“Credibilidade tem a ver com empatia, ética e respeito”, afirma Thays Beleze, âncora da Rede Massa

Publicado em 28/06/2017

Por mais de dez anos trabalhando em afiliadas da TV Globo no sul do Brasil, a jornalista e apresentadora Thays Beleze deixou em 2016 a RPC rumo à Rede Massa, emissora afiliada do SBT tendo como proprietário o apresentador Ratinho.

Na nova Casa, Thays segue à frente do SBT Paraná ao lado do colega Eduardo Scola. Focado no noticiário local, o jornalistico tem como foco a prestação de serviço e as principais notícias do estado.

“Muito comovente”, afirma Silvero Pereira sobre gravar cena inspirada na morte da travesti Dandara

Em entrevista ao Observatório da Televisão, Beleze fala da diferença entre apresentar um jornal local e um nacional, da sua paixão pela dança, dos momentos mais marcantes de sua carreira e de um detalhe imprescindível para o jornalismo, a credibilidade: “Credibilidade tem a ver com empatia, ética e respeito. Pilares que são construídos ao longo de anos. Encaro o jornalismo como missão e não apenas como um trabalho que me traz o salário no final do mês.”

Confira: 

Ser jornalista sempre foi o seu objetivo?

Não. A comunicação verbal e a exposição, desde cedo, sempre foram um desafio para mim. Nunca havia imaginado trabalhar na televisão. A timidez era um grande complicador. Encontrei saídas para me comunicar nos palcos, por meio da dança, mais especificamente o ballet clássico. Experiência que trouxe desenvolvimento. Fiz o TCC na universidade voltado para Rádio e Impresso. Mas, a primeira chance de emprego que surgiu foi na TV. Agarrei a oportunidade, mesmo não tendo a certeza de quem me adaptaria. Eu quis arriscar, testar e aqui estou há 17 anos.

View this post on Instagram

🌺💃🌺💃 #ballet #amo #dance #vida #thaysbeleze #comunicacao #life #bailalinda #bailarina #corpo #movimento #paz #saude #mente #saudavel #coreografia #amomuito #prasempre

A post shared by T H A Y S B E L E Z E (@thaysbeleze) on

Pesquisas apontam que o público confia muito na sua imagem e opinião. O que é ter credibilidade para você? Qual dica daria para um colega que está começando a carreira?

Fico muito feliz por saber! Credibilidade tem a ver com empatia, ética e respeito. Pilares que são construídos ao longo de anos. Encaro o jornalismo como missão e não apenas como um trabalho que me traz o salário no final do mês. Também nunca foi um meio de “aparecer” na televisão, isso é consequência. Meu melhor exercício é a prática do altruísmo. Colocar-se no lugar do outro, exige que eu vá a fundo nas histórias, que eu esteja pronta para ouvir antes de falar e escrever um texto. Para mim, a chance de contar uma história tem muito valor. Falamos de vida e transformamos realidades. Ou seja, só há um jeito de tratar o jornalismo: com o máximo de ética e humanidade.

Quais são as diferenças entre apresentar um jornal local e nacional, levando em consideração o conteúdo? Gostaria que explicasse ao público os assuntos que são abordados, pautas locais, entre outros.

A diferença é a “importância” da notícia. O que envolve o público do País deve estar nos jornais nacionais. O que é de importância local, fica para os jornais regionais. Mas atenção, uma notícia local pode ter o interesse ampliado. Tudo depende da maneira que o repórter conta essa história e dos casos relatados pelos personagens. Por exemplo: um projeto desenvolvido por alunos no interior da Bahia pode trazer casos interessantes para escolas de qualquer estado. Tudo depende da força da ideia e do poder de transformação da história.

Qual reportagem marcou a sua vida?

O projeto que marcou a minha vida foi o VC no Mundo, desenvolvido na Rede Paranaense de Comunicação, afiliada da Rede Globo. Pude, ao longo de uma série de reportagens, dar voz a pessoas comuns que modificam cenários. Pautava pessoas que eram protagonistas de suas vidas, aquelas que não esperam os outros ou o poder público para transformar cenários. Produzia, reportava e apresentava as histórias nos jornais da casa, no site G1 e nas redes sociais.

No jornalismo ainda há algo que gostaria de realizar?

Não vejo a hora de termos um “meio” completamente interativo, em que a troca de ideias com o público seja constante. Creio que estamos no caminho, mas ainda há uma cultura televisiva a ser quebrada.

A Rede Massa tem apostado forte em conteúdo e também em investimentos tecnológicos. Quanto isso te motiva a atuar na emissora? Como foi a adaptação no novo desafio junto ao SBT Paraná?

O mais interessante de trabalhar na Rede Massa [afiliada do SBT no Paraná] é a liberdade de testar novos formatos de comunicação. A adaptação ocorreu naturalmente. Fui muio bem recebida e tive carta branca para trabalhar a qualidade de conteúdo. Mudamos a linguagem do SBT Paraná, sempre com a preocupação de enriquecer as reportagens e aproximar o público. Hoje, os bastidores e o jornal são transmitidos ao vivo no Facebook. Desta forma, os apresentadores podem saber a reação do público diante dos assuntos tratados na edição quase que instantaneamente.

View this post on Instagram

⭐️🎬🎤📺SBT Paraná quase no ar! #thaysbeleze #tv #aovivo #sbt #parana #curitiba @redemassa @schooneroficial

A post shared by T H A Y S B E L E Z E (@thaysbeleze) on

Já passou por situações inusitadas durante a transmissão?

Várias (risos)! Fazer jornal ao vivo significa estar exposto, com o seu melhor e o seu pior. Mostramos que somos “gente”, com erros e acertos. Já tive crise de risos, já estive doente, jé tropecei e já desmaiei quando estava grávida do meu segundo filho. O segredo é encarar a TV com naturalidade e ser exatamente o que você é!

View this post on Instagram

Relaxando no 3, 2, 1…🦋😴💙 Boa noite!😘😘😘😘🙏🏻 Por #valmachado 😍 #relaxa #boa noite #ballet #amo #dance #vida #thaysbeleze #comunicacao #life #bailalinda #bailarina #corpo #movimento #paz #saude #mente #saudavel #coreografia #amomuito #prasempre

A post shared by T H A Y S B E L E Z E (@thaysbeleze) on

Assuntos relacionados: