de Mãe: “Não quero influenciar”

Publicado há um ano
Por Cadu Safner
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O ator Milhem Cortaz, de 46 anos, está de retorno às novelas em Amor de Mãe, agendada para 25 de novembro. A trama que marca a primeira obra de Manuela Dias como autora do horário das 21 horas. Na história, Cortaz viverá Matias, um médico que tem um casamento “mega ultra feliz” com Miranda, interpretada por Débora Lamm. Mas a verdade é que tanta felicidade esconde, na verdade, um grande e inconfessável segredo.

Em entrevista ao Observatório da Televisão, o ator comenta sobre o mistério que envolve a família da ficção, fala sobre os dias em que passou ao lado de um clínico geral em um hospital para construção de Matias e rebate as críticas negativas em relação ao seu último trabalho na Globo, antes de ingressar em Amor de Mãe.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Saiba mais obre Matias

Eu prefiro não saber do segredo dele. Matias e Miranda é casal que se ama muito, são felizes, tem uma família legal, estão super bem. Preferi não saber [sobre o segredo] para não influenciar o começo da história. É o casal mais feliz da novela, eles tem dois filhos pequenos, super legais, os moleques tem uma relação super boa, super inteligentes.

Matias é um Clinico Geral, um médico bem sucedido, casado coma Miranda (típica dona de casa). Nunca tinha feito um médico. Tem uma vaidade ali, a medicina te dá um poder. Conhecer todos os clínicos gerais que conheci; que são humildes, são tranquilos, mas, a medicina traz uma vaidade sim

Construção do personagem e vivência com médicos em hospitais

Eu queria falar mais do humano, deste cara que escolheu tratar das pessoas. Deste cara que escolhe as noites sozinho e que não se envolve com os problemas dos outros. Até que ponto ele se envolve? Eu fiz duas noites de plantão num hospital com clínicos gerais. Gostei de ver como ele dá receitas, como ele examina, como ele trata as pessoas.

Mas eu gostei mais ainda dos momentos em que ele ia no banheiro, que ele ia dormir, das vezes que ele conversava com a família no WhatsApp, quando ele ia fazer a refeição, as piadas o mal humor, a forma como ele também se permitia ter um mal humor e também não ser tão simpático. Eu quis entender mais o que é essa profissão e o que essa escolha faz com as pessoas

Machismo no personagem e criação de Milhem Cortaz

Ele e é um pai de família super presente e que ama a família, é um super-pai. Está tentando se encaixar neste ‘novo masculino’. Matias não tem problema nenhum com isso. Ele não tem nenhum problema que a mulher seja a protagonista de casa. Acho que ele vai ter alguns momentos de machismo.

Mas, um machismo normal da vida, da nossa educação, a novela se propõe a falar disso. Ele vai saber reverter isso na cabeça. Um pouco do que acontece comigo. Eu não tenho mais o machismo, óbvio, mas tenho o cutâneo que a gente aprende no dia a dia.

Milhem Cortaz (Divulgação)

A minha família é cercada de mulheres, eu tenho uma filha feminista que estes dias fez uma coisa errada, e eu cheguei na ‘xinxa’ com ela e ela me disse o seguinte: ‘Senta, fica na mesma altura que eu porque senão você me oprime’. Eu dei a volta, sentei, e olhei nos olhos dela.

Eu estou super apto a aprender, acho que vou melhorar muito com homem. A ideia do machismo não faz parte da minha educação, mas faz parte do social da vida. Eu venho uma família super tradicional, mas meu pai e minha mãe mostram serem modernos porque eu colecionei papel de carta quando era jovem. Ele ele não tinham esta coisa de não ser algo que homem faz. Em nenhum momento! E por mais tradicional que sejam os dois [os pais], eles nunca foram contra, pelo contrario, eles compravam pra mim.

Foi uma grande paixão da minha infância. Em nenhum momento eu fui censurado por eles. Eu nunca joguei bola, por exemplo. Não era o que eu gostava, eu joguei basquete na minha vida, eu não tenho time hoje. Apesar de serem tradicionais, meu pai veio da roça, minha mãe da Aclimação. Hoje minha mãe é da moda, apesar deles serem super tradicionais e de eu ter vindo de uma época super machista, eu nunca ouvi que ‘homem não chora’ em casa.

Humanização de personagens

Os personagens são escritos de tal forma e eu tento mostrar que este macho alfa é cheio de sentimento. Eu tenho que trazer o que não está escrito, as camadas que estão entre as coisas. Desta forma é que eu vou humanizá-lo. Um dos grandes baratos do meu trabalho não é querer me modificar muito, mas é humanizar tudo aquilo que eu faço. Este é o caminho que eu busco, não sei se eu acerto ou não, mas é o que eu tento fazer. Todos os meus personagens, por mais bruto, machista, ou macho alfa que fossem, eu sempre tento trazer o contrario para tentar equilibrar e dizer: ‘este cara é humano’

Criticas à O Sétimo Guardião, arrependimento e repercussão negativa

Posso ser sincero? Eu estava tão feliz, foi tão importante aquele personagem, eu amava tanto falar do masculino que eu fui perceber tudo isso depois que a novela acabou. Para mim era um p*** sucesso. Eu estava tão concentrado, ligado e feliz com tudo aquilo que eu não vi aquilo externo.

Quando falam para mim que a novela flopou, eu tenho vontade de rir. Como assim? Eu não faço média, falo a real, fico até triste quando falam que a novela era um fracasso. Como assim 31 pontos é um fracasso? Eu venho da Record TV que a novela dava 5 pontos, às vezes 12, ou 17 pontos quando era um sucesso. E eu nunca me preocupei com isso, me diverti com todas

De verdade, eu não estou nem ai pra isso, eu quero fazer o melhor trabalho e aprender com tudo isso. E tem uma coisa que trabalhar na Globo me deu, trabalhar com atores que eu sempre sonhei na minha vida. O Tony Ramos, Dan Stubach, a Isabela Garcia, eu estou aqui e faço parte disso tudo.

Foi um puta personagem. No final tiram a roupa dele, ele sai feliz, sem vergonha. Eu queria tanto falar sobre este masculino, não era gay, era um homem que gostava daquilo e não mudava nada no caráter dele. Fiquei tão feliz de ver a novela que não vi nada disso”.

Contrato com a Globo

“Minha maior felicidade é o meu trabalho em O Sétimo Guardião ter repercutido dentro da casa [Globo]. Isso é um grande prazer! E em seguida pegar esta equipe, com um elenco que… um texto! É o elenco da minha geração.

Olha que p*** elenco! É uma novela de uma geração. Estou com pessoas que me inspiram. Tenho que jogar de igual para igual. Estou numa felicidade tão grande e com medo tão imenso como nunca tive.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais