André Luiz Frambach comenta desequilíbrio emocional de seu personagem em Malhação: “Ciúme não leva a nada”

Publicado há 2 anos
Por Cris Veronez
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A revolta de Márcio (André Luiz Frambach) surpreendentemente se intensifica a cada dia em Malhação – Vidas Brasileiras. Insatisfeito com o relacionamento do pai, Rafael (Carmo Dalla Vecchia), com a professora Gabriela (Camila Morgado), o atual protagonista da novela teen não mede esforços para atrapalhar a vida do casal.

Leia: André Luiz Frambach defende personagem do rótulo de vilão: “Tem atitudes incoerentes”

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Entretanto, o que ele ainda não percebeu é que, se continuar sem limites, poderá causar sérios danos na vida do fundador da ONG Percurso, que aliás, é alcoólatra. Nos últimos capítulos da trama, o jovem começou a incentivar o pai a beber e, consequentemente, perder o controle da vida por causa do alcoolismo.

Em entrevista ao Observatório da Televisão, André Luiz Frambach, 21, diz que tem recebido broncas do público nas redes sociais por causa do comportamento do personagem.  O ator afirma também que, assim como Márcio, já foi bastante ciumento. “Mas aprendi que não leva a nada e que só temos a perder com isso”, reflete.

Confira o bate-papo na íntegra:

Márcio tem um perfil meio revoltado desde o início de Malhação, teoricamente porque cresceu na ausência do pai. Mas agora ele está realmente prejudicando o Rafael, ainda que sem ter noção da gravidade de seus atos. Você tem recebido muita bronca nas ruas e nas redes sociais?

Muita coisa [risos]! As pessoas vêm se queixar comigo sobre o Márcio, pedindo para eu dar um jeito nele.

Quando o Márcio se der conta de que alcoolismo é uma doença grave e de que ele está prejudicando o pai, será que vai mudar de postura? Vai ajudar o pai a dar a volta por cima?

Sim, acredito que ele realmente vai enxergar o buraco que está colocando o pai. Buraco esse que ele não imaginou que poderia cavar.

O que será que precisa acontecer para o Márcio ter mais autoconfiança e acreditar no amor que o pai sente por ele?

Talvez correr o risco de perder absolutamente tudo, inclusive a Pérola, o pai….

“Já fui bem ciumento”, assume André

Apesar do descontrole emocional, Márcio parece um cara do bem, especialmente quando vemos a relação que ele tem com a Pérola (Rayssa Bratillieri). Você acha que ela é uma espécie de ponto de equilíbrio para ele?

Ela é o único ponto de “consciência” que o Márcio tem. Só ela consegue colocar alguma coisa na cabeça do Márcio e fazê-lo enxergar o amor.

Medo de perder e ciúmes parecem ser dois imperativos na vida do Márcio. Você, André, como lida com estes sentimentos? Já passou por alguma situação em que ficou à flor da pele por conta destas sensações?

Eu já fui bem ciumento, mas aprendi que não leva a nada e que só temos a perder com isso.

Fazendo um tour pela vida real, me diz: como é a relação com a sua família?

Eu sou extremamente ligado à minha família, somos muito unidos, gostamos demais da presença um do outro. Só o fato de estarmos juntos já é maior e melhor que qualquer outra situação.

“Peguei pouquíssimo de mim pro Márcio”, analisa o ator

O que você emprestou de si para o Márcio e o que pegou dele para você?

Acho que particularmente peguei pouquíssimo de mim pro Márcio, talvez um pouco da ironia, que o Márcio usa de forma errada, negativamente. E do Márcio pro André também o fato de não deixar a ironia  se potencializar.

Como é sua relação com Carmo Dalla Vecchia, Rayssa Bratillieri e Camila Morgado nos bastidores da novela?

Carmo virou um pai de verdade, cansa de me dar dicas, conselhos. A Camila tive o prazer de conhecer em um outro trabalho e ela é realmente um exemplo de mulher e atriz.

E Rayssa é uma parceira incrível, é um prazer fazer cenas com ela, uma atriz “nova” que tem uma energia incrível e uma troca única.

Sua trajetória na TV começou bem cedo, mas vida de artista é super incerta, né? Você tem ou já teve um plano B em algum momento?

A vida de artista é uma eterna incerteza, mas a gente faz o que ama. Sim, eu comecei a fazer curso de administração para poder abrir uma produtora com a minha irmã que é diretora, e ainda penso em terminar esse curso.

*Entrevista feita por Cris Veronez

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio