“Gosto de dar boas notícias”, diz Sandes Júnior, apresentador da TV Serra Dourada/SBT

Publicado há 3 anos
Por Gabriel Vaquer
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Observatório da Televisão continua com o seu Tour Observatório em Goiás, visitando a TV Serra Dourada, atualmente a melhor afiliada do SBT em todo o Brasil – ganhando até prêmio por isso.

Desta vez, conversamos com o apresentador e também deputado federal Sandes Júnior, apresentador do programa Na Hora do Almoço, exibido diariamente na emissora e que marca 8 pontos de Ibope na Grande Goiânia.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Veja mais: “A disputa no meu horário é muito forte”, diz Adriana Bueno sobre Jornal Serra Dourada 

O programa é uma espécie de atração de rádio dentro da TV – além disso, ele não é exatamente uma produção da Serra Dourada, com Sandes pagando um certo valor para a locação do horário.

Sandes é uma figura peculiar, usando bordões de apresentadores antigos, como Flávio Cavancanti, para chamar os comerciais, por exemplo. Além disso, ele tem quadros assistencialistas, dando gasolina para as pessoas, por exemplo.

Veja também

Jordevá Rosa e Luciana Finholdt celebram o sucesso do Jornal do Meio Dia na TV Serra Dourada/SBT

Para ele, a sua atração é calcada em boas noticias: “É uma atração que só tem boas notícias. Eu gosto dela, do jeito que é feita. Tem uma boneca, tem duas apresentadoras bonitas que me ajudo. É uma atração familiar”.

Leia a entrevista na íntegra:

Observatório – Há quanto tempo você comanda esse programa, não só aqui na TV Serra Dourada, mas também quando estava lá na TV Goiânia?

Sandes Júnior – Eu comecei na TV Goiânia (Band) em televisão, mas é rádio faz muito tempo, já estou com mais de 30 anos e trabalho aqui na rádio 99, que é a mesma empresa que a Serra Dourada, num programa de segunda a sábado, das 8h a 12h. Tenho uma felicidade muito grande que nesses 35 anos de rádio, não é fácil, sempre em primeiro lugar.

Observatório – Qual a diferença básica do rádio para a televisão, que você vê?

Sandes Júnior – Segundo os antigos da TV, tudo que é feito no rádio, dá certo na TV. Você pega aí os mais antigos, Silvio Santos, Faustão, Chacrinha, Raul Gil, o Gugu, todos começaram em rádio, porque rádio te dá uma coisa que nenhuma universidade dá, que é o improviso, então você tem que saber improvisar, não é que você faz um programa de quatro horas escrito, é impossível, aliás eu nunca fiz programa escrito, é tudo na base do improviso e por isso que antes de entrar no ar, para falar menos bobagem, porque não tem jeito, sempre se fala bobagem, você tem que pensar no que vai falar, para agradar a maioria, porque não tem receita para agradar todo mundo.

Observatório – Como é que você define o seu programa aqui na TV Serra Dourada?

Sandes Júnior – É muito parecido com o do rádio, primeiro que é um programa que só tem notícias boas, é proibido dar notícias ruins. Só notícias boas, tem entretenimento, tem prêmios, nós temos a bancada e todo dia quem adivinhar o que tem dentro da bancada, ganha um prêmio, a gente pede inscrições, liga e quem falar “Tô na TV Serra Dourada”, ganha prêmio. A Ana Maria Braga tem o louro José e nós temos uma bonequinha que é a Nina, que é muito inteligente, responde tudo, agrada principalmente as crianças e temos duas apresentadoras talentosíssimas e bonitas, porque rádio é som e TV é imagem. Então um programa rápido, com duas colegas batendo bola comigo, interagindo, tem a boneca Nina, passa rápido, por isso que é um programa que tem agradado.

Observatório – Aqui a concorrência é muito grande, não só no seu horário, mas no dia inteiro, não é?

Sandes Júnior – É, a concorrência de 13h às 15h, a Globo de 12h até 13h15, são programas locais e nós entramos de dez para o meio dia, até duas e quinze, também com programas locais.

Observatório – Eu queria que você falasse também sobre a sua carreira política, você também é Deputado, não é isso?

Sandes Júnior – Exatamente. Eu estou aí há 8 mandatos de Deputado, sendo quatro de estadual e quatro de federal. A política vive um momento muito difícil, eu sempre cito um exemplo, eu fazia cursinho, num cursinho muito famoso em Goiânia chamado Carlos Chagas, que disputava com o César Lates, quem que aprovava mais para todas as áreas de faculdades e universidades. E o que ocorreu, no preparatório para o cursinho, tinha duas salas, uma no primeiro andar com 100 alunos e outra no segundo andar, também com 100 alunos, naquela época não é como hoje, mas na hora do recreio, tínhamos três colegas que fumavam maconha na hora do recreio e eu estudava também na sala de cima, três colegas fumavam maconha na hora do emprego, como é que era o nome da sala? A sala dos maconheiros, por causa de três. A classe política tem 513 Deputados Federais e 81 Senadores, mais você sempre sabe todo dia quem é que sai na mídia, mas só se coloca os que tem problemas e passa essa impressão, igual a sala lá de três alunos, que era a sala dos maconheiros, que todos são iguais e não é, tem muita gente boa, eu estou lá há muitos anos, tem muita, mais muita gente boa.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio