“Em nome de toda novela eu peço desculpas”, afirma André Dias sobre cena polêmica em Segundo Sol

Publicado há 2 anos
Por Henrique Carlos
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

André Dias interpreta o gringo Groa em Segundo Sol. Personagem que vem para o Brasil na intenção de encontrar o seu pai e acaba se tornando um grande amigo de Luzia, interpretada por Giovanna Antonelli. André que neste ano está completando 27 anos de carreira, contou em entrevista como acha que deve ser o futuro de seu personagem na trama e como foi a sua preparação para interpretar um religioso. Confira:

Leia também: Beto decide fazer exame de DNA de bebê enterrado

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A trama teve uma reviravolta e vai haver uma vingança. Como vai ser o posicionamento do Groa? Porque ele está sempre do lado da Luzia, certo?

Eu estou achando ótimo. Porque aí o ‘Super Groa’ volta a ação. Eu adoro fazer cena de ação, adoro dar cavalinho de pau com o jipe, atravessar rio e eu acho que é a grande virada da novela. Ela vai se enrolar toda de novo e vai precisar do melhor amigo. Agora ele entende essa vingança dela, ele já entendeu que se ela não fizer alguma coisa, as duas vão acabar com ela. Ele já sabe que eles estão lidando com as forças de Karola e Laureta que são forças do mal e tem que ser extintas, essa é a justificativa da vingança.

Autocrítica

Você assiste a novela, gosta de se ver atuar?

Não gosto de me ver, tenho horror de me ver. Mas eu gosto de ver os colegas, aprender com os colegas, mas me ver não. Porque a gente sempre se crítica, então me ver eu não gosto. Porém, eu adoro ler o texto e aí uns quinze dias depois ver aquelas cenas gravadas.

Para fazer o Groa, você teve que mudar totalmente o seu visual. Você já se acostumou?

O mega se eu pudesse tirar, já arrancaria agora. Não é nada demais, mas é chato refazer de três em três meses, porque é um dia perdido. Você senta na cadeira às 8 da manhã e sai às 8 da noite. Tem que tirar, lavar, pintar e aplicar tudo de novo.

Religião

Como você se preparou sobre a questão da religião, você já conhecia?

Já. Eu frequento o candomblé há mais de 15 anos. Como eu cheguei e já estava tudo pronto, eu só fiz a prova de roupa. Depois eu fui para a caracterização e o Fernando Torquatto e a Núbia falaram o que iriam fazer no meu cabelo e me mostraram as fotos, aí comecei a entender o que eles queriam em relação a aparência do personagem e a figura dele. Foi quando eu comecei a pesquisar em cima disso.

A novela teve uma cena que foi bastante criticada, inclusive por associações umbandistas, onde a Laureta acendia uma vela e fazia umas orações. O que você achou dessas críticas?

A gente não tem a autonomia do que acontece na novela. A gente não escreve e não dirige a novela. O que vai ao ar a gente não tem esse controle, não tem o controle nem do que vai ao ar em relação ao nosso trabalho, quanto mais a isso. Mas eu acho que as pessoas ficam preocupadas, porque a vilã da novela foi lá e fez uma oferenda. Ela demonstrou que também tem uma fé que é para o mal. E aí acontece que automaticamente liga a religião do candomblé a uma coisa do mal. Isso é uma coisa muito negativa, porque as pessoas já têm um certo preconceito com a religião, mas a gente tem que tomar cuidado com uma obra de ficção que é aberta.

Pedido de desculpas

Se o despacho que ela fez para o mal, caracteriza algo negativo, a novela também tem feito uma pesquisa muito grande em relação ao meu personagem, que tem uma postura em relação a religião muito positiva. Uma pessoa que vem de fora e se encanta por uma religião que não é a dele, vai lá e se debruça sobre isso com mais propriedades até do que nós mesmos. Ao mesmo tempo, tem o bem e o mal em toda religião e em todo canto. Se aquela cena ofendeu alguém, em nome de toda novela eu peço desculpas. Porque eu tenho a responsabilidade de fazer um personagem que lida com a espiritualidade, mas em nenhum momento eu acho que a gente quer denegrir a religião.

Ele está mais ali para a Luzia como um amigo do que como um religioso, certo?

Isso. Ele ainda não é um pai de santo, porque o pai Didico ainda não morreu. Ele só pode assumir o terreiro a partir do momento em que o babalorixá morre. Ele assume aquele terreiro, mas ele ainda não é. Ele já jogou búzios para ela, já acertou que ele viu sangue na vida dela. De alguma forma ele está lá como como orientador espiritual dela, sim.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio