Aos 31 anos de carreira, Érico Brás comenta que era fã da Escolinha desde criança: “Estudava e saia correndo para ver”

Publicado há 3 anos
Por Henrique Carlos
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O remake de Escolinha do Professor Raimundo estreará em Setembro sua quarta temporada, e contará com novidades em seu elenco. Entre elas Érico Brás, que viverá o personagem Eustáquio, interpretado originalmente por Grande Otelo. Durante a apresentação da nova temporada, que aconteceu num evento realizado nos Estúdios Globo no Rio de Janeiro, o ator conversou com nossa reportagem. Ele falou sobre a responsabilidade de dar vida a este personagem, e sobre como o programa fez parte de sua infância.

Leia também: Fabiana Karla fala sobre a volta da Escolinha: “A gente se a cada texto”

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Você falou sobre o prazer de estar nessa nova temporada do remake da escolinha, você chegou a acompanhar quando era mais novo essa mania?

É claro. A Escolinha do Professor Raimundo faz parte da vida de todo mundo. Eu lembro que passava umas 17h, e eu estudava de tarde, saía correndo da escola para ver. Imagina, eu olhava a Escolinha do Professor Raimundo, eu um garotinho do subúrbio, o único personagem que parecia comigo era gay, o seu Eustáquio, do Grande Otelo e aquilo era maravilhoso, eu adorava tudo. Adorava o Seu Boneco, a gente adorava imitar os trejeitos dos personagens. Mas eu olhava naquela galera toda e pensava: ‘Porra, esse cara parece comigo’, aí depois quando fui crescendo, virando artista, virando ator, que eu conheci a obra do Grande Otelo, eu passei a admira-lo. Hoje para mim é mais que uma honra estar trazendo de volta esse personagem que foi criado por ele, feito por ele durante a vida inteira na escolinha, que é uma paleta que o Chico Anísio tinha na mão, eram grandes artistas de diversas cores. A gente sabe que a escolinha tinha e tem um significado muito importante, se a gente for olhar pelo lado político, o lado da educação brasileira que sempre foi isso e que cada um aluno desse representa uma classe, uma pessoa. O seu Eustáquio vivido pelo Grande Otelo, que hoje eu tenho a responsabilidade de me aproximar, porque fazer igual é impossível, porque ele era único.

Você chegou a ver algumas coisas dele? Porque tem gente que não gosta de ver, né?

Eu vi, mas vi poucas coisas porque não tem muito material dele solto na internet, porém o que eu vi deu para pescar algumas coisas, eu estudei e tentei me aproximar o máximo do que ele fazia. Um cara com uma referência dessa tem que ser homenageado mesmo e onde quer que ele esteja, Grande Otelo sinta-se homenageado.

E como é estar no meio de tanto humorista assim? Tem tanta gente boa.

Eu sou humorista também, né? Então tem muitos amigos aí no meio, tem gente que já faz comigo o Zorra, tem o Otávio, tem a Dani Calabresa, tem grandes atores, uma galera. Tem uns que são mais antigos, que além de colega eu sou fã e já vi trabalhar em outros lugares, os outros são colegas que estão aqui no dia a dia, então eu me sinto como se fosse um cara que é de um time, estou emprestado aqui e estou jogando no meio dos grandes, é muito bacana.

Quantos anos você já tem de carreira?

Cara eu comecei a fazer teatro com oito anos, estou com 39, então são 31 anos de carreira.

Leia também: Érico Brás revela desejo de apresentar um programa de TV: “Já tenho até uma ideia e quero negociá-la.”

E como é que você vê essa sua caminhada, porque não é fácil, né? Porque você está fazendo teatro, musical, tv.

Eu sou uma pessoa que fui privilegiada, quando eu fui chamado para fazer isso na primeira temporada, que não deu por motivos burocráticos e tal, eu fiquei bem mal porque não pude fazer. Quando eu consegui agora, que eu entrei por essa porta, eu tive um flashback da minha carreira toda, que realmente foi muito difícil. Uma carreira em que eu usei muito da minha resignação, persistência e fé, de que eu poderia ser artista e pagar as minhas contas com o meu trabalho artístico e hoje coroar a minha carreira com um trabalho desses, é uma vitória, é algo muito particular, é muito especial, a minha mãe fala muito isso para mim, ela fala para que todo dia quando eu for fazer algo, é para agradecer, agradecer ao universo por ter permitido que eu fosse uma pessoa privilegiada, realizado meu sonho e pagar as minhas contas com o meu sonho. Isso é muito nobre, isso é muito diferente, sem contar as pessoas que passaram pela minha vida, eu tive a sorte de encontrar pessoas que me ajudaram muito. Todos os lugares que eu fui passando as pessoas me ajudaram muito, dizendo que eu tinha talento e para eu acreditar, com essa crença que eu digo que vocês ainda vão em entrevistar, e me perguntar o que eu achei de ter ganhado o Oscar.

E no musical você continua, né?

Sim! O musical está em cartaz lá em São Paulo, está maravilhoso, a gente fica até 27 de julho, lá no teatro das artes, no shopping Eldorado em São Paulo. Depois a gente vem para o Rio de Janeiro em agosto e vamos circular o Brasil. O espetáculo está demais.

*Entrevista feita pelo jornalista André Romano.

Otaviano Costa volta a Escolinha

Além de novos integrantes no elenco da Escolinha do Professor Raimundo, quem também está de volta é Otaviano Costa. Ele segueinterpretando o personagem Seu Ptolomeu. O ator já havia vivido o papel na primeira temporada da nova versão da Escolinha. Na segunda temporada em 2017 ele abdicou do personagem, devido a sua rotina intensa no Vídeo Show.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio