Focada nas apresentações da nova temporada do Show dos Famosos, Alessandra Maestrini brinca: “Eu sou obsessiva”

Publicado há 3 anos
Por Greicehelen Santana
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

No imaginário do público por sua personagem Bozena, interpretada no humorístico global Toma Lá, Dá Cá (2007-2009), Alessandra Maestrini topou o desafio de integrar o elenco da segunda temporada do Show dos Famosos, do programa Domingão do Faustão. O quadro estreia no dia 1º de abril e desafia artistas a performarem grandes nomes da música nacional e internacional.

Para o Observatório da Televisão, a atriz contou um pouco sobre preparativos para a estreia do quadro, confessou ser uma pessoa obsessiva e que está se dedicando para ter um bom desempenho nas apresentações. Já sobre as redes sociais, Alessandra afirmou que vive uma relação bipolar, meio que no estilo Tom e Jerry: “tem semana que eu não olho e tem madrugadas que eu posto trinta coisas”. Confira.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Veja também: Em entrevista exclusiva, Paulo Ricardo diz que Show dos Famosos é como a Broadway

Como está a expectativa para estrear no Show dos Famosos?

“Muito ansiosa e animada porque mesmo sendo atriz, versátil e tudo mais, é completamente diferente. Eu tenho o hábito de sempre me sugerir desafios, não sei fazer diferente.”

Vocês tiveram a liberdade de escolher os artistas que gostariam de performar no quadro. Durante a seleção, você optou pelos os que seriam mais desafiadores?

“Vem sem pensar. A pergunta chega e a minha personalidade fala sim (risos). Mas, eu acho que vai ser maneiro, realmente são desafiadores, são faces minhas que as pessoas não conhecem. Mas eu escolhi, claro, porque em algum ponto eu falo que tenho dentro de mim.”

Como estão sendo os ensaios?

“Temos uma aula com cada professor por dia, aí eu brinquei perguntando se tinha uma sala para eu ficar 20 horas ensaiando. Eu sou obsessiva (risos). Descobri que no meu hotel tem uma sala também. Se você resolve um desafio muito distante, então tem que enfiar a cara. É assim que eu gosto de brincar, é uma olimpíada por semana.”

Como você está conciliando o Show dos Famosos com outros projetos artísticos?

“Aqui a gente apresenta um final de semana e no outro não, porque são dois grupos. Com o Som e a Sílaba, que é o musical que o Falabella escreveu para mim, estamos em turnê, então eu estou agendando para os finais de semanas em que não estamos no ar. Esse eu estou fazendo desde o ano passado, então eu vou lá e tiro aquela carta, mas é uma carta que sou eu fazendo uma autista que canta ópera. A peça é leve, é uma autista, mas é uma comédia, emocionante e tem ópera. É muito maneiro! No segundo semestre vamos trazer para o Rio e eu quero ver se durante a temporada do programa eu consigo trazer, pelo menos uma noite, para o Rio de presente.”

O quadro fica até quando no ar?

“Até 15 de julho. Eu gosto também porque estimula, eu quero ver se volto a fazer aula de dança. Eu sempre dei muito mais atenção para estudos para a voz do que para o corpo, mas eu vim com uma disponibilidade física muito grande e parece que eu ouço a fadinha da dança dizendo assim: para mim nada?”

Você canta ópera maravilhosamente bem. Na competição você vai se arriscar em passear por ritmos como o pop, por exemplo?

“É o que mais vai ter, vai ter de tudo. Eu não vou falar os personagens, mas eu posso dizer que vou fazer pop, rock, samba, wild man blues, ópera. Ópera, na verdade, eu estou vendo o que vou fazer porque tem que ser uma coisa que chegue junto das pessoas também.”

Vocês já sabem os nomes das personalidades que irão performar?

“Não, todos não sabem. Eu, obsessiva, já falei quem aposto quem vai ser. Agora, é um jogo que se a gente consegue avisar um mês antes, ainda dá para trocar porque não fizeram o arranjo da música. Possa ser que eu faça a primeira semana e o que eu sentir do público, tanto ali ao vivo quanto de comentários, críticas e tudo, eu troque. Eles gostam que tenha mais movimento? Mais parado? Com mais roupa? Mais sério? O que o pessoal está buscando ou encontrando em mim?”

Então você é uma pessoa ligada nas redes sociais?

“Mais ou menos. Eu sou um meio bipolar com o Facebook, tem semana que eu não olho e tem madrugadas que eu posto trinta coisas. Até os amigos falam assim: ‘Alessandra, só tem você. O que aconteceu?’. E eu falo que é insônia (risos). No Instagram, eu estou postando até mais do que no Facebook porque eu descobri que tem uma coisa criativa, você mesmo filma, você mesmo faz. Acho que vai ter muitos Stories aqui. Já sugeri para o pessoal da gente fazer brincadeiras, fazer duplas diferentes. É o que eu falei, além dos personagens que a gente vai apresentar, tem muitos personagens que a gente não vai apresentar e que a gente sabe fazer, e que eu acho que pode não funcionar lá (no Domingão do Faustão) porque é muito parado, muito elitista ou o corpo é muito diferente do meu, que se eu puser vai ficar falso.”

O elenco está dividido em dois grupos, mas vocês se reúnem para trocar ideias?

“Eu acho que o meu grupo sou eu, Tiago, Naiara e Paulo Ricardo. A gente se encontro pela primeira vez há pouco tempo. Batemos repertório desde meados de janeiro, em fevereiro a gente fez o molde de cabeça.”

* Entrevista feita pelo jornalista André Romano

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio