André Luiz Frambach defende personagem do rótulo de vilão: “Tem atitudes incoerentes”

Publicado há 2 anos
Por Henrique Carlos
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em Malhação: Vidas Brasileiras, Márcio é o problemático filho de Rafael (Carmo Dalla Vecchia). O rapaz, que acusava o pai de ser ausente em sua vida, passou a morar com o educador, e sempre era inconveniente com ele.

No atual momento da novela, Márcio demonstra dificuldades em aceitar o namoro do pai com a professora Gabriela (Camila Morgado). André Luiz Frambach, que interpreta o bad boy, conversou com o Observatório da Televisão, e falou sobre sua carreira e repercussão da trama.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Leia também: Igor Rickli termina peregrinação até Santiago da Compostela: “Momentos que vivo”

André Luiz Frambach comenta repercussão do personagem

Como é que foi a repercussão da novela para você, que logo de cara já entrou na trama desafiando o Rafael?

“Então, eu acho que muita gente está com essa vontade de pegar o Márcio. A princípio até eu mesmo quando eu li, eu fiquei bem surpreso com tudo que iria acontecer. Eu entrei e a novela já estava com uns dois meses, foi bem complicado porque eu já tive que entrar com uma energia lá em cima, o pessoal foi esquentando e eu já tive que entrar fervendo. Foi bem desafiador, mas foi muito importante para mim como ator e o personagem tem sido uma experiência incrível, eu estou muito satisfeito. Nas ruas as pessoas apesar de gostar, me elogiam bastante, eles estão com bastante raiva das atitudes do personagem com a família dele.”

Vilão

Para você está sendo bom fazer um vilão?

“Eu nem gosto muito de estipular vilão e mocinho, porque eu acho que de certa forma eles têm os motivos deles, são seres humanos, hoje no mundo nós temos vilões e mocinhos que a gente não reconhece, a gente não sabe se é vilão ou mocinho. Na televisão a gente tem a mania de estipular, esse é o vilão e esse é o mocinho.

Eu não sei se eu consideraria o Márcio um vilão, eu acho que ele tem os motivos dele para fazer isso, acho as atitudes dele muito erradas, mas eu não sei se estou fazendo um vilão, eu estou fazendo um personagem que tem atitudes incoerentes, incorretas e que o André não tomaria essas atitudes, mas eu não sei se é um vilão. Eu estou gostando muito de fazer porque é o primeiro personagem mais forte, mais marcante que eu faço, mas eu estou tranquilo, porque abre muitas portas pessoais, você se descobre ainda mais como artista.”

História de Márcio

A história dele vai explicar o motivo dele ser tão marrento?

“Eu acho que de certa forma já está sendo explicado, desde o primeiro capítulo o Márcio já deixou claro que um dos motivos para ele ser o que é, é porque ele passou muito tempo longe do pai. Acho que muito disso tem a ver com a carência que ele sente, com o amor que ele sente e ele não sabe como dar, como receber, então a explicação vai mais ou menos disso aí.”

Conta um pouco mais sobre a história dele?

“Acredito que agora não vai explicar muito o porquê ele já veio assim, acho que vai explicar um pouco dessa aproximação dessa nova grande família, que vai ser Rafael, Gabriela, Flora, Alex e vai explicar um pouco a partir daí, onde as coisas vão sim piorar, porque o Márcio vai sentir que está sendo rejeitado, além desses anos que ele passou longe do pai, ele vai sentir que está sendo rejeitado e até trocado por essa grande família que o Rafael quer.”

Carreira na infância

Todo mundo lembra de você bem pequeno, como é para você voltar agora?

“Meu primeiro trabalho foi aos 8 anos aqui, aí eu trabalhei numa sequência até os 13, fiquei um tempão parado, voltei em A Lei do Amor e agora em Malhação. Está sendo uma experiência incrível, porque é exatamente isso, as pessoas me conheciam muito pequenininho, sempre gera aquela dúvida de pensar se eu era realmente aquele garotinho e aí reconhecem. É o primeiro trabalho de fato que as pessoas estão me vendo não como filho de alguém, eles estão vendo de fato o que está acontecendo com o André que cresceu, com o André que estudou e o futuro é agora, então você vê que todo aquele trabalho que você tem diariamente está dando resultado.”

Vai ter esse conflito familiar do Márcio que vai motivar a história dele. Como você é na sua vida pessoal com a família?

“Eu sou totalmente o oposto do Márcio, eu estou sempre ligado com meus pais, com a minha irmã, sempre fui muito ligado com a minha família toda. Nesse sentido da família, do carinho, do amor, o Márcio é bem o oposto do André.”

Aprendizados deixados por Márcio

O Márcio é irônico, ele sempre tem uma resposta na ponta da língua para dar, então ele pode não ser um vilão, mas ele tem características de um vilão. Você acha que quem assiste ‘Malhação’ vai poder aprender alguma coisa com o Márcio?

“Vai, vai aprender muito como não agir na vida. É um aprendizado, eu não digo nem para não ser porque ele vai se dar mal, eu digo para não ser pelas atitudes mesmo, a gente está vendo e vai se dar conta que são atitudes extremamente inconsequentes e não são atitudes de que a gente pode tomar no dia a dia. A gente sabe que tem muitos Márcios, muitas pessoas assim, mas o André acha isso totalmente incompreensível.”

O que o Márcio tem do André e o que o André tem do Márcio?

“Eu acho que um pouco da ironia. Não da ironia do mal caráter, mas a ironia de ser um pouco sarcástico, eu sou bastante irônico com algumas situações e eu acabei potencializando essa parte irônica junto com o Márcio, mas em relação a família eu falei que sou bem diferente dele, em relação a não saber como demonstrar eu também sou bem diferente. Mas eu acho que o Márcio tem muitos lados bons, acho que ele está aprendendo a demonstrar isso com a Pérola, esse lado mais amigável, mais romântico, mais carinhoso.”

Relacionamento com Pérola

Você vê um futuro no relacionamento dele com a Pérola?

“Vejo, eu acho que o Márcio aprende muito com a Pérola, assim como a Pérola aprendeu muito com ele em uma situação que ela estava precisando. Eu acredito que a Pérola seria a única salvação para o Márcio dar uma reviravolta, colocar os pés no chão e entender que o que ele faz é errado. A Pérola é a única pessoa que ele consegue dar o amor que ele não está conseguindo dar, nem receber do pai.”

*Entrevista feita pelo jornalista André Romano

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio