Deborah Secco defende sua vilã em Segundo Sol: “Ela é muito má, mas uma mãe amorosa”

Publicado há 2 anos
Por Leandro Lel Lima
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

No quesito maldade Deborah Secco está com tudo em Segundo Sol. Na trama de João Emanuel Carneiro, as maldades praticadas por Karola e Laureta (Adriana Esteves), estão ganhando o ódio do público e a simpatia também.

Em entrevista ao Observatório da Televisão, Deborah Secco conta como o público vem reagindo em relação as tramoias que a esposa de Beto Falcão (Emilio Dantas) vem aprontando para não perder o amor do filho, Valentim (Danilo Mesquita), e também do cantor.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Leia também: Marina Ruy Barbosa encontra pérola dentro da ostra em jantar na Grécia

Repercussão

“Ela é muito má, mas ao mesmo tempo humana, engraçada, doida, exagerada, dramática. Ela é uma mãe excessivamente amorosa. Acho que todo mundo se identifica um pouco, e as pessoas adoram odiar a Karola. Pra mim é um grande trunfo”.

Trabalho com diversão

“A maior alegria de uma pessoa é quando o trabalho vira brincadeira, e a Karola é a minha maior brincadeira. Eu vou lá pra fazer palhaçada, pra me divertir.”

Vilã

“Eu diria que a Karola é minha primeira grande vilã, porque a Iris [Laços de Família 2000] era uma menina malvada, mas não chegava ser uma vilã como essa”.

Elogios ao autor

“Uma das qualidades do João Emanuel [autor de Segundo Sol] é que ele não guarda história, vai soltando e nós não sabemos pra onde vai, mas com certeza vem muita coisa boa por aí”.

Perdão pra Karola

“Perdão todo mundo merece. Nós temos o direito de se arrepender dos nossos erros. Se Deus nos perdoa, quem somos nós para não perdoarmos o próximo? Agora, que as pessoas queiram continuar convivendo com ela é outra história”.

Relação com o filho

“Sofro muito porque eu queria que o Valentim (Danilo Mesquita) a quisesse. Mal ou bem foram 18 anos que ela lhe deu amor. E tem a história do Pedrinho, o menino que foi roubado, e hoje escolheu ficar com a mãe que o roubou, e não com a mãe biológica”.

Cinema

“Existe um filme que se chama Mãe Só Tem Uma, que é genial. É uma história de vida real. Esse menino escolheu viver com a mãe que tem afinidade. A mãe biológica, ele não tem identificação. Espero que o Valentim escolha a Karola”.

Cenas de brigas

“As cenas são as mais contidas porque elas são muito técnicas pra que a gente não se machuque, e não machuque a colega. Temos um coreógrafo que é excelente, e ele faz brigas maravilhosas. Nessas cenas não podemos nos soltar muito porque um deslize e você pode se machucar”.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio