“Me sentia um pouco menos favorito que o Estéfano”, diz Vitor Bourguignon vencedor do MasterChef

Publicado há 10 meses
Por Leandro Lel Lima
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A final do MasterChef – A Revanche trouxe uma série de lições para Vitor Bourguignon, vencedor da atual temporada. Até os minutos finais do reality da Band ele acreditava que não iria levar o prêmio de R$250 mil pra casa, além do tão cobiçado troféu do programa de Ana Paula Padrão, mas sim Estéfano Zaquini.

Para o chef de cozinha, que possuí uma hamburgueria e que pretende abrir outros negócios no ramo da gastronomia, entre eles, um buffet, e até dar aulas pelas redes sociais e programas de TV,  Estéfano era o favorito ao prêmio por ter um tempo a mais que ele na cozinha e por ter entrado no reality na temporada de 2014.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“Ele é extremamente merecedor tanto quanto eu do troféu. Ele tem uma trajetória de vida, de MasterChef linda. Eu confesso que até o anúncio eu me colocava como o vice-campeão, por isso eu fiquei até sem reação. Achei isso por conta do desenrolar da prova, da forma como ter que decidir na sobremesa. Foi muito honroso dividir esse momento com o Estéfano. Gostaria que ele tivesse levantado esse troféu comigo”

Quando questionado se achava que os outros eram mais capazes do que ele, Vitor fez um balanço: “Isso não, mas talvez com repertório de cozinha maior. Muito por conta de outras temporadas anteriores. É só imaginar que tem uma por ano, eu sou da quarta temporada, 2017, então tinham três temporadas com pelo menos um, dois ou três anos à minha frente em termos de estudos, experiências e oportunidades. Naturalmente é de se pensar que eles estariam à frente em relação a esse repertório”.

Um dos pontos altos da trajetória do rapaz foi ter passado uma temporada num dos restaurantes de Paola Carosella, jurada do reality: “A chef Paola representa uma oportunidade de aprendizado. Ela me ofereceu um estágio no momento da minha eliminação, na quarta temporada. A partir daquele momento descobri o que era cozinha. Minha primeira experiência profissional. Me mostrou e me deu a luz de realmente saber do que quero então sou muito grato a oportunidade que ela me deu”.

Paola Carossella

Ainda sim, ele recusou ser efetivado na cozinha de
Carossella e explicou o motivo: “Eu
entendo que a vida é feita de oportunidades e no momento que o meu estagio se
encerrou e a efetividade no restaurante chegou eu tive outra oportunidade,
possibilidade em abrir o meu restaurante em Curitiba, e durante esses três
meses, absorvi o que era mais fundamental, em termos de processo, técnicas,
aprendizados, lá no Arturito entendi que poderia caminhar com a minhas próprias
pernas e foi isso que fiz”.

A eliminação no programa nunca foi vista com
dificuldades por Vitor, afinal, com a sua saída, ele teve a oportunidade de se
dedicar mais aos estudos, vivenciar novas experiências e amadurecer ideias: “Nunca enxerguei como pedra no sapato minha
eliminação, e sim como trampolim a participação. Tive muitas idas e vindas, na primeira
edição quase fui eliminado por ter cortado meu dedo, passei pela repescagem,
sai de novo, depois dediquei minha vida aos estudos e à gastronomia. Estou
muito mais preparado”.

Os próximos passos de Bourguignon será se firmar na carreira gastronômica e aproveitar as oportunidades que o programa oferece: “Consistência e trabalho duro. Sei que essa euforia uma hora passa, normal. Já tiveram outros campeões pra servir de exemplo e eu não quero deixar isso me afetar. Sei do meu momento. Agora quero curtir ele, mas sempre com o pé no chão e muito trabalho”.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais