“Ela não é má”, diz finalista do Batalha de Confeiteiros sobre a “vilã” Elizabeth Teodoro

Publicado há 3 anos
Por Leandro Lel Lima
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em entrevista ao Observatório da Televisão, Iara Cavalcanti, finalista do reality show Batalha de Confeiteiros, da Record TV, revela como a gastronomia pode ser uma grande aliada no combate à depressão e ainda fala das polêmicas envolvendo a participante da atração, Elizabeth Teodoro, tida como vilã da temporada.

Finalista fala sobre a colega Elizabeth Teodoro

Não nos tornamos amigas, mas tenho carinho pela Beth. A vilania veio de decisões equivocadas, o que não significa que ela seja uma pessoa má“, afirma.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Record exibe a final da segunda temporada

A final do reality será exibida na noite desta quarta, 11/07, às 22h30. Iara, 30 anos, natural de Aracaju, enfrenta o paulistano Luiz Toledo de 38 anos na disputa por uma vaga em uma das lojas do Cake Boss no Brasil.

Confira a entrevista com a finalista Iara Cavalcanti

De que forma a sua formação em design gráfico pode contribuir para a culinária?

Contribui bastante pois me dá melhor noção de cores e harmonia, proporção, projeto, distribuição de elementos, pintura, lettering, entre outras coisas. Uso muito do que aprendi na faculdade para desenvolver os projetos dos bolos para que os clientes aprovem antes da execução.

É possível criar e manter um clima amistoso em um ambiente como esse, cozinha de um restaurante/confeitaria?

Acredito que é possível e tive a oportunidade de mostrar que isso é possível durante a temporada. Sempre estive em equipes harmônicas e tranquilas.

Adversidades, quando houveram, foram contornadas com tato e respeito. É preciso lembrar e entender que ser profissional também significa respeitar pra ser respeitado.

Se arrepende de algo? Gostaria de ter feito algo que não pôde ao longo da temporada?

Não me arrependo de absolutamente nada. Tivemos uma temporada linda, pude mostrar meu trabalho e o chefe Buddy me fez mostrar a pessoa que eu sou.

Oportunidades na TV

Talvez, com mais tempo, conseguiria mostrar na TV o trabalho que desenvolvo na confeitaria Siriguela, que tenho em Aracaju.

Como tem sido a repercussão nas ruas e redes sociais em relação ao seu desempenho?

É bem surreal ser reconhecida na rua! Jamais imaginei que durante o café da manhã na padaria pessoas pedissem pra tirar foto…Pessoas que param pra declarar torcida. É um carinho muito gostoso e gratificante.

Repercussão nas Redes Sociais

Muitas mensagens carinhosas e inspiradoras. Sou muito grata de hoje poder também inspirar. Me sinto em paz de ser reconhecida também pelos colegas do programa como uma pessoa tranquila, respeitadora e amiga.

​É possível manter uma amizade fora do reality? Quem é o seu melhor amigo? ​

Fiz muitas amizades durante o programa que se estendem e mantém até hoje, nos falamos quase que diariamente, sobre qualquer assunto.

Parceria com Luiz Teodoro

Eu e o Luiz ficamos muito próximos, fico hospedada na casa dele quando preciso estar em São Paulo.

Por que vencer o reality é fundamental pra você?

Trabalhar como Buddy é o sonho e a Carlos Bakery é referência mundial em Cake Design. Com a estrutura e conhecimento que o Boss pode oferecer, posso crescer muito profissionalmente e pessoalmente.

Qual foi o bolo mais especial elaborado por você durante toda a competição?

Com certeza, o bolo da final. Por ser tema sonhos e por contar a história de sonhos meus e da minha família, é um bolo especial pra mim.

E na vida (algum momento especial em família, amigos)?

Todos os bolos, por mais simples que sejam, que fiz pra meu sobrinho Valentim.

Qual foi o seu maior desastre na confeitaria?

A ganache do ultimo desafio do confeiteiro, que fiz no alto do nervosismo e nos últimos minutos, que deu errado.

Você foi diagnosticada com depressão. Como descobriu a doença?

Lido com a depressão há algum tempo. Quem descobriu foi um profissional, e desde então tenho tratado.

Luta contra a depressão

Como tem tratado a doença? Admitir que tem depressão é também um grande avanço? A culinária te ajudou nesse ou em outro processo? 

Admitir ajuda a popularizar a ideia de que qualquer um de nós podemos lidar com essa doença silenciosamente. Depressão é uma doença silenciosa e infelizmente, ainda é vista socialmente com muito tabu e pouca empatia.

Como resultado o ‘açúcar” pode mudar essa e outras condições da vida? Falta “açúcar”, amor, na vida das pessoas?

O açúcar transformou minha vida porque o trabalho manual me distraía e estimulava a aprender mais.

União dentro e fora do reality

Vejo que há uma certa união entre os participantes, consequentemente uma parceria entre vocês. Como analisa esse clima e como ele foi criado ao longo do tempo?

O programa foi gravado com confinamento, sem celular e contato com os familiares. A amizade que desenvolvemos foi um alívio em meio a tudo isso.

Vilã do Batalha de Confeiteiros Elizabeth Theodoro

Como é a sua relação com a Elizabeth? Ela pode ser considerada uma vilã? Acha que ela exagerou em algum momento?

Não nos tornamos amigas por não mantermos muita proximidade depois das gravações. Mas tenho carinho pela Beth. Acho que a vilania veio de decisões equivocadas e da forma que ela reagiu e lidou com as situações, o que não significa que ela seja uma pessoa má.

​Nesta edição um dos diferenciais era produzir bolos para as celebridades. Qual delas mais te deixou tensa? 

Quando conheci a Xuxa foi surreal, ela já entrou falando meu nome. Não conseguia acreditar que era ela na minha frente. Me emocionei sem parar, nem consegui defender meu bolo de tanta emoção.

Emoção de encontrar a Xuxa

Certamente o seu contato com a Xuxa foi um dos mais emocionantes, não? 

A Xuxa é muito humana, acessível e carinhosa... Quando chorei, muito emocionada, com a eliminação do Cleverson, ela que nos ergueu do chão e disse palavras carinhosas e de apoio pra mim e pra ele…

Xuxa emocionada

Xuxa também ficou emocionada com o seu desempenho e vontade de permanecer no jogo…

Foi muito especial ver que ela não estava lá apenas para participar de mais um programa. Ela realmente nos ouviu, se envolveu e conversou conosco, nos apoiou. Foi um dia muito feliz, um sonho mesmo.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio