“É sempre uma responsa”, afirma Maria Clara Gueiros sobre interpretar a Dona Cândida na Escolinha do Professor Raimundo

Publicado há 3 anos
Por Henrique Carlos
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Com a agenda lotada de compromissos profissionais, a atriz Maria Clara Gueiros, que já está no elenco do humorístico Zorra Total, também integra o elenco da nova temporada do remake da Escolinha do Professor Raimundo, onde interpretará a nerd Dona Cândida, originalmente interpretada pela atriz Stella Freitas. Completando 31 anos de carreira neste ano de 2018, Maria Clara conversou com a nossa equipe e contou sobre os desafios de estar na TV e no teatro ao mesmo tempo.

Leia também: “O Zorra Total era um cachorro morto”, diz Welder Rodrigues sobre antigo humorístico da Globo

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Você já fez diversos programas do gênero. Qual a diferença de fazer a Escolinha?

A Escolinha é um prazer. A gente se diverte o tempo todo e parece que ficamos com 6 anos de idade quando gravamos. É realmente diferente, até porque a gente não conhece o texto dos colegas, então é tudo novo. Além de não conhecer o outro texto, todos improvisam bastante, todos têm mil truques. Todos são comediantes maravilhosos, então é uma honra inenarrável.

A sua personagem é uma responsabilidade a mais?

Sim, é. Fazer uma coisa que deu certo, fazer um programa que deu certo e a Stella Freitas que fazia a Dona Cândida, é uma super atriz, super comediante, é sempre uma responsa.

Você acha que é como se fizesse uma personalidade do passado que sabe que sempre existiu?

Sim, a gente está ali com todo o respeito do mundo, que eu tenho certeza que todo mundo tem aqui, a gente está incorporando essas entidades.

O politicamente correto no humor

Exatamente por ser um ambiente, talvez até mais infantil, você acha que aqui é um espaço que o humor não tem a história do politicamente correto?

Eu acho que hoje em dia o politicamente correto entrou no humor. Entrou já na nossa estrutura de comediante, e graças a Deus que a gente só melhora. O mundo só tende a progredir. Não tem como não ser politicamente correto hoje em dia, é um dever do comediante.

Leia também: Aos 31 anos de carreira, Érico Brás comenta que era fã da Escolinha desde criança: “Estudava e saia correndo para ver”

Chega algum momento que vocês sugerem mudanças nos textos?

Sim, completamente. A diretora super está aberta a conversas, os autores também, é um espaço bastante democrático.

Como é que estão os seus projetos fora a Escolinha?

Eu estou com um espetáculo em São Paulo, chamado ‘A Invenção do Amor’, no teatro Folha, aos sábados e domingos. E estou gravando o Zorra Total, paralelamente à Escolinha. Eu produzi um musical esse ano, que deve voltar a cartaz, ‘Se o Meu Apartamento Falasse’. Agora dia 19 de julho eu também estreio uma peça com a Heloísa Périssé, que se chama ‘Loloucas’.

Maria Clara Gueiros fala sobre projeto com Heloísa Perissé

Me conta sobre a Heloísa Périssé, que também é outra gênia…

A Heloísa, é uma gênia! Minha amiga há 30 anos e ela tem esse projeto maravilhoso e me chamou. O Loloucas, é uma palestra motivacional, dada por duas senhoras da terceira idade, aquela típica pessoa que vai assistir teatro.

E como é trabalhar no Zorra, Escolinha, teatro e tantos programas de humor ao mesmo tempo? Dá uma confusão na cabeça?

Nenhuma, porque eu trabalho com o humor há 31 anos. Esse ano faço 31 anos de carreira. É uma zona que eu me sinto superconfortável. Eu amo trabalhar e estou com uma rotina bem puxada. A gente faz espetáculo em São Paulo às 22h e 0h de sábado, domingo às 18h da tarde e 20h da noite, venho na ponte aérea às 7h da manhã para gravar o Zorra, às vezes coincide de gravar a Escolinha, depois do Zorra e tem a minha família, minha vida, malho todos os dias, tenho dois filhos e um marido que é bastante presente.

Como é que você está avaliando esse cenário de crise e desemprego no Brasil?

É muito triste, muito preocupante, inclusive essa greve recente dos caminhoneiros. Sobre os caminhoneiros, eu acho que as questões são justas, mas eu tenho a impressão que isso atingiu um nível que extrapolou o início das reivindicações. Parece que se perdeu, virou muito mais um Fora Temer, mais Bolsonaro, mil grupos de várias reclamações que se torna difícil atender todo mundo.

*Entrevista feita pelo jornalista André Romano

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio