Julio Andrade revela detalhes sobre ter dirigido dois episódios de Sob Pressão: “Foi um desafio para toda a equipe, não só para mim”

Publicado há 2 anos
Por Henrique Carlos
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Prestes a estrear na TV Globo no próximo dia 2 de maio, a nova temporada de Sob Pressão vem recheada de novidades. Além da mudança de cenário, afinal o Hospital Luís Carlos Macedo fechou e dá lugar a um novo local, também tivemos Julio Andrade que interpreta o Dr. Evandro, dirigindo dois episódios do seriado.

Em
entrevista ao Observatório da Televisão, o ator revelou detalhes de
como foi o processo de gravação, ainda falou sobre o final da
série. Confira:

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Como está sendo se despedir do personagem?

A gente fez um trabalho lindo, se realmente for a última temporada estamos fechando com chave de ouro. Mas a gente não sabe, vamos ver o que acontece.

Foi um personagem muito importante para a sua carreira, né?

Muito, acho que meu crescimento profissional vem muito dessa série. Como ator e como pessoa também, porque é um projeto que eu tenho muito orgulho de fazer, tem várias questões dentro dele. A princípio são questões bastante necessárias para o momento em que a gente vive. Eu tenho o maior orgulho desse projeto e se acabar ou continuar eu vou estar sempre com ele.

Direção

Você dirigiu dois episódios. Como foi isso?

Foi uma surpresa, porque eu como sou muito rato do cinema. Quando eu estou longe da família – eu moro em São Paulo – fico aqui no Rio de Janeiro, filmando. Quando eu não tenho nada para fazer, não estou filmando, eu fico no set. Mas porque eu gosto, eu amo o que eu faço. E aí o Andrucha Waddington entendeu isso e me deu esse presente, porque eu gosto de todos os setores do cinema e aí teve um dia que eu não tinha nada para fazer, fiquei na equipe de câmera e fiquei filmando lá.

Ganhei uma câmera, fiquei dentro da equipe mesmo e ele achou interessante. Mas isso me deu um gás também, foi uma experiência maravilhosa e eu espero que tenham ficado legais. Teve um episódio que eu dirigi com ele (Andrucha), foi o décimo episódio. Nesse episódio foi ele fora da cena e eu dentro da cena, então eu cuidava dos atores e de toda a movimentação. Esse episódio foi um desafio para toda a equipe, não só para mim e para ele.

Dirigir eu acho que foi um desejo que eu tive desde que eu nasci, meu pai alugava câmera em festividades e eu pegava essa câmera. Eu tenho imagens da minha família toda de muito tempo atrás. Eu acheguei a essa conclusão que eu já tinha essa coisa de querer dirigir e filmar muito antes do que eu imaginava, mas eu também não queria forçar a barra. Eu pretendo dirigir, pretendo estudar para poder aprimorar essa outra faceta.

Outros rumos

De repente dirigir até uma novela?

Não,
novela não. Novela é muito tempo e eu gosto de ter menos tempo e
mais cuidado.

O Evandro vem completamente diferente nessa temporada, eles agora estão indo para um outro hospital que está renascendo. O que você acha disso?

A princípio eu acho que é uma realidade dura e cruel você ver hospitais fechando. É uma realidade infelizmente e a gente retrata isso nessa temporada. O Sob Pressão é um trabalho que ao mesmo tempo que me dá orgulho, me dá uma tristeza. É dúbio esse sentimento que eu tenho de retratar uma realidade que infelizmente faz parte do nosso cotidiano, mas por outro lado alguém tem que fazer isso e que bom que eu como artista posso contribuir para que as pessoas tenham acesso ao que realmente acontece.

Novidades

O Evandro parece que vai querer ser pai, parece que tem também uma outra mulher que pode entrar na história. Como é esse momento?

Essa coisa do Evandro, quando ele perde a mulher na primeira temporada é como se ele perdesse o eixo, o rumo da vida. Depois teve a segunda temporada, esse encontro com a Carolina e levantou essa vontade de querer viver, querer se curar e querer ser importante para alguém. E com isso esse desejo de ter uma família, ele é um cara que apesar de ser um pouco carrancudo e bravo, ele é extremamente humano.

Isso é uma característica que eu ascendi muito nessas temporadas, que eu queria um médico humano. Porque a gente está perdendo um pouco essa coisa da tecnologia, o médico não tem mais aquela coisa do toque, de querer saber e se preocupar. Com o Evandro eu cuidei muito para que isso pudesse ficar sempre presente, essa humanidade. Eu acho que com isso vem o desejo de ter uma família, um filho.

Nessa temporada eles trabalham em uma região dominada pela milicia. Você procurou por informações sobre isso?

As informações estão aí, você acorda, liga o celular e você é invadido por informações, desastres com relações a milicias e é uma realidade dura. O Sob Pressão tem esse fenômeno de a gente às vezes narrar uma história antes dela acontecer, porque é muito previsível o que vem acontecendo, a gente sabe que está indo para o fundo do poço. Agora a grande questão é como a gente sai.

*Entrevista feita pelo jornalista André Romano.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio