“Fiquei muito impactada por ter ganho”, diz Giovanna Antonelli sobre Troféu Domingão Melhores do Ano

Publicado há 2 anos
Por João Paulo Reis
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Neste domingo (09), Giovanna Antonelli foi a grande premiada da categoria Atriz de novela no Melhores do Ano. A atriz ganhou o troféu Domingão por sua atuação como a protagonista Luzia de Segundo Sol. Ela concorreu diretamente com Deborah Secco e Bianca Bin na categoria.

Em conversa com o Observatório da Televisão, a atriz contou que veio de Portugal (onde reside) especialmente para a premiação, mas não imaginava sair vencedora. Ela ainda falou sobre o carinho do público português e seus projetos para 2019. Confira:

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Leia também: Aquaman | Arthur e Mera são atacados pelos Abissais em novo clipe

Como está sendo para você ganhar o Melhores do Ano? Fiquei sabendo que teve até pedido de filho…

“Teve. Ele falou ‘mamãe, se você ganhar, você pode pular?’ Falei ‘posso pular, mas não estou indo para ganhar porque a gente nunca sabe o que vai acontecer’, e é verdade. Não esperava! Estava em Portugal, peguei um avião e vim para cá porque meu sentimento de ser grata ao espectador era maior e eu não podia deixar de estar aqui. Eu queria vir para poder agradecer pessoalmente. Fiquei muito impactada por ter ganho esse prêmio depois de uma novela que foi em um ano intenso, principalmente para o nosso núcleo. Muitas lágrimas, fugas, perseguições, cenas noturnas, madrugadas, então foi uma missão cumprida”.

Personagens

Você reconhece que suas personagens são mulheres fortes? Você gosta de faze-las?

“Com certeza, eu amo fazer essas guerreiras e justiceiras. Mas amo muito mais as malucas com aqueles temperamentos loucos. Fazendo essas descontroladas a gente acaba extravasando, e gosto de fazer muita coisa com humor. Eu sempre tento levar minha vida com humor, porque a gente pode perder muitas coisas na vida, mas o humor jamais. Eu gosto das mulheres que não apenas são justiceiras e boazinhas, mas com muito humor”.

O que você mais escuta em Portugal sobre os seus trabalhos?

Segundo Sol está bombando em Portugal. Lá está quase acabando, e eles acompanham fervorosamente. Sou muito parada na rua por causa de Luzia, e todas as outras personagens. Como nossas novelas estão lá há muitos anos, acho que eles têm um carinho como se a gente tivesse na casa deles o tempo todo. Me chamam de ‘menina Giovanna’, a coisa mais bonitinha do mundo, com muita gentileza e muita educação”.

Você já sabe o que vem pela frente na sua vida profissional?

“Agora pretendo encerrar meu ciclo de trabalhos em dezembro, e janeiro e fevereiro só penso em crianças. A partir de fevereiro sim, eu começo a planejar meu 2019, porque realmente preciso dar uma respirada”.

Esse visual foi por conta de algum trabalho?

“Foi para um trabalho que fiz para uma marca de tinturas”.

Grife Giovanna Antonelli

 Seu nome acabou virando uma grife, e os empresários todos apostam em você…

“Eu gosto que você sempre me dá uma moral (risos). Há 10 anos quando comecei a idealizar de fazer coisas, licenciamentos, esmaltes e realizar meus sonhos, eu tinha uma meta. Sou uma pessoa persistente, acredito muito. Vim de uma família classe média baixa, mas o que me deram foi educação e caráter. Educação muda uma nação, um país com educação é um país que vai crescer de outra forma. Acho que não existe sonho que não possamos realizar. Não temos diferença de um para o outro aqui. É um pouco da força do pensamento e sou uma pessoa de fé. Só desisto depois que a montanha vier até mim”.

No Brasil muita gente sofre problema por tentar empreender. Você mesmo sendo atriz sofreu esses problemas?

“A todo momento. É muito difícil empreender no Brasil. Tudo poderia ser mais fácil como é em vários outros lugares do mundo. A gente não desiste. Todas as pessoas com as quais me juntei são pessoas que queriam fazer a diferença. Estamos vivendo agora seis anos de crise no país e continuamos crescendo com os negócios. Por exemplo, vamos fechar o ano agora com 30 clínicas de estética, estamos determinados, não largamos o país e estamos fazendo essa mola para a economia voltar a crescer”.

Você pensa em empreender lá fora?

“Por enquanto não, porque não tenho embasamento. Não posso me envolver em coisas que não estou esperta. Aqui já é difícil, imagina em outro lugar? Se no futuro eu tiver oportunidade e puder estar com a barriga no balcão, eu gostaria sim”.

 

Realizações

Quais são suas metas para 2019?

“Pela primeira vez quero poder sentar, e assistir Sessão da Tarde na televisão, e sem culpa. Acho que não faço isso há 10 anos. Quero buscar meus filhos na escola, que é algo que não tenho oportunidade de fazer. Quero pegar um sol de manhã, fazer meu treininho todos os dias, fazer comida, esperar meu marido chegar do trabalho como uma pessoa normal. Essa é a vida que eu quero, pelo menos até fevereiro”.

Você chegou onde sempre sonhou?

“Sim. Hoje o que eu mais sonho é continuar tendo paz, saúde, encontrar cada vez mais o equilíbrio que acho que é o nosso maior desafio no mundo que vivemos, driblar nossas ansiedades. Quero dar um caminho bom para os meus filhos, que eles estejam num país que também tenha um caminho bom, torço muito para que a gente tenha uma grande mudança. E a mudança vem da gente. É um pouco de amor, deixar se contaminar por um sentimento que faz a gente cair numa consciência nova.  Acho que somos tão fortes, e juntos podemos mudar”.

Perfil

Além do amor, você sempre teve humor. Sabemos que você é uma pessoa de muitos amigos e nunca fez a linha blasé para a imprensa…

“Eu juro, eu não penso que enquanto estou aqui vou encolher a barriga, se tão vendo meu sapato, se estou me mijando… Numa hora a gente está aqui, daqui a pouco ali tomando uma cerveja, e não consigo fazer um papel. Se a gente se encontrar na China, eu vou tratar todo mundo igual. Sobre os amigos, as pessoas acabam falando de um para o outro, Adriana Esteves por exemplo, todo mundo dizia que eu precisava trabalhar com ela, que iríamos nos dar super bem, e acho que o coração aberto é a melhor forma de a gente viver. Quando conheço alguém, eu não vejo com o olhar de encontrar o defeito. Já penso ‘caraca, esse cara é muito maneiro’, claro que já ferrei muito com isso, mas é isso, uma hora a gente ganha, outra hora a gente perde”.

A gente percebe que você nunca acreditou nesse sucesso, não é?

“Nunca gente. Pelo contrário. Eu não me levo a sério, acho que é isso. Nem imaginava que eu iria ganhar hoje aqui. Eu vim aqui mesmo agradecer”.

*Entrevista feita pelo jornalista André Romano

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio