Comemorando 20 anos de carreira, Juliana Knust fala sobre sua primeira protagonista: “Tudo acontece no seu momento”

Publicado há 3 anos
Por João Paulo Reis
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Juliana Knust será Zoe, a protagonista de Apocalipse, trama bíblica que estreia na Record TV na noite desta terça-feira. Em entrevista ao Observatório da Televisão, a atriz conta que se surpreendeu ao fazer laboratório na redação da emissora e com o rápido fluxo das informações, além de comentar sobre a reprise de Celebridade, novela que ela participou em 2003. Confira:

Leia também: Audiência da TV (20/11): Último capítulo de O Rico e Lázaro garante vice liderança

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Na novela você vai viver a Zoe, uma repórter. Como está sendo viver esse universo do jornalismo?

Na novela eu passo por situações bem fortes. Minha personagem faz todo tipo de cobertura. Nas primeiras cenas ela cobre uma rebelião de um presídio, por exemplo. São coisas que um jornalista faz, correr riscos pela profissão e mostrar tranquilidade para o público na hora de passar a notícia. Tudo isso aprendi durante meu laboratório com o pessoal do jornalismo da Record TV. De vez em quando ainda dou uma invadida na redação.

O que te surpreendeu em sua preparação para viver essa repórter?

Me surpreendeu ver como eles conseguem entregar as coisas porque é tanta informação… É uma loucura uma redação, informação vindo de todos os lugares, ter que filtrar o que vale a pena falar, ver se aquilo é real, reunião de pauta, um falando por cima do outro, e tem horário para ir ao ar. Não dá para planejar uma matéria para ir ao ar daqui um mês. É tudo para hoje.  Muita coisa acontecendo ao mesmo tempo que não sei como vocês não batem cabeça. Fiquei muito impressionada mesmo porque nunca tinha entrado numa redação de jornal, e vi como eles se comunicam o tempo inteiro. Eu jamais daria conta de um negócio desses.

Falando dos seus 20 anos de carreira. Você acha que demorou muito para viver uma protagonista?

Tudo acontece no seu momento. Fiz bons personagens ao longo da carreira e essa protagonista vai ser mais um bom personagem que vou fazer. Vou me dedicar de corpo e alma, me enfiar de cabeça para dar o meu melhor. Talvez se viesse mais cedo eu não estivesse preparada. A diferença do protagonista é o volume de cenas, porque temos nessa novela personagens incríveis interpretados por pessoas talentosíssimas, personagens tão importantes quanto a minha.

Sua personagem acredita realmente que o apocalipse pode acontecer?

Ela acredita porque foi criada na igreja, nasceu numa família muito religiosa, mas não é tão praticante, e isso é um conflito que vai acontecer durante a novela. Apesar de acreditar em Deus e que o Apocalipse pode existir, ela para de ir a igreja, diferente dos pais.

E como é você em relação a isso?

Eu tenho a minha fé, acredito numa energia maior. Rezo com meus filhos toda noite e não faço isso para eles terem uma religião e sim para terem fé, serem gratos por tudo o que temos, como família, amor, e saúde. Tento passar isso para eles, que se cada um fizer um pouco, podemos melhorar o mundo a nossa volta.

Como é a Juliana mãe?

Educar é uma tarefa difícil, mas imponho limites, procuro ser amiga dos meus filhos, conversando sempre. Eu não sou autoritária, explico o motivo dos limites. Me preocupo para que eles entendam, e tenho que dar o caminho para que tudo seja melhor para eles. A gente só percebe se errou ou acertou lá na frente. Vamos amadurecendo.

O que você pode adiantar sobre a relação da Zoe com o Benjamim, e sobre o triângulo vivido com o personagem do Sergio Marone?

Na verdade não sei como vai ser o triângulo ainda, mas a Zoe e o Benjamim se conhecem desde a infância e se perdem ao longo da vida. Num dos eventos que ela vai cobrir em Nova Iorque eles se reencontram, e ali ressurge o amor de infância. Eles terão conflitos, primeiro porque ele é ateu, e ela acredita muito em Deus, segundo porque ele mora em Nova Iorque e ela no Rio de Janeiro. Ela dá muito valor ao que construiu no Brasil para simplesmente se mudar para lá.

Você acha possível um amor à distância?

Que difícil essa pergunta. Acho que é possível até onde existir respeito e amor. Se a distância atrapalhar o respeito e o amor, não vale mais a pena.

Dizem que a novela vai ter um clima de série. Até que ponto isso interfere no seu trabalho?

Acho que isso é uma questão de pós produção, concepção da novela pelos diretores, mas não influencia no nosso trabalho como atores.

A Globo vai reprisar Celebridade, que foi um trabalho seu, que te trouxe grande visibilidade…

Pois é. Eu amei essa notícia. É uma novela que tenho saudade, amei fazer, foi minha primeira novela das 21h, do Gilberto Braga. Ali deu um clique, porque eu vinha fazendo trabalhos menores. Sempre me perguntei porque essa novela não reprisava, afinal foi em 2003. Fiquei surpresa e feliz, porque tenho um carinho muito grande por esse trabalho, um momento especial na minha vida, uma virada na minha vida pessoal também, porque foi naquele momento que saí da casa dos meus pais, passei a morar sozinha, fui morar perto do Projac, onde gravávamos, então lembrar disso é muito legal.

*Entrevista feita pela jornalista Núcia Ferreira

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Carregar mais