Dandara Mariana fala sobre homenagem para o pai em Verão 90: “Fez parte de uma geração, é muito lindo”

Publicado há um ano
Por Henrique Carlos
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Atualmente no ar como Dandara, personagem com o mesmo nome que o seu em Verão 90, Dandara Mariana vive um dos maiores momentos de sua carreira na TV. Em entrevista ao Observatório da Televisão, a atriz falou sobre a nova fase de sua personagem na trama, que viverá uma grande reviravolta e também falou sobre a homenagem que aconteceu para seu pai no folhetim. Confira:

Como está sendo para você essa nova experiência?

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“Eu estou muito feliz com a novela. Estou vivendo um momento muito lindo e estou bastante agradecida por estar fazendo parte dessa obra tão legal. Agradeço por a novela ser um sucesso e pela Dandara ter caído nas graças do público.”

Sobre o carinho do público, o que você mais escuta nas ruas?

“Tem muita gente apoiando a Dandara, falando sobre a força dessa garota. Ela é uma menina muito para frente, muito poderosa e empoderada. Vejo meninas falando até que se identificam com ela, por ela ter orgulho de onde ela veio, de suas origens.”

Ícaro Silva

Como é a troca com o Ícaro Silva?

“Eu amo ele! A gente é amigo e isso tudo reverbera. Temos uma troca muito legal, nos conhecemos na faculdade de artes cênicas. Eu só tenho coisas maravilhosas a falar dele, é um grande artista, que canta, dança e é muito bem posicionado politicamente.”

A Dandara vai ser homenageada em cena, não vai?

“Sim, eu tenho muito que agradecer às autoras pelo convite… E dentro da novela, elas ainda homenagearam meu pai. Que lindo! Vai ter uma cena que a Manuzita vive a Emília, a Isabelle ficou emocionada e disse que talvez aquela fosse a última vez que ela se vestia de Emília. E elas falarem do meu pai que fez parte de uma geração, é muito lindo. Eu estou louca para assistir essa cena e de fato, o que está escrito aconteceu.”

Polêmica

Teve uma cena da Dandara envolvendo o cabelo dela, onde muita gente se emocionou e se identificou. Como é para você representar isso?

“Foi uma cena muito icônica, muito especial viver essa cena porque eu sei que muitas meninas passaram e passam por isso. Eu acho que a Mercedes (Totia Meireles), quer enquadrar a Dandara dentro dos padrões que ela entende que está uma pessoa da alta sociedade. Uma pessoa com dreads é geralmente vista como uma pessoa vida louca. A gente sofre esses preconceitos e foi essa a mensagem que ela quis passar. Mas ela dá uma resposta esclarecida a todos esses preconceitos. Nós mulheres negras, podemos ser lisas, relaxar o cabelo e tudo mais, desde que seja por nós mesmas e não pelo outro. Eu nunca alisei meu cabelo desde criança e acho muito importante nossas referências.”

E como foi receber essa personagem?

“Quando eu li a Dandara, eu pensei que a gente já estava cansado de ver uma personagem negra que sofre preconceito e está sempre retraída, que se encolhe. Mas eu falei que ela não poderia ser essa personagem, nesse lugar, porque ela tinha que encarar esse preconceito, debochar disso e ficar mais potente depois. Essa é uma coisa que eu quis imprimir desde o começo na personagem, eu queria que as pessoas assistissem e vissem na Dandara uma inspiração.”

Reviravolta

Ela vai encontrar a fita que prova que o Quinzinho é o assassino da Nicole (Bárbara França), né?

“Sim, ela vai encontrar. Mas ela questiona ele, porque é muito correta. É muito correta em tudo o que faz e não vai deixar isso passar assim.”

A Dandara acaba saindo do Brasil e volta uma nova mulher. Quando ela volta, a Vanessa (Camila Queiroz) vai mostrar que está noiva do Quinzinho (Caio Paduan), mas parece que vai acontecer essa entrega dela ao Ticiano (Ícaro Silva), certo?

“Sim, nessa nova fase dela eles sofrem muito, tanto ela quanto o Quinzinho. Porque é tudo muito armado pelo Jerônimo e pela Mercedes. Se não fosse isso, eles estariam muito felizes. Ela fica em dúvida quanto a ir para fora do Brasil, cogita do Quinzinho ir junto, mas ele não tem essa mente aberta, já ela precisa viver os sonhos. A Dandara e o Ticiano começam a se envolver nessa viagem, mas o sentimento pelo Quinzinho não acabou.”

Troca

E como é atuar com o Klébber Toledo?

“É muito legal. A gente pode não se parecer, mas a gente construiu esse afeto de irmãos. Os personagens são muito unidos também, um é um pouco pai e mãe do outro, existe um cuidado dos dois. E mainha, da Zezé Barbosa também tem muita atitude, ela chega chegando. A Bahia é um estado majoritariamente negro. O povo de lá é muito seguro e empoderado. Eu acho que a Dandara é fruto desse acontecimento, desse lugar.”

Você se considera em um dos melhores momentos da sua carreira?

“Considero! Eu estou vivendo um momento muito feliz da minha carreira, das pessoas estarem vendo o meu trabalho nesse lugar. Eu vim do teatro, fiz musical e aprendi muito, antes eu tinha feito mais cinema do que televisão. Mas eu adoro televisão, porque televisão é um grande aprendizado. Você convive todos os dias com seu personagem, caminha com ele e você não sabem o fim da história assim como acontece no cinema, onde você já fica sabendo tudo antes.”

*Entrevista feita pelo jornalista André Romano.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio