Christiane Torloni destaca semelhanças com sua personagem em O Tempo Não Para: “Carmen é uma criatura crível”

Publicado há 2 anos
Por Henrique Carlos
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O Tempo Não Para, nova novela da Globo estreia na próxima terça-feira (31). Na trama assinada por Mário Teixeira, Christiane Torloni será Carmen. Mãe do protagonista Samuca (Nicolas Prattes), ela foi responsável por criar o rapaz sozinha. E foi quem primeiro acreditou no sonho dele de abrir uma empresa sustentável.

Transformou-se em sócia da empresa SamVita junto com o filho. E terá um affair com seu personal trainer Lalá, vivido por Micael Borges. A atriz conversou com nossa reportagem e falou sobre a força da personagem, e suas características que se assemelham à ela. Confira:

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Leia também: Leonardo Bittencourt surge sem camisa: “Viva os solteiros”

A sua personagem se envolve com um homem mais novo e quase sempre existe um preconceito com essa questão. Como é isso para você?

Eu acho que o preconceito também está nas mulheres. Eu acho que as mulheres são tão críticas das mulheres, né? Os homens aplaudem os homens. Quando é que as mulheres vão começar a aplaudir as mulheres? Eu acho que já começou, né? A gente está vivendo um tempo diferenciado, acho que vamos começar a ver as mulheres aplaudindo as mulheres, estamos vivendo num tempo de maior inteligência.

Christiane Torloni fala sobre Carmen

A sua personagem é batalhadora, cria o filho. Você se identifica com a personalidade dela?

Eu acho que a Carmen é uma criatura crível, ela é do nosso tempo. Todas nós temos que ser batalhadoras. Todas nós temos que pintar o cabelo, todas queremos ficar bonitinhas e todas nós queremos namorar, então está tudo certo. Nós temos vários pontos em comum e isso é muito bom.

E mais um trabalho com o Celulari, né?

A gente tem vários encontros já em cena, são admiráveis, ele é um homem que eu respeito muito, um artista incrível. Eu tenho acompanhado a carreira do Edson também no teatro, já a vários anos, ele é uma pessoa muito centrada, um ótimo colega e é um cara de respeito, nesse último episódio da vida dele, ele deu um exemplo de superação.

Você estava desde Velho Chico sem fazer novela, dá uma saudade dessa rotina de gravação?

Eu acho que a gente tem que dar a oportunidade para o público também se oxigenar um pouco, a gente precisa respirar outros ares. Terminou a novela e eu retomei a Maria Carla, fiz uma grande temporada esse ano e estou finalizando o meu documentário. Você volta reciclado, para chegar com outra informação.

Enredo da trama

A novela faz uma crítica aos dias atuais comparados há mais de 100 anos atrás, certo?

É, eu acho que a novela tem uma pegada antropológica sim, para as pessoas mais antenadas, elas vão perceber que ela não é uma novela superficial não, ela toca encontros capitais de tudo que aconteceu no último século. Sem querer ser doutrinária, nem panfletária, ela dá vários recados interessantes, com o humor que é uma boa maneira de chegar na mente das pessoas.

E a Christiane como vovó, está sendo muito babona com o neto?

De vovó eu acho difícil falar, acho que nem existe mais vovó, no século 21 a gente já é outro tipo de pegada. É um bebê super desejado, amado, eu fico muito feliz de estar tendo essa oportunidade na vida.

*Entrevista feita pelo jornalista André Romano

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio