Atuando na produção de cinema, Cauã Reymond afirma: “Continuo trabalhando para crescer”

Publicado há 2 anos
Por André Romano
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

À partir da próxima segunda-feira, dia 4 de junho, Cauã Reymond poderá ser visto novamente na tela da Globo. O ator fez parte do elenco de Belíssima, novela que passará a ser reprisada no Vale a Pena Ver de Novo. A trama escrita por Silvio de Abreu, foi a segunda novela do ator, que naquela época ainda era conhecido por seu papel de Maumau em Malhação (2002/ 2003). Durante a coletiva de imprensa para a reprise do folhetim, o ator bateu um papo com nossa reportagem e falou sobre seu trabalho fora da atuação, e que se chateou com as notícias de que teria sido afastado de Segundo Sol, por não saber rebolar. Confira:

Leia também:  Deus Salve o Rei: Rejeitada pela nobreza de Cália, Amália consegue dar a volta por cima

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Multifacetado

“Têm uns seis títulos de cinema, que eu sou produtor e coprodutor. No set, eu não dou pitaco. Eu sou ator e gosto de ser ator. Mas se me dão oportunidade de participar de uma forma criativa, eu participo. Entendeu? Têm pessoas que eu admiro pra caramba como profissionais que eu quero voltar a trabalhar. Tenho muita vontade de voltar a trabalhar com a Paolla Oliveira. A gente vem conversando de se encontrar em algum projeto. Eu acho que é uma coisa que vem acontecendo naturalmente comigo. Eu não tenho a vaidade de dar a palavra final em projeto nenhum.. Mas passa pela possibilidade de ter um diálogo maior com quem está criando, é uma coisa natural.”

Além de atuar…

“No cinema, nos projetos que eu estou, eu já não sou o ator. Mas se algum projeto dentro ou fora da casa, a oportunidade surgir, eu acho legal ser participativo assim. Mas a palavra final é sempre da alta direção.”

Projetos

Eu venho apresentando projetos para a casa (Rede Globo). ‘Dom Pedro I’, é um filme da casa, a gente está conversando de depois de filmar ele, o transformar em uma minissérie. O ‘Alemão’, filme que eu sou coprodutor, foi uma minissérie de muito sucesso dentro da casa. É uma coisa natural pra mim, gente. É uma das formas que eu acredito como é gostoso de trabalhar. Eu não tenho problema nenhum de ter recebido um convite só como ator, e ficar nesse lugar, pra mim, é legal. Mas se eu recebo um convite para estar junto, ou de criar esse projeto com alguém, me interessa. No futuro eu me imagino trabalho de outra forma também (leia-se produtor e tal).”

Sem rebolado para ‘Segundo Sol’

“Foi do UOL, que saiu essa maldade que eu não sabia rebolar. Poucas vezes eu fico chateado, e dessa vez, eu fiquei. Porque passa do lugar do meu trabalho, do meu ofício. Quando inventam alguma coisa da minha vida pessoal, às vezes você fica chateado, às vezes você lida bem. Já são muitos anos, né? Esse não, era o meu oficio, né? Eu estou aqui por mérito. Não fui apadrinhado, não tinha ninguém da minha família, não sou filho de ninguém, eu trabalhei muito, e continuo trabalhando para crescer. Quando falaram isso, eu fiquei chateado. Nunca usei as minhas redes sociais para falar nada, falei.”

‘Ilha de Ferro’

“Dante (Cauã Reymond) em ‘Ilha de Ferro’, é um cara que tem uma vida extremamente difícil, assim. É um cara que esta almejando um cargo, e, esse cargo não chega, esse cargo é ocupado por uma mulher. Acho que mexe com esse lugar do empoderamento feminino. A Ilha de Ferro, tem com as personagens de Maria Casadevall e Sophie Charlotte, que apresenta essa nova mulher para o mundo, e como é que esse cara machista lida com isso. Mau personagem é extremamente machista. Como ele se introduz nesse universo novo. E como ele muda através da história, né? A gente está aqui para amadurecer, né?”

Cauã continua sendo o sonho de consumo das mulheres

“Opa, eu tenho a mesma idade (Cauã fez 38, no último dia 20 de maio) do Ryan Gosling. Você falando assim, parece que eu estou com uns 50 anos (risos). Eu fico lisonjeado de coração, vou agradecer o meu personal e a minha nutricionista . Eu estou brincando.. Mas isso é fruto da forma que eu encaro o trabalho.. Eu encaro o meu oficio de uma forma muito séria. Eu acho que uma coisa legal do ‘Ilha de Ferrro’, é que estar em contato com a Maria Casadevall e Sophie Charlotte, que são atrizes que batalham muito pelo feminismo, junto com o Dante, abriu uma janela para mim. Eu comecei a observar algumas coisas que eu não tinha noção. Eu não sou um cara que vou fazer fiu, fiu para uma menina.. Nunca! Quando eu era jovem e tal, ok. Eu comecei a ver várias questões e diálogos..  Que as vezes eu conversando com uma ou com outra, ou entendendo o um ponto de vista diferente.. Que antes de tudo que está acontecendo no Brasil, que eu falei: ‘Caramba, eu tenho uma filha mulher, e como é que o mundo mudou para as mulheres, né?’. E que bom eu ele mudou para as mulheres.. Eu tenho uma filha menina.. Eu amadureci muito com o Dante durante a série.”

Amadurecimento

“Minha conduta não era errada. Mas a forma como eu observava situações, era antiquada. Entendeu? Não tem mais espaço para piadinhas.. Quem sou eu para questionar coisas.. Mas na minha cabeça eu comecei a questionar porque que eu não posso ter a minha licença paternidade mais prolongada. Se minha mulher está em casa, eu não estou dando de mamar, mas eu vou ter que acordar a noite, eu vou para o trabalho.  Minha filha, Sofia, nasceu no meio de ‘Avenida Brasil’, e eu gravei no dia seguinte. Imagina ‘Avenida Brasil’, o caos, a Sofia nasceu no meio, em maio. Maio era quando começava dar várias viradas. Eu estava ali, no meio do furação. Eu penso assim: ‘obvio que tem diferenças fisiológicas, mas será que o homem também tem direito?’. Quem sou eu para questionar o que as mulheres estão pedindo, que eu sou a favor de tudo – igualdade de salario e tal. Mas quando bateu esse negócio da licença paternidade, eu pensei: ‘ eu quero  ser pai daqui a pouco, e eu queria ficar em casa mais tempo’. O homem fica uma semana, e a mulher precisa de você. Um ambiente familiar, né? É para você estar presente, né?”

Elogiando Fabio Assunção

“Depois eu me arrependi que eu trouxe tudo de volta, né? Eu trouxe a tona a questão e eu fiquei com medo de ter chateado o próprio Fabio, com quem não é o meu amigo pessoal, eu não cruzei. Quando eu encontrar, eu vou falar: ‘Cara, desculpa. Fico feliz em ver você bem, em um trabalho tão bonito, a figura dele está incrível’. Ele permeou o meu imaginário como jovem, e depois como jovem ator, ele contracenou com a Grazi em ‘Negócio da China’, foi a primeira protagonista dela. Ele foi um querido com ela. Independente das dificuldades pela qual ele passou. Tem um lado meu de compaixão de saber quais são os desafios dessa vida artística.”

Parado pela lei Seca

“Era o último dia de filmagem de ‘Ilha de Ferro’, eu não bebo. Eu tomei meia taça de vinho. Me arrependo profundamente disso. Porque eu ainda estou me culpando porque eu não bebo. E, naquele dia, eu disse: ‘hoje acabou.. Vou comer uma pizza, porque eu não como’. Fui parado pela Lei Seca, e vou pagar como qualquer cidadão tem que pagar.”

Casamento

“Caramba, já me pararam na Lei Seca, e você quer me casar.”

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio